Category Mercado Imobiliário

Preço de aluguel no Rio de Janeiro fecha em alta no terceiro trimestre de 2022

De acordo com o relatório mensal de preços de setembro do Imovelweb, um dos maiores portais imobiliários do País, o preço médio dos imóveis no Rio de Janeiro, seja para alugar ou comprar, subiu ao longo do mês.

No caso do aluguel, o valor médio mensal em setembro ficou em R$ 2.131 para os apartamentos de dois quartos, subindo 0,8% no mês. Já para os imóveis à venda, o relatório aponta um preço de R$ 8.875 por m², com alta de 0,1% em setembro.

Balanço do terceiro trimestre e últimos 12 meses

No fechamento do terceiro trimestre de 2022, o index aponta um incremento de preço no aluguel de 3,0% no Rio de Janeiro, maior que São Paulo (+2,5%), Brasília (+2,4%) e Belo Horizonte (1,3%), porém menor que Curitiba (6,2%).


Na análise dos imóveis à venda, houve uma queda de preço de 0,2%, levemente superior ao da inflação no mesmo período (-0,1%)

No acumulado dos últimos 12 meses, o valor do aluguel subiu 5 p.p. acima da inflação. Para as propriedades à venda, o preço aumentou 1,9% (abaixo da inflação), derivando em uma queda real de 6.1 p.p.

Valores por região e bairros do Rio de Janeiro

Quando se trata de aluguel, Zona Sul é a mais cara da cidade, com um valor médio mensal de R$ 3.129. Zona Oeste é a mais econômica, custando R$ 1.044 por mês.

Valor médio do aluguel mensal nas regiões do Rio de Janeiro:

RegiãoValor do aluguel (R$)Variação MensalVariação Anual
Zona Oeste1.044-1,2%0,8%
Grande Méier1.1730,8%3,8%
Zona Norte1.1740,6%4,5%
Ilha do Governador e Zona da Leopoldina1.303-0,5%7,8%
Grande Tijuca1.5461,0%5,4%
Centro1.764-2,2%4,1%
Barra da Tijuca e Baixada de Jacarepaguá1.8342,2%16,2%
Zona Sul3.1290,8%17,6%

Na análise dos bairros, Leblon e Ipanema têm o maior preço de locação, custando acima de R$ 4.300 por mês. Guaratiba é o mais econômico, com um aluguel médio mensal de R$ 944.

ALUGUEL – BAIRROS MAIS BARATOS E MAIS CAROS
Mais baratos (R$)Variação MensalVariação Anual
Guaratiba944-2,1%0,4%
Realengo9572,1%-2,6%
Senador Vasconcelos966-2,8%19,9%
Mais caros (R$)Variação MensalVariação Anual
Urca3.605-3,0%S/D
Ipanema4.3891,4%15,2%
Leblon4.9311,5%S/D

Para quem deseja comprar um imóvel, Zona Sul é a mais cara, com um m² no valor de R$ 13.406. Já Grande Bangu é a mais barata, custando R$ 3.553 por m².

Valor médio do m² mensal nas regiões do Rio de Janeiro:

RegiãoValor do m²Variação MensalVariação Anual
Grande Bangu3.553-3,8%-0,4%
Zona Oeste3.7142,7%5,9%
Zona Norte4.006-0,5%-0,8%
Grande Méier4.325-1,5%-3,9%
Ilha do Governador e Zona da Leopoldina5.1220,5%2,0%
Grande Tijuca6.342-0,4%-2,8%
Centro6.747-1,5%3,7%
Barra da Tijuca e Baixada de Jacarepaguá7.7480,5%4,2%
Zona Sul13.4060,2%1,7%

Entre os bairros, Leblon lidera da lista dos mais caros, com um m² custando R$ 21.756. Turiaçu, na Zona Norte, fecha setembro como o mais econômico: R$ 2.387 por m².

