Category Mercado Imobiliário

Apartamentos compactos: esses espaços vieram para ficar?

Por Fabio Garcez, CEO do Construtor de Vendas

A necessidade de distanciamento social transformou o comportamento do consumidor em todos os sentidos, o que ressignificou a experiência de ficar em casa, vivenciando mais este espaço. Por conta disso, muitas pessoas perceberam que seu lar não era tão aconchegante, dando início a um movimento de reformas, enquanto outros buscaram lugares diferentes para viver, mudando seu estilo de vida.
 

Segundo o Indicador de Vendas da Abrainc (Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias) e da Fipe, em 2021 o mercado imobiliário registrou recorde anual nos lançamentos e nas unidades comercializadas. Houve alta de 26,1% nas vendas e 1,1% nos lançamentos. Esses resultados foram os melhores desde 2014.
 

Desde então, os apartamentos menores, com apenas 1 dormitório, considerados studios, atraem cada vez mais investidores e público. Inclusive, este tipo de moradia vai ao encontro do novo estilo de vida dos brasileiros, que com o dia a dia cada vez mais corrido, buscam imóveis em locais próximos de seus trabalhos, mesmo em home office, desde que consigam adequar a rotina no novo bairro.
 

Outro estudo realizado pelo Secovi-SP apontou que imóveis entre 30m² e 45m² de área útil estão em destaque, principalmente em São Paulo. Sabemos que essa tendência dos apartamentos compactos veio para ocupar uma lacuna na sociedade atual, que é altamente digital e tecnológica. É possível notar uma mudança sensível no comportamento das famílias e no estilo de vida de todos no Brasil e até no mundo.
 

Em relatório recente, o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) mantém a tendência de que ter filhos já não é uma prioridade para os brasileiros e que a idade média de casamento é acima dos 30 anos. Este contexto faz com que a habitação seja pensada de forma diferente e as construtoras e incorporadoras já perceberam esse movimento. Com isso, estão criando áreas compartilhadas para reduzir o tempo nas atividades de casa e o custo com as tarefas domésticas.
 

Com unidades compactas, o prédio geralmente conta com mais unidades por andar e menos espaço para área de serviço. Dessa forma, é possível encontrar lavanderias próprias de condomínios e salas equipadas como Wi-Fi para uso de todos. Esse tipo de benefício se assemelha ao encontrado em flats e hotéis.
 

Ademais, este tipo de imóvel compacto não está exclusivamente no radar de quem quer comprar, mas é bastante procurado para alugar, o que movimenta investidores. Esse tipo de empreendimento pode ser utilizado para facilitar a vida de quem vem do interior e trabalha ou estuda na cidade, ou até mesmo como alternativa para quem está de passagem, seja por um evento específico ou para turismo, mas não quer se hospedar em um hotel, por exemplo.
 

Este novo conceito foi fortalecido pelas transformações que a pandemia causou. Porém, essa tendência já estava se desenvolvendo nos últimos sete anos, fazendo com que a indústria da construção aproveitasse melhor os espaços menores e cobrasse mais por metro quadrado dentro de bairros nobres. O perfil do público que procura por este tipo de espaço está disposto a pagar por isso, mas é um movimento que deve ser acompanhado com atenção, visto que ainda estamos descobrindo novos comportamentos para um estilo de vida pós-pandemia.

Grupo Alphaville lança empreendimento em Betim com foco em sustentabilidade

Líder em empreendimentos horizontais no Brasil há quase 50 anos, o Grupo Alphaville anuncia o lançamento de seu mais novo empreendimento em Minas Gerais, na cidade de Betim. Com apenas 396 lotes, a partir de 360 m², o Terras Alpha Betim foi desenhado para priorizar a sustentabilidade, a segurança e o bem-estar de todos os moradores, aspectos que são referências da marca em todas as suas concepções urbanísticas.

O empreendimento terá mais de 310.000 m² de áreas verdes preservadas, com o objetivo de manter a vegetação local e proporcionar a interação entre os moradores e a natureza do entorno. As ruas serão iluminadas com lâmpadas de LED para reduzir o consumo de energia. Um importante diferencial é a instalação de totens para recarga de carros elétricos. 