BAIRROS MAIS BARATOS E MAIS CAROS
Mais baratos (R$)Variação MensalVariação Anual
Turiaçu2.3871,8%-4,3%
Coelho Neto2.405-0,6%-2,2%
Cavalcanti2.757-6,1%4,0%
Mais caros (R$)Variação MensalVariação Anual
Lagoa16.412-0,6%-0,3%
Ipanema19.7340,0%3,1%
Leblon21.7560,8%-0,4%

Rentabilidade

O índice de rentabilidade imobiliária relaciona o preço de venda e valor de locação do imóvel para verificar o tempo necessário para recuperar o dinheiro utilizado na aquisição do imóvel. O relatório de setembro apontou um índice de 4,48% bruto anual, o que significa que são necessários 22,3 anos de aluguel para reembolsar o investimento de compra, 8,2% a menos que um ano atrás.

Zona Norte e Grande Tijuca são as regiões que oferecem mais retorno para os investidores. Padre Miguel e Vaz Lobo são os melhores bairros para quem busca renda.

Rentabilidade por região

RegiãoRentabilidade
Zona Sul3,9
Barra da Tijuca e Baixada de Jacarepaguá4,3%
Ilha do Governador e Zona da Leopoldina4,3%
Zona Oeste4,5%
Centro5,0%
Grande Méier5,3%
Grande Tijuca5,4%
Zona Norte5,5%

Os dados do relatório mensal de preços do Imovelweb, também chamado de Index, são gerados com base em 100% dos imóveis listados no portal, seja aluguel ou venda, mostrando o preço médio das propriedades.

Vendas líquidas no 3º trimestre da GAFISA crescem 143% e atingem R$ 184,5 milhões

Sense Icaraí, lançamento realizado em Niterói (RJ)

A Gafisa, uma das principais incorporadoras e construtoras do Brasil, anuncia sua prévia operacional do 3º trimestre de 2022. A companhia atingiu R$ 184,5 milhões em vendas líquidas, um aumento de 143% em comparação com o mesmo período de 2021.
 

Nos primeiros nove meses do ano, a Gafisa atingiu R$ 621,3 milhões nas vendas líquidas, resultado 62% maior do que o alcançado no mesmo período de 2021. O resultado se deve, principalmente, às vendas de empreendimentos residenciais em construção (50%). Os lançamentos responderam por 31% das vendas líquidas e os concluídos, por 19%. Com a performance de vendas, o estoque atual é de R$ 1,9 bilhão. As vendas brutas atingiram R$ 237,1 milhões, crescendo 48%. O aumento do período, de 143%, foi alcançado também porque houve forte redução de distratos nesse ano, comparados a 2021.

No 3º trimestre, a Gafisa lançou o empreendimento Sense Icaraí, na cidade de Niterói, no Rio de Janeiro. O Valor Geral de Vendas (VGV) foi de R$ 204 milhões. Houve também o pré-lançamento do Cidade Jockey na cidade de São Paulo, com R$ 340 milhões de VGV, que deverá impulsionar vendas nos próximos trimestres. Entre pré e lançamentos, a Gafisa ultrapassa R$ 1 bilhão em VGV no ano de 2022. Cerca de 98% do estoque está localizado nas capitais São Paulo e Rio de Janeiro.

“O resultado supera nossas expectativas, considerando os juros mais altos e as eleições, mas está dentro de um cenário de maior estabilidade econômica pós pandemia. E ratifica também nossa assertividade em focar no mercado de alto luxo, que tem maior demanda por moradias melhores e está menos afetado pelas mudanças no cenário. O alto padrão representou 46% das vendas e o médio alto, 44%. E nosso estoque hoje tem 84% das unidades nesses segmentos, o que nos traz tranquilidade com relação às vendas futuras. Trouxemos excelentes produtos em termos de localização, design, arquitetura, áreas de lazer, tecnologias e tivemos esse êxito. Nossos projetos são reconhecidos como icônicos e diferenciados”, explica Henrique Blecher, CEO da Gafisa.

Vellore Ventures fecha parceria com G8 e promete revolucionar o mercado matcon

Objetivo é alavancar startups que trazem soluções tecnológicas e inovação no segmento do varejo da Construção Civil 

A Vellore Ventures fechou uma parceria estratégica com o Grupo G8 para desenvolvimento de tecnologias capazes de revolucionar o mercado matcon. As duas companhias vêm de uma relação comercial antiga e agora o foco é o investimento conjunto em inovação.  