O clube do loteamento, com mais de 11 mil m² de área, contará com placas de energia solar, além de um reservatório de reaproveitamento de água pluvial para irrigação do espaço. O espaço terá quadras de beach tennis e tênis, campo de futebol, tabela de basquete, parquinho, piscina infantil e com raias semiolímpicas, academia, salão de jogos, churrasqueira, além de um sistema para utilização de bicicletas compartilhadas, denominado Bike Sharing. 

“O empreendimento de Betim foi planejado para fornecer o melhor a quem busca moradia em um local rico em áreas verdes, que favorecem no contato com a natureza e que prezam pelo meio ambiente. Tudo isso é trabalhado para atender às necessidades dos moradores de forma inovadora e valorizar os nossos padrões de qualidade”, ressalta Klaus Monteiro, CEO da Alphaville. 

Conhecida por valorizar os projetos arquitetônicos, a empresa trouxe como parceiros no empreendimento de Betim o escritório RAS Arquitetura, a Laan Paisagismo e, para o projeto de interiores, a Natália Salla Arquitetura.

Todos os projetos urbanísticos da Alphaville possuem portarias com monitoramento 24 horas, controle de acesso informatizado e limite de velocidade nas vias para proporcionar segurança e tranquilidade aos moradores e seus visitantes. O loteamento de Betim ganhou ainda o Espaço Delivery, onde são armazenadas entregas feitas quando o morador não está em casa. 

Terras Alpha Betim será lançado dia 10/09. O stand de vendas presenciais está localizado no endereço Praça Milton Campos, 33 – Centro, Betim – MG, CEP 32600-134. Os interessados podem conferir mais informações sobre o empreendimento no site.

Ibape/SP e Sinduscon-SP realizam curso on-line sobre vícios construtivos nas edificações

Conteúdo foi estruturado para atender a demanda de profissionais de diversos estados brasileiros

O Instituto Brasileiro de Avaliações e Perícias de São Paulo (Ibape/SP) e o Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo (Sinduscon-SP), realizam, nos dias 12, 14 e 19 de setembro, das 17hs às 19 horas, o curso on-line “Vícios Construtivos nas Edificações – Aspectos Práticos da Apuração de Nexo Causal”.

A apuração de nexo causal nas perícias de engenharia na construção civil é procedimento investigativo obrigatório para a correta classificação dos vícios, defeitos, anomalias em geral e falhas de manutenção. O raciocínio pericial lógico dedutivo que instrui essa investigação envolve aprendizado e conhecimento técnico para descrição de sintomas, seus mecanismos de ação, suas origens e agentes causadores.

Através da apresentação dos conceitos técnicos e definições, dos requisitos essenciais e procedimentos técnicos envolvendo as perícias de engenharia na construção civil, o curso explora todos esses aspectos necessários à precisão e fundamentação dos laudos com apresentação de exemplos práticos e do desenvolvimento do raciocínio lógico dedutivo para as principais anomalias observadas nas edificações.

Os temas serão apresentados pela engenheira civil Flávia Zoega Andreatta Pujadas, do Ibape/SP e o curso ainda contará com a presença especial do advogado Dr. Carlos Pinto Del Mar, que vai tratar de prazos de garantia e responsabilidades.

As inscrições de associados Ibape/SP são no mesmo valor da inscrição de associados SindusconSP e podem ser feitas diretamente no site do Sinduscon: https://sindusconsp.com.br/

Serviço

Curso on-line: Vícios Construtivos nas Edificações – Aspectos Práticos da Apuração de Nexo Causal

Data: 12, 14 e 19 de setembro

Horário: 17h às 19h

Inscrições: https://app.sindusconsp.com.br/login

Proptech inGaia passa a se chamar Kenlo

A inGaia, uma das maiores empresas de tecnologia do mercado imobiliário, passa a se chamar Kenlo, fortalecendo o objetivo de levar inovação e consolidar ainda mais a transformação digital do mercado imobiliário brasileiro. A partir de agora, a empresa unificará o seu portfólio completo, que oferece serviços e produtos com a proposta de integrar experiência digital, inteligência de dados, marketplace, garantias e seguros para as imobiliárias locais.


Em 2021, o ecossistema de clientes e parceiros da Kenlo transacionou R$41 bilhões em Valor Geral de Vendas (VGV) e R$2.8 bilhões em Valor Geral de Locação (VGL). A empresa também registrou crescimento de 38% no faturamento, com perspectiva de crescer 50% em 2022.


A Kenlo surgiu no início dos anos 2000 com o nome inGaia, e como provedora de serviços online imobiliário. Em 2007, a empresa inovou no desenvolvimento de um software de gestão de dados (SaaS), o que proporcionou um crescimento significativo.


“Agora com um novo conceito e sempre à frente das tendências do mercado imobiliário, inGaia e Kenlo se solidificaram em uma única marca. Com isso, buscamos constantemente novas oportunidades de negócios de forma dinâmica e eficaz, enfatizando o papel central do corretor de imóveis para o crescimento do setor”, afirma Mickael Israel Malka, presidente da Kenlo. “Mais do que digitalizar, queremos impulsionar uma verdadeira transformação digital do setor imobiliário, fazendo isso com o corretor de imóveis no foco”, ressalta Nicolas Andrade, Gerente de Marketing da Kenlo.


Nos últimos anos, a Kenlo se tornou o maior banco de dados de propriedade e leads do mercado, com mais de 5.8 milhões de imóveis ativos e 40 milhões de pageviews por mês, além de ser o maior ecossistema B2B de imobiliárias e administradoras com um dos maiores públicos de B2C.


“Nosso propósito é empoderar as imobiliárias locais, fortalecendo sua presença e protagonismo, por meio da transformação digital, que garante mais agilidade, personalização e, consequentemente, maior rentabilidade para nossos clientes e parceiros. Além disso, conseguimos garantir uma maior fluidez no mercado, atuando a favor das pequenas e médias imobiliárias”, comenta José Eduardo Andrade Junior, CEO da Kenlo.


Por meio de seus parceiros, a proptech está presente em 850 cidades dos 26 estados brasileiros, tendo 25% de market share no mercado de provedores de tecnologia para comércio e locação de imóveis usados no País, conectando 55 mil usuários e mais de 11 mil clientes (imobiliárias, administradores e corretores autônomos).

ABRAMAT: Regularidade prevalece na Indústrias de Materiais de Construção em agosto

A ABRAMAT (Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção) divulga nessa sexta-feira, 02, a nova edição do Termômetro da Indústria de Materiais de Construção. A pesquisa de opinião realizada com as lideranças do setor indica que as empresas associadas seguem divididas em relação aos resultados em agosto. Para 37% dos associados da ABRAMAT o mês apresentará resultado bom e 48% apontam o período como regular.

Já para setembro a expectativa é que o otimismo cresça, com 48% das empresas associadas estimando resultado bom, e 4% muito bom. A pesquisa também apresenta os dados consolidados de julho de 2022, indicando que o mês foi de resultados negativos no setor. Para apenas 26% dos associados julho trouxe resultados bons, ante 41% considerando regular, e para 26% ruim.

O Termômetro da ABRAMAT também traz informações acerca do nível de utilização da capacidade instalada da indústria de materiais. Em agosto, a utilização da capacidade industrial foi de 74%, na média das empresas associadas, 2 pontos percentuais abaixo em relação a julho de 2022, e apresentando 4 pontos percentuais a menos do que em agosto de 2021.

As pretensões de investimento em agosto de 2022 também apresentam leve queda, com redução de 1 ponto percentual em relação ao mês anterior, refletindo a incerteza sobre a retomada dos investimentos projetados para este ano, com 74% das indústrias de materiais indicando que devem investir nos próximos 12 meses seja para aumento da capacidade produtiva, seja na modernização dos meios de produção. Em agosto do ano passado, este indicador era de 70%.

“A pesquisa da ABRAMAT mostra que há uma expectativa por melhoria nas vendas para os últimos meses do ano, reforçando o sentimento de otimismo moderado, porém cauteloso em função das muitas externalidades enfrentadas, entre nossos associados. O auxílio emergencial, redução no preço de combustíveis, e dados macroeconômicos atuais como inflação em queda, crescimento do PIB e geração de empregos são fatores que contribuem para o aumento do otimismo em setembro”, explica Rodrigo Navarro, presidente da ABRAMAT.