O projeto colaborativo engloba o aporte de capital e o networking com empresas do setor de varejo da construção civil. A meta é alavancar as startups da Vellore do ponto de vista comercial até a captação de investidores diretos em rodadas de negócios. 

Como contrapartida, os executivos do G8 receberam cadeiras no conselho de seleção e acompanhamento das startups do portfólio. Assim, podem participar de todo o processo de captação de negócios e criação de ofertas. O grupo, por sua vez, vai desenvolver ações com a finalidade de abrir portas do mercado para as startups. 

“Essa união é um marco para o mercado matcon. Por um lado, a Vellore Ventures vai conseguir mergulhar no universo do varejo, ampliando seu know-how com a colaboração de outras empresas. Por outro, o G8 passa a ser um dos pioneiros no apoio ao desenvolvimento de tecnologia e startups nesse setor”, analisa Patrícia Pacheco Zanlorenci, CEO da Vellore Ventures. 

Além disso, a executiva explica ainda que o início das operações conjuntas vai alavancar as startups no aspecto da agilidade. A expectativa é atingir 30 Startups ao longo de 5 anos – de forma sólida e consciente. 

Com melhor resultado dos últimos 9 anos RNI alcança R$ 579 milhões em vendas liquidas de acordo com prévia operacional 3T22

A construtora e incorporadora RNI, do grupo Empresas Rodobens, conquista novo resultado histórico. De acordo com prévia operacional do 3T22, a empresa, totaliza R$ 579 milhões em vendas líquidas nos primeiros 9M22, melhor resultado dos últimos 9 anos, se comparado com o mesmo ano anterior. Crescimento 20% superior ao mesmo período do ano passado. Destaque para o empreendimento RNI Origem do Sol (1ª fase e 2 ª fase) e o lançamento do trimestre RNI Origem Jardins Versalhes, ambos produtos SBPE horizontal e responsáveis por R$ 93 milhões em vendas líquidas no 3T22.

Com R$ 379 milhões de unidades financiadas em 9 meses, a incorporadora acumula também a melhor performance dos últimos 8 anos, resultado 197% superior ao mesmo período de 2021. No 3T22, o volume de unidades financiadas totaliza R$ 152 milhões, resultado 218% acima ao 3T21. Em relação preço médio a RNI registra crescimento para os produtos do Programa Casa Verde Amarela. No 9M22 o aumento é de 10% em relação a 9M21. No 3T22 o preço médio para esse produto apresentou crescimento de 4,1% em relação ao 2T22. No que tange a velocidade de vendas (VSO) a incorporada manteve em 20% no 3T22, 3 pontos percentuais superior a 3T21.

“O segredo de nosso sucesso tem sido entender o perfil do consumidor brasileiros. Os números comprovam a solidez de nossa estratégia de negócios, com uma sólida atuação fora dos grandes centros e interiores do país, temos conquistado resultados históricos sucessivamente. Contribuindo, inclusive, para o crescimento do setor. Ao longo desses 31 anos de atuação setor, seguimos orgulhosos com a transformação que realizamos nas regiões onde atuamos. Gerando desenvolvimento, sem abrir mão de oferecer ao nosso cliente empreendimentos de qualidade de acordo com as tendências atuais”, ressalta o CEO da RNI, Carlos Bianconi.

Lançamentos 3T22 

Com RNI Origem Jardins Versalhes, SBPE horizontal a incorporadora totaliza R$104 milhões em VGV, número 31% superior vs. 3T21. No o 9M22 o VGV %RNI lançado (participação 100% da incorporadora em projetos) alcança R$474 milhões, resultado 29% superior vs. 9M21. “Seguiremos com nosso plano de lançamentos definido para o ano de 2022. Para isso, optamos em concentrar os lançamentos dos projetos aprovados para o último trimestre de 2022”, complementa Bianconi.

Landbank

Com Landbank de R$7,3 bilhões em VGV, a RNI apresenta crescimento de 15% ao banco de terrenos reportado no 3T21. O Landbank da incorporadora segue em constante atualização, essa reposição é necessária devido o volume de lançamentos em ascensão, comprovando a solidez da estratégia e mix de negócios da construtora, que resulta na confiança da estratégia adotada pela RNI em todo o país, por clientes e investidores. 