Estudo prevê mudanças no modelo de negócio dos shoppings centers

Segundo a consultoria Alvarez & Marsal, espaços mostram sinais de recuperação após a crise sanitária e investem na omnicanalidade.

Para sair do sufoco gerado pela pandemia do COVID-19, de acordo com análise da A&M, shoppings se tornaram hubs de distribuição de última milha e aprimoraram a estratégia da omnicanalidade. Levantamento de mercado¹ prevê que o comércio omnichannel cresça 30% até 2025 no Brasil e as vendas nessa modalidade passem a representar 43% do total das vendas do varejo nesse mesmo ano. Mas mesmo com o crescimento do e-commerce, as vendas na loja física continuarão sendo importantes no ciclo de compra, e irão representar 82% das vendas totais até 2025.

Sobre a utilização dos shoppings como hubs de distribuição de última milha, as lojas servem de ponto logístico e como opção de compra presencial e recebimento em casa, ou vice-versa. Além disso, os serviços de entrega ultrarrápida (menos de 2 horas) só são possíveis hoje a partir da utilização da infraestrutura dos shoppings.

Quanto a estratégia de omnicanalidade, a Iguatemi e Aliansce Sonae já criaram plataformas online de vendas das marcas das suas redes – “Iguatemi 365” e “Shopping Online”, respectivamente, que oferecem disponibilidade de entrega em casa, na loja física ou via drive thru. Com a plataforma, a Iguatemi conquistou novos clientes, com 47% das vendas provenientes de cidades que a companhia não possui nenhum shopping.

Com o fim das barreiras impostas pela pandemia de covid-19, de acordo com levantamento realizado pela A&M, os shoppings já mostram sinais de recuperação da crise, dando indícios de que o setor pode caminhar na contramão das preocupações de mudança de hábito e da substituição dos shoppings pelo e-commerce:

  • Nos dois primeiros trimestres de 2022, todos os grandes players do setor apresentaram crescimento nas vendas, quando comparado ao mesmo período de 2019. A Iguatemi, por exemplo, apresentou vendas 15% e 30% superiores. Da mesma forma, Multiplan apresentou o mesmo índice 14% e 28% maiores. Já a brMalls, no primeiro trimestre mostrou vendas 5% superiores ao mesmo período de 2019, e a Aliansce Sonae, 9%.
  • Em termos de aluguéis, a receita do primeiro trimestre de 2022 também superou os valores de 2019, com destaque para Multiplan com 49% de crescimento.

A A&M enxerga que o próximo passo é a utilização dos espaços dos shoppings de forma híbrida, se transformando em empreendimentos multiuso, integrando torres comerciais, residenciais, hotéis e nova gama de serviços e entretenimento.

  • Nesse sentido, os complexos multiusos combinam a necessidade dos dois lados, a praticidade para o morador/executivo/turista de uma rede de serviços e entretenimento, e o fluxo de pessoas ao centro comercial.
  • Além da relação de aumento de fluxo de consumidores, há também a simbiose no degrau acima entre administradoras de shoppings center e incorporadoras. As administradoras realizam a permuta dos terrenos de seus shoppings que ainda possuem potencial construtivo em troca de parte dos projetos, e as incorporadoras passam a incorporar em um terreno em posição estratégica. Dessa forma, ambas empresas ganham valor e relevância de mercado.
  • No Brasil, os empreendimentos multiuso ainda são mais tímidos e de menor porte em relação aos dos EUA, que se portam como minicidades. De acordo com dados da Abrasce (Associação Brasileira de Shopping Centers), 28% dos shoppings do país já integram um complexo multiuso
  • Em São José dos Campos (SP), por exemplo, o complexo multiso fundado pelo Grupo Colinas acaba de lançar a Colinas Green Tower, um edifício empresarial de 26 andares que conta com 144 salas comerciais, lajes corporativas e heliponto homologado para aeronaves de grande porte, totalizando investimentos da ordem de R$ 180 milhões. O espaço também conta com o Colinas Shopping e o Hotel Golden Tulip. Até 2024, o complexo ainda ganhará cinco novas torres residenciais com empreendimentos da MVituzzo e RDC.
  • No início de 2022 a brMalls assinou um acordo com a Vitacon para desenvolver prédios residenciais e centros médicos nos terrenos de seus shoppings. O acordo prevê o lançamento de 20 torres em sete dos shoppings, a partir de 2023. Os apartamentos serão de 25 a 110 m², com valores de R$ 8mil/m² a R$ 10mil/m², totalizando um VGV de mais de R$ 2 bilhões.
  • Enquanto por aqui ainda são feitas adaptação ao multiuso, como a implementação de torres residenciais e comerciais a shoppings já existentes, nos EUA, os projetos são originados com o conceito mixed-use. Isso se explica, provavelmente, tanto pela demanda do mercado quanto pela disponibilidade de recursos para que incorporadoras façam esses tipos de empreendimentos, bem como o cenário macroeconômico do país.
  • Aventura Parksquare: Inaugurado em 2018 e também localizado em Miami – Flórida, abriga um conceito de minicidade. O complexo contempla unidade residenciais, salas comerciais, hotel, lojas, restaurantes, em cinco diferentes torres.
  • Miami World Center:  um dos maiores empreendimentos mix-used dos EUA, com 4 torres residenciais, um hotel Marriot com 1700 quartos, um prédio corporativo de 45 andares e mais de 40mil m² de área de varejo, com mais de 40 lojas e opções de entretenimento. Está previsto para ser inaugurado ainda em 2022.
  • Related Santa Clara: Considerado o maior projeto mixed-use do Vale do Silício, começará a ser construído ainda em 2022. Em Santa Clara, o complexo contará com 530 mil m² de área comercial, 60 mil m² de área destinada a varejo e entretenimento, além de um parque, 700 quartos de hotel e 1700 unidade residenciais.
  • Embora as administradoras de shoppings center já tenham iniciado a busca pela implementação de complexos multiusos em seus shoppings, a A&M mapeou desafios que deverão encontrar:
  • Sustentabilidade, integração à natureza e sinergia com o entorno, trazendo uma proposta de reurbanização. Isto é, ter uma arquitetura que permita a integração com o ambiente externo para fortalecer todo o conceito de “experiência” ao ser um usuário do complexo.
  • Implantação de Flagship Stores: lojas conceito com experiências de compra insubstituíveis, modernas e inovadoras para mostrar ao consumidor que o empreendimento é um palco para as marcas se conectem aos clientes.
  • Incorporação do conceito de ESG e acessibilidade: facilidade de acesso aos empreendimentos tanto via transporte particular quanto público.
  • Serem capazes de oferecer um mix de serviços: desde operações tradicionais até inovações – hub de saúde, complexo de lojas e consultórios médicos, torres comerciais, hotel, restaurantes etc.

Nota 1: Relatório da Euromonitor “El futuro de retail 2021-2025”

Construsummit 2022 abordará impactos de novas legislações para a indústria da construção

Com a virada do mês, serão menos de quatro meses para um novo ano que traz grandes mudanças em legislações importantes para a indústria da construção. As temáticas, no entanto, ainda não estão sendo discutidas entre o setor com o objetivo de esclarecer os impactos reais para as empresas.
 

As discussões necessárias para preparar o segmento para as novidades serão feitas de forma inédita durante o Construsummit 2022, o maior evento de gestão da indústria da construção, realizado por Sienge e CV CRM, nos dias 14 e 15 de setembro. Para abordar de forma assertiva assuntos tão importantes para o setor, o Construsummit terá uma trilha temática sobre ambiente regulatório.
 

A normativa com prazo mais apertado é a Resolução do Conselho Monetário Nacional nº 4.909, que estabelece condições gerais para contratação de financiamentos de imóveis. Incorporadoras e bancos devem revisar a adequação aos critérios até 31 de dezembro deste ano.
 