31 anos de história no mercado imobiliário brasileiro

Desenvolver empreendimentos imobiliários de qualidade em todo o Brasil aliado ao compromisso com a geração de empregos e desenvolvimento de economias locais. Com esse propósito a construtora e incorporadora RNI, do grupo Empresas Rodobens, celebra 31 anos de atividade no Brasil, com sólido crescimento nacional, sem abrir mão da transformação regional e cuidado com o meio ambiente. Fundada em 1991, no município paulista de São José do Rio Preto, a empresa comemora também a histórica marca de 200 empreendimentos inaugurados no país. Com mais de 76 mil unidades já lançadas em unidades em várias cidades brasileiras, a incorporadora segue com sua estratégia de expansão fora dos grandes centros, com foco nos interiores do Brasil e regiões do agronegócio, onde o Grupo Empresas Rodobens possui marca forte e consolidada a mais de 70 anos

Ao longo das de 3 décadas de atuação no mercado brasileiro, a RNI celebra alguns marcos importantes como a geração de aproximadamente 3.000 empregos diretos e indiretos nos empreendimentos disponibilizados apenas neste ano, o avanço programa de equidade de gênero, que já celebra a composição de 45% de mulheres em cargos de gestão, o sucesso do Programa de Gerenciamento de Resíduos (PGRCC), que deu segundo destino a mais de 900 toneladas de restos de materiais produzidos em suas obras, a conquista do Selo Azul + Caixa, com o empreendimento RNI Nova Jaçanã, que comprova o cuidado da RNI em projetos habitacionais, o uso de digitalização (assinaturas eletrônicas), que evitaram a impressão de aproximadamente 200 mil páginas apenas no primeiro semestre e reafirma o compromisso da RNI com a sustentabilidade. 

Conselho do FGTS regulamenta uso de depósitos futuros para financiamento habitacional

O agente operador terá 90 dias para regulamentar os procedimentos operacionais – Foto: MDR

O Conselho Curador do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (CCFGTS) aprovou, nesta terça-feira (18/10), proposta do Ministério do Desenvolvimento Regional que regulamenta o uso de depósitos futuros do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) em prestações do financiamento imobiliário, por meio do Casa Verde e Amarela. Também foi aprovado aumento de R$ 1 bilhão nos subsídios do programa para 2023. 

Segundo a proposta aprovada para o uso dos depósitos futuros, o agente financeiro deverá informar ao trabalhador a capacidade de pagamento para financiamento habitacional, com ou sem a utilização desses depósitos futuros, que serão utilizados como uma caução. O uso ou não desse recurso é uma decisão exclusiva do trabalhador. 

A medida pode ser aplicada para famílias que estão no Grupo 1 do Programa Casa Verde e Amarela, ou seja, com renda mensal até R$ 2,4 mil. Os depósitos ficam retidos com o agente financeiro até o abatimento do valor caucionado. Entretanto, o trabalhador poderá solicitar a amortização do contrato para redução do valor da prestação e até mesmo a liquidação. 

De acordo com a aprovação em conselho, o agente operador terá 90 dias para regulamentar os procedimentos operacionais. 

A autorização para o uso do FGTS futuro está prevista na Medida Provisória nº 1.107, de 17 de março de 2022, que também criou o microcrédito digital para microempreendedores. 

Mais R$ 1 bilhão para subsídios em 2023 

Ainda durante a reunião ordinária, o Conselho aprovou o aumento de R$ 1 bilhão em subsídios para o Programa Casa Verde e Amarela, totalizando R$ 9,5 bilhões para o orçamento operacional do Ministério do Desenvolvimento Regional em 2023. Nos anos seguintes, até 2026, ficou mantido o montante de R$ 8,5 bilhões ao ano em subsídios. 

A medida vai beneficiar famílias dos Grupos 1 e 2 (com renda até R$ 4,4 mil) do Casa Verde e Amarela, com a estimativa da construção de mais de 370 mil unidades habitacionais. 

Aprovações do CCFGTS em 2022 

A utilização de depósitos futuros do FGTS integra um pacote de normas que vêm sendo implementadas no Programa Casa Verde Amarela. Em março, o Conselho aprovou novos ajustes na metodologia de cálculo do subsídio, que foram implementadas no mês seguinte e representaram novos acréscimos no benefício concedido. 