Logo em janeiro de 2023, um novo prazo: a Medida Provisória nº 1.085/2021. O texto determina a implantação do Sistema Eletrônico dos Registros Públicos (Serp), onde serão concentradas e emitidas as certidões necessárias para o mercado imobiliário. A chamada MP dos Cartórios estima que a unificação dos sistemas facilite e reduza os custos na emissão das certidões de imóveis.
 

Ainda em 2023, a indústria da construção deverá estar atenta também ao Projeto de Lei 4.188/21, que prevê a facilitação do uso das garantias de crédito e a redução de custos e juros de financiamento de imóveis.
 

“O setor da indústria da construção tem um papel expressivo na economia do País. Somada essa responsabilidade aos diversos cenários que se apresentam em ano eleitoral, é fundamental que todo o segmento esteja bem-preparado para atuar de forma assertiva e aderente às mudanças de legislação”, argumenta Fábio Garcez, CEO do CV, o mais completo CRM do mercado imobiliário no Brasil.
 

Para Guilherme Quandt, Diretor de Marketing e Estratégia do Sienge, o maior ecossistema tecnológico da indústria da construção, é um momento excelente para que os gestores do segmento se conectem. “Ainda que a cadeia da construção necessite de uma grande transformação digital, o bom uso da tecnologia só é possível com as pessoas. E são essas pessoas que garantirão uma cadeia da construção integrada, com previsibilidade e eficiência operacional”.
 

Além da trilha temática do ambiente regulatório, o Construsummit abrirá espaço para uma outra iniciativa inédita: o painel com as principais entidades brasileiras da indústria da construção.
 

Na plenária principal, José Carlos Martins, presidente da CBIC (Câmara Brasileira da Indústria da Construção), Rodrigo Navarro, presidente da Abramat (Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção), e Filipe Pontual, Diretor Executivo da Acebip (Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança), farão análises e falarão sobre como planejar o futuro do setor em meio às incertezas.
 

“Um dos objetivos do Construsummit é abrir espaço para que os profissionais do setor antecipem tendências e troquem experiências que impulsionem a indústria da construção. A programação desta edição traz temas fundamentais para uma atuação assertiva da cadeia nos próximos meses”, destaca Ionan Fernandes, Diretor Executivo do Sienge, mediador do painel especial.
 

Outros nove blocos de conteúdo especializados serão destaque no Construsummit: inovação no canteiro de obras, BIM, ESG, industrialização na construção civil, mercado imobiliário, inovação no mercado imobiliário, experiência do cliente, marketing e vendas. 

Serviço Construsummit 2022

Data: 14 e 15 de setembro de 2022

Horário: das 9h às 17hs

Local: online para todo o Brasil e presencial, na Sede da Softplan, desenvolvedora do Sienge

Endereço: Sapiens Parque – Av. Luiz Boiteux Piazza, 1302, Florianópolis (SC)

Ingressos: a partir de R$ 259,99

Inscrições e informações: acesse o site oficial

Construtora realiza lançamento de projeto que pretende mudar o conceito de moradia de luxo em Natal

O HERMES, da Atlantis Construções, nasce com o propósito de conectar moradores e visitantes através da Arte, Design e Arquitetura em um projeto de vanguarda

A Atlantis Construções realiza nesta terça (30), no Solar Bela Vista, o evento de lançamento que dá início ao HERMES Condomínio, considerado um divisor de águas no mercado imobiliário de Natal. O evento para os futuros moradores, convidados e parceiros, será marcado por uma exposição de arte, música e intervenções de design que remeterão aos diferenciais do empreendimento, localizado em um dos maiores e melhores terrenos da cidade, na Avenida Hermes da Fonseca, em Petrópolis.

O HERMES é um projeto que valoriza a arte, design e arquitetura como patrimônios incontestáveis, em sintonia com a cidade que o abraça e o estilo de vida das pessoas mais exigentes. Com um olhar voltado para o futuro e o desenvolvimento responsável do seu entorno, está integrado com gentileza e distinção ao ambiente urbano e tem a biofilia como ponto essencial.

Com apartamentos a partir de 264 m2, o empreendimento está localizado em um terreno de mais de 3.200m2 que tem início no passeio da Afonso Pena, com sua entrada de moradores, e se estende até o trecho mais nobre da Avenida Hermes da Fonseca, em frente à Avenida Ângelo Varela.

O projeto foi pensado em cada detalhe por alguns dos profissionais mais gabaritados da cidade. Nomes como Costa Neto, Renata Santa Rosa, Maria Cândida de Paula e Azol entre outros arquitetos, paisagistas e artistas, foram responsáveis por criar uma atmosfera que valoriza o espaço de maneira funcional e reconfortante. O condomínio terá uma parceria também com os especialistas da Academia Pulse, que será responsável pelo design das áreas fitness, de saúde e bem-estar, e com a Officina Interiores, para a mobília de todas as áreas comuns.

Daniel Matias, CEO da Atlantis Construções

“A fuga da estética residencial padrão visa o encontro de espaços contemplativos e capazes de transmitir o propósito do projeto”, explica o CEO da Atlantis Construções, Daniel Matias. “Propósito este que vai muito além do produto. Acreditamos que podemos mudar a forma como as pessoas se relacionam com suas casas e sua cidade”, afirma.

O prédio será recuado de forma proposital para dar espaço a uma Alameda de palmeiras imperiais na Avenida Hermes da Fonseca, seu endereço oficial, mas também contará com uma imponente entrada exclusiva para moradores na Avenida Afonso Pena. “O uso da madeira, o verde, os tons claros e as diferentes texturas trazem o natural, gerando um ambiente completo, pensado e repensado, estimulando a nossa paixão pela boa arquitetura ao oferecer ambientes receptivos e aspiracionais”, explica Daniel Matias.

FG Empreendimentos e João Armentano celebram parceria

 Da esquerda para direita: Jean Graciola, João Armentano e Francisco Graciola.

A FG Empreendimentos é uma empresa que investe no destino Balneário Camboriú. Além dos empreendimentos icônicos que ajudaram a transformar o skyline da cidade em uma obra de arte, a empresa investe no relacionamento com grandes players. Na última semana, o presidente da FG, Jean Graciola, recebeu o renomado arquiteto João Armentano, que com mais de 30 anos na profissão, consolidou sua carreira com projetos que transbordam sensibilidade e versatilidade em suas plantas, com atuação no mercado nacional e internacional. O profissional passou o final de semana na cidade para vivenciar o lifestyle e conhecer as peculiaridades do litoral norte de Santa Catarina.

Acostumado a lidar com projetos de grande porte, revestimentos sofisticados e móveis de design premiado, João Armentano gosta de dizer que o luxo não está na dimensão e na opulência, e sim no acolhimento. “Ele é um profissional ímpar, que se autointitula muito sonhador e também observador. E isso foi que gerou ambiência entre nossos projetos”, destaca o presidente da FG.

É na junção de design, arquitetura e decoração que o arquiteto encontra o casamento perfeito para o sucesso de suas ideias. “Ele apresenta soluções ousadas e o estilo apurado, combinações simples e sem ostentação. E mais, o arquiteto flerta com a filosofia de vida minimalista e prioriza a saúde e o bem-estar, o protagonismo dos nossos projetos e são composições que trazem amplitude e elegância aos ambientes”, completa Jean Graciola. Outra marca do arquiteto é a integração com a natureza e a utilização de itens naturais nos projetos. Características essas que ligam ainda mais o estilo do profissional aos projetos da catarinense FG Empreendimentos.

Armentano ficou encantado com a cidade de Balneário Camboriú. Em um de seus posts nas redes sociais ele postou uma foto da cidade e fez uma provocação aos seguidores: seria Miami? Dubai? New York? Não, é no Brasil: na impressionante megacidade de Balneário Camboriú.

Em breve a FG apresentará ao mercado novos projetos que terão traços do arquiteto, disruptivos, criando tendências e prezando pela praticidade, pelo conforto e o bem-estar. Armentano aposta no “conforto essencial” para o futuro do lar no pós-pandemia e acredita que, cada vez mais os empreendimentos precisam investir em espaços alternativos, fora do convencional.