Em maio, o valor do subsídio para famílias de baixa renda financiarem imóveis por meio do programa teve um acréscimo de 12,5% a 21,4%, variando conforme a região, renda familiar e o tamanho da população do município. 

Além disso, foi aprovado, no mês de julho, o reajuste do limite de renda para o Grupo 2 do Programa Casa Verde e Amarela, de atuais R$ 4 mil para R$ 4,4 mil, e do Grupo 3, de R$ 7 mil para R$ 8 mil. 

Em março, o Grupo 1 já havia sido reajustado de R$ 2 mil para 2,4 mil. Com a medida, as taxas de juros para as famílias reenquadradas no Grupo 2 foram reduzidas em até 1,16% ao ano e as prestações mensais, em até 11%. 

Baixa nos juros aos cotistas do fundo 

As famílias mutuárias de financiamentos habitacionais com recursos do fundo no programa Pró-Cotista também tiveram uma redução temporária da taxa de juros, em vigor até 31 de dezembro de 2022. A medida diminui em um ponto percentual a taxa para imóveis com valor até R$ 350 mil, que passa de 8,66% para 7,66% ao ano, e em meio ponto percentual para imóveis com valor superior a R$ 350 mil, que passa de 8,66% para 8,16% ao ano. 

Com informações do Ministério do Desenvolvimento Regional

 Portaria que trata de eficiência energética nas edificações deve impulsionar empregos e crescimento do setor

Entidade crê em maior estímulo para qualificação profissional, empregos e crescimento da EE, além de benefícios para o consumidor em geral

A Associação Brasileira das Empresas de Serviços de Conservação de Energia (ABESCO) vê com satisfação a aprovação das Instruções Normativas e os Requisitos de Avaliação da Conformidade para a Eficiência Energética das Edificações Comerciais, de Serviços e Públicas e Residenciais, oficializada neste mês de setembro pelo Inmetro.

Para Bruno Herbert Batista Lima, presidente da ABESCO, a portaria ajudará consumidores residenciais e comerciais: “A medida deve beneficiar os consumidores de modo geral e também as instituições públicas, porque estes vão ter uma utilização menor de energia, mas mantendo a mesma qualidade na utilização do serviço de eletricidade”.

Ainda segundo o presidente da ABESCO, a regra é importante para o mercado de eficiência energética porque normatiza quais são os percentuais de redução de energia na eliminação, climatização e no recolhimento de água, de edificações comerciais, serviço público e não residenciais.

“O que é inerente ao nosso mercado é exatamente essa questão do sistema de aquecimento de água. Quando a gente fala de uso racional, por exemplo, e você tem que bombear essa água para a caixa d‘água, se você tiver um volume menor para que a bomba faça essa elevação, então, essa ação entra na questão da eficiência energética”, explica.

Empregos e qualificação

Outro ponto de destaque, na avaliação da ABESCO, é a qualificação profissional que a portaria determina. “Certificar e qualificar as empresas e profissionais que poderão emitir os certificados para as edificações, garantindo que essas normas do Inmetro sejam cumpridas, ampliará sobremaneira a discussão e a difusão da eficiência energética”, diz Bruno Herbert.

“Além disso, precisaremos, cada vez mais, de profissionais qualificados para que esses prédios sejam adequados a essa realidade da portaria, o que também aumentará a geração de empregos na área”, reforça o presidente da Associação Brasileira das Empresas de Serviços de Conservação de Energia.

Crescimento acelerado

Desta maneira, no entendimento da ABESCO, a nova portaria traz perspectivas de crescimento acelerado ao mercado de eficiência energética (EE). O presidente da entidade explica que haverá reflexo para as muitas empresas que, atualmente, ficam divididas na hora de fazer investimentos.

“As empresas fazem investimentos em EE, porém, sempre concorrendo com o objetivo fim do comércio. Ou seja, o comerciante fica dividido entre investir na redução do consumo de energia, utilizando equipamentos mais eficientes do ponto de vista energético, ou investir em estoque do seu próprio setor ou segmento, por exemplo”, explica Bruno Herbert.