Aluguel em Curitiba subiu 21,2% nos últimos 12 meses, segundo Imovelweb

O Imovelweb,um dos maiores portais imobiliários do País, divulga seu relatório mensal de preços de julho em Curitiba. Neste mês, o preço médio do aluguel fechou em R$ 1.767 para os apartamentos de dois quartos, subindo 1,7%. O incremento de valor desacelerou em julho, porém continua acima da inflação. Nos últimos 12 meses, o aluguel em Curitiba subiu 21,2%, muito acima da inflação e do ajuste do IGP-M.

Os dados do relatório mensal de preços do Imovelweb, também chamado de Index, são gerados com base em 100% dos imóveis listados no portal, seja aluguel ou venda, mostrando o preço médio das propriedades.

Centro Cívico é o bairro com maior preço médio da cidade, custando R$ 2.811 por mês. Tatuquara, por sua vez, é o mais barato para morar de aluguel, com um valor mensal de R$ 959.

Mais baratos (R$)Variação MensalVariação Anual
TATUQUARA959-5,7%-2,7%
CAMPO DE SANTANA1.0335,0%-2,6%
CACHOEIRA1.047-2,2%-2,2%
Mais caros (R$)Variação MensalVariação Anual
JARDIM DAS AMERICAS2.329-7,1%25,6%
PRADO VELHO2.7664,1%22,8%
CENTRO CÍVICO2.8116,8%S/D

Imóveis à venda: aceleramento nos preços

O preço médio na cidade fechou julho em R$ 8.134 por m². A alta foi de 1,9% no mês, mantendo-se na velocidade do ajuste máximo desde o início da série. Desde outubro de 2019, o valor médio registra um incremento mensal ininterrupto.

Em 2022, os preços acumularam um aumento de 8,8%, acima da inflação, o que implica em uma alta real de 3,0%. Apartamentos usados e pequenos (até dois quartos) sobem acima da média.

Santa Felicidade é a região mais cara com o metro quadrado custando R$ 9.601. Todas as áreas de Curitiba registraram aumento de preço interanual. Cajuru obteve a maior alta.

Preço médio dos imóveis à venda em Curitiba por região:

RegiãoValor do m²Variação MensalVariação Anual
BAIRRO NOVO3.4570,2%4,9%
BOQUEIRÃO5.1030,6%12,6%
PINHEIRINHO5.3630,6%9,3%
CAJURU5.7391,5%19,4%
BOA VISTA6.7851,3%13,4%
CIDADE INDUSTRIAL DE CURITIBA7.2022,4%S/D
FAZENDINHA-PORTÃO8.0621,7%12,3%
MATRIZ9.5352,1%13,3%
SANTA FELICIDADE9.6012,6%16,2%

Na análise por bairros, Campina do Siqueira é o mais caro da cidade, com um preço médio de 11.427 por m². Campo de Santana é o mais econômico, com um valor médio de R$ 3.081.

Mais baratos (R$/m²)Variação MensalVariação Anual
CAMPO DE SANTANA3.081-0,7%5,2%
AUGUSTA3.1932,0%4,8%
CACHOEIRA3.2250,9%8,2%
Mais caros (R$/m²)Variação MensalVariação Anual
BATEL11.0362,4%11,1%
BIGORRILHO11.1203,7%S/D
CAMPINA DO SIQUEIRA11.4274,9%8,5%

Rentabilidade

O índice de rentabilidade imobiliária relaciona o preço de venda e valor de locação do imóvel para verificar o tempo necessário para recuperar o dinheiro utilizado na aquisição do imóvel. O relatório de julho apontou um índice de 4,26% bruto anual, diminuindo pelo segundo mês consecutivo, consequência da aceleração dos preços de venda. Com este índice, significa que são necessários 23,5 anos de aluguel para reembolsar o investimento de compra, 3,0% a menos que um ano atrás.

Boqueirão e Cajuru são as regiões que oferecem mais retorno para os investidores. Centro Cívico e Sítio Cercado são os melhores bairros para quem busca renda. 

Rentabilidade por região:

RegiãoRentabilidade
SANTA FELICIDADE2,5%
CIDADE INDUSTRIAL DE CURITIBA2,6%
MATRIZ4,3%
BOA VISTA4,5%
PINHEIRINHO4,6%
FAZENDINHA-PORTÃO4,7%
BOQUEIRÃO4,9%
CAJURU5,6%