Com as determinações da nova portaria, o empresário ou agente público terá ciência do quanto será necessário investir desde o início: “Quando há uma portaria que exige um determinado fator de eficiência energética para a construção de um prédio, o investimento já fica, desde o início, fazendo parte dos orçamentos dos empresários e agentes públicos”.

“Obviamente este investimento trará, em curto e médio prazo, um retorno financeiro, mas as regras de investimento já ficam claras desde o início, facilitando o planejamento dessas pessoas e permitindo um avanço prático a favor da implementação da eficiência energética”, finaliza Bruno Herbert, presidente da ABESCO.

You,inc lança empreendimento inovador com conceito “double living” na rua mais sofisticada de São Paulo

Um dos endereços mais emblemáticos e sofisticados de São Paulo ganhará um novo empreendimento que aposta em inovação e exclusividade. Com localização privilegiada, na esquina das ruas Oscar Freire e Artur de Azevedo, a You,inc – incorporadora paulista líder em apartamentos inteligentes na cidade de São Paulo que completou 13 anos em 2022 – lança o Oscar Freire Unlimited by you,inc. Um projeto com apartamentos de 220m² com inédito conceito double living, pé direito de 5,60m e duas coberturas de 402m², sendo o primeiro projeto da incorporadora com unidades nessas metragens. O lançamento será a torre mais alta da região, com 38 andares e mais de 133 metros de altura em um terreno de 3.624m².

Oscar Freire Unlimited by you,inc tem VGV de R$ 450 milhões e possui 295 unidades e 3 lojas. Os principais destaques do projeto são: inédito conceito double living com pé direito de 5,60m, 2 elevadores privativos, torre mais alta da região, vista privilegiada e lazer exclusivo Club by you,inc com quadra de tênis oficial e piscina coberta com raia de 25m. Serão 58 unidades de 220m², que possuem 4 suítes, 3 vagas demarcadas e 2 elevadores privativos e 2 coberturas duplex com 4 suítes, 4 vagas e 402m². O edifício conta também com 229 Studios+ que vão de 24m² a 31m² e 6 apartamentos de 1 dormitório com 35m².

Com lazer completo, o lançamento possui quadra de tênis oficial, três piscinas, incluindo uma coberta com raia de 25 metros, além de salão de festas com churrasqueira gourmet, gym center com sala de musculação, sala de aeróbica e sala multiuso, espaço wellness com saunas seca e úmida, espaço delivery, pet place, lavanderia e bicicletário. O empreendimento fica a 250m do metrô Oscar Freire, ideal para quem busca facilidade, conforto e lazer em uma das ruas mais famosas de São Paulo. O projeto arquitetônico é do renomado arquiteto Jonas Birger, decoração do Nildo José Arquitetura e paisagismo da Soma Arquitetos.

“Esse lançamento marca um momento muito importante para a You,inc. A inovação e o pioneirismo estão em nosso DNA. Buscamos sempre estar à frente do nosso tempo, antecipando tendências e quebrando paradigmas. O Oscar Freire Unlimited by you,inc é um ícone, em uma localização premium que corrobora com a nossa estratégia”, comenta Tatiana Muszkat, diretora Institucional da You,inc.

Grupo Patrimar tem resultados expressivos na Prévia Operacional do 3º tri do ano

A construtora e incorporadora mineira Patrimar – que atua nas classes econômica, média e alta em Belo Horizonte, no Rio de Janeiro e no interior de São Paulo – divulga nesta segunda-feira (17/10) sua Prévia Operacional com os resultados do terceiro trimestre do ano (3T22) e acumulado dos primeiros nove meses de 2022 (9M22). O documento mostra um desempenho expressivo e consistente, com valor de vendas brutas recorde superando R$ 1,1 bilhão nos últimos 12 meses, encerrados em 30 de setembro deste ano.

“Mais uma vez observamos um trimestre forte em vendas. Um espetacular resultado, seguindo os mesmos caminhos dos trimestres anteriores. Estou muito orgulhoso do trabalho do nosso time”, afirma Alex Veiga, CEO do Grupo Patrimar.

A Companhia lançou R$ 933,4 milhões no 3T22, crescendo 68,9% quando comparado com o mesmo período de 2021. Também registrou R$ 253,8 milhões em vendas neste último trimestre, o que garante um aumento de 44,4% contra o trimestre imediatamente anterior e mais de 100% contra igual período do ano passado, que foi de R$ 125,6 milhões.

O banco de terrenos da Patrimar é outro destaque do período, atingindo a maior posição na história da Companhia. O Valor Geral de Vendas (VGV) potencial é de R$ 10,8 bilhões, 15,6% maior que a posição de dezembro de 2021 e 8,8% maior que setembro de 2021.

De acordo com Felipe Enck Gonçalves, a Patrimar possui uma excelente saúde financeira, capacidade operacional e investimento em tecnologia. “A Companhia vem crescendo e se desenvolvendo muito bem.


Hoje, temos um landbank preparado para o crescimento em todos os segmentos nos próximos anos, principalmente no Programa Casa Verde e Amarela”, finaliza o executivo, destacando os próximos passos da Companhia.

Plano&Plano mira investidores e lança empreendimento em parceria com Mundo Apto e Housi

Perspectiva Fachada – MAPP Rio Branco

A Plano&Plano, uma das maiores incorporadoras e construtoras do país com 25 anos de atuação, firmou uma nova parceria com a Mundo Apto, construtora criada em 2017 pela Setin Incorporadora e o Grupo Capital, para a construção e a venda de empreendimentos modernos e arrojados, com um novo conceito de mobilidade e qualidade de vida, nos principais bairros de São Paulo.

O primeiro projeto é Mapp Rio Branco, localizado na Avenida Rio Branco, na região da República, no Centro de São Paulo. O empreendimento conta com duas torres e um total de 439 unidades de um e dois dormitórios, com a opção de terraço. No amplo terreno, os moradores terão piscina, espaço gourmet, salão de festa, brinquedoteca, playground, churrasqueira, pet place, bicicletário, coworking, lavanderia, salão de jogos, fitness, minimercado, espaço delivery, além de uma praça de convivência.

“O centro de São Paulo é o coração da cidade. Viver na região é ter acesso a mobilidade e uma vida urbana intensa com uma infraestrutura rica de comércio, instituições de ensino e diversas opções de lazer. Para investidores, que procuram imóveis para locação por assinatura, seja de longo ou curto período, é uma oportunidade de rentabilidade e segurança, pelo perfil da obra e localização estratégica. O centro de São Paulo atrai pelo turismo, e pelas inúmeras opções de negócios”, comenta Rodrigo Luna, vice-presidente do conselho administrativo da Plano&Plano.

Mobilidade e acesso

Rodeado de história, e com uma rica arquitetura, o bairro República, no Centro de São Paulo, é um dos locais mais conhecidos da capital. Com boas opções de lazer, diversos centros culturais, museus, teatro, feiras, galerias, Sesc 24 de maio, parques e praças.

Para quem procura essa mobilidade, a Plano&Plano e Mundo Apto lançarão o empreendimento na Avenida Rio Branco, 82. O terreno está localizado em uma das principais avenidas da região com corredor de ônibus na porta e a 600 metros do Metrô República, com acesso para a Av. Ipiranga e linha Vermelha e Amarela do Metrô, a oito minutos de caminhada.

“O centro de São Paulo é o berço do mercado imobiliário e muitas pessoas são atraídas pela relação histórica com a cidade, as opções de lazer e pelo fácil acesso, inclusive para pessoas que trabalham na cidade. A Mundo Apto quer proporcionar projetos de qualidade para as pessoas que tem essa relação com o centro, mas não encontravam um imóvel com estilo para morar e ficar próximo de tudo para ganhar qualidade de vida e mais tempo útil para usufruir”, afirma Luiz Armando Fairbanks de Sá, CEO da Mundo Apto.

Investimento com segurança

Nos últimos 15 anos, a Região Central de São Paulo passou por uma grande transformação. Em 2008, pouco se investia na área, na ocasião foram lançadas apenas 421 unidades em todos os distritos da região central, porém esse cenário mudou e, em 2020, 8.886 unidades foram lançadas.

O potencial do centro de São Paulo vem atraindo investimentos de empresários que desejam modernização, novos negócios e opções atraentes para locação imobiliária. Pensando nesse público, a Plano&Plano também conta como parceira nesse projeto a Housi, startup que oferece serviços on demand, garantindo que o apartamento esteja pronto para ser locado. A empresa oferece decoração, serviços de plug and play, automação para melhor experiência de moradia e uma gestão totalmente digital.

A Housi oferece um ecossistema de serviços que atende a qualquer projeto desejado por incorporadoras, investidores e administradores condominiais. A funcionalidade da startup transforma qualquer edificação em um prédio inteligente. Os serviços que a startup oferece estão inclusos no AppSpace da empresa, que facilita os trâmites e burocracias no gerenciamento de um condomínio.

“O MAPP Rio Branco tem todas as características para quem quer morar no centro, e para quem quer investir. Ter o apoio da Housi para essa consultoria em entender as necessidades dos clientes investidores e garantir um retorno esperado será um grande diferencial”, completa Luna.

M², proximidade de parques e estações e andar, quais fatores realmente afetam o valor do imóvel?

Proptech israelense elenca os princiáis motivos que fazerm uma propriedade custar mais ou menos em São Paulo

Quando se vai comprar ou vender um imóvel, seu tamanho e localização costumam ser  as principais características avaliadas para determinar o valor da propriedade, mas há diversos fatores externos que podem interferir na precificação final.

Nathan Varda, head Propdo, proptech israelense que fornece soluções em software para tomada de decisão no mercado imobiliário e chegou ao Brasil com investimento de US$ 3 milhões, elenca os principais pontos a serem levados em consideração na hora de bater o martelo de quanto vale um imóvel.

Avaliar a finalidade da compra é sempre o primeiro passo?

VERDADE: existe uma grande diferença entre comprar a casa para viver ou como investimento. Também é necessário avaliar o quanto você pode gastar e o motivo da compra. Após definir esses dois pontos com muita cautela, os compradores devem ordenar a importância de cada parâmetro para eles.

Proximidade com parques pode encarecer o preço do imóvel?

VERDADEalguns fatores vão sempre elevar o preço de um imóvel, como a proximidade com parques. As três áreas mais caras da cidade de São Paulo ficam perto dos parques, Ibirapuera, Villa-Lobos e Parque do Povo. Esse fato pode representar um aumento de 10% a 15% no valor do imóvel.

A proximidade com estações de trem e metrô e uma boa vista também são determinantes?

VERDADE: o primeiro motivo também pode representar um aumento de 10% a 15% no valor do imóvel, já o segundo, ter uma boa vista, pode elevar de 15% a 20%.

Poluição do ar não interfere no valor do imóvel?

MITO: a poluição do ar, encontrada em regiões próximas a indústrias, fábricas e terminais de ônibus, são responsáveis por uma queda de 10% a 20% sobre o valor do imóvel. Áreas comerciais próximas também podem diminuir o preço da propriedade de 5% a 10%.

Precificação por metro quadrado é o melhor parâmetro sempre?

MITO: este é um fator confuso para as pessoas. Alguns aspectos podem subir ou descer esse preço, como o tamanho médio do imóvel na região. No Jardim Europa, o preço do m² não está nem entre os cinco mais caros da cidade, por ser comum o grande tamanho das residências. Mas, mesmo assim, por conta do bairro, pode ser a região mais cara de São Paulo.

Imóveis próximos a escolas são sempre valorizados?
MITO
: imóveis próximos a escolas são interessantes para quem tem filhos. Casais sem crianças e idosos não costumam procurar por esse tipo de local. Por isso, nem sempre será um fator que valorizará o imóvel. Irá depender do perfil do comprador.

·Áreas que vão receber reurbanização são mais valorizadas?
EM PARTES:
 Esses locais, por vezes, são valorizados, mas nossa inteligência artificial revelou que, a curto prazo, quando próximos a um projeto massivo e de grande escala, podem diminuir o valor de 5% a 10%.

Apartamentos em andares mais baixos são mais baratos?
VERDADE (em linhas gerais): costumam custar de 5% a 7% menos que os mais altos, por conta do barulho, crianças etc. No entanto, também segundo a nossa IA, bairros com a população mais velha, como Higienópolis, possuem uma lógica inversa, com esses apartamentos valendo mais que o normal.