Category Mercado Imobiliário

Focada em corretores de imóveis, Homer lança pacote de documentação ágil e amplia campanha de crédito imobiliário

O Homer, empresa de tecnologia que atua no mercado imobiliário com o propósito de simplificar o processo de compra e venda de imóveis, comemora 6 anos este mês e celebra em grande estilo: com uma campanha de crédito imobiliário e documentação ágil. A startup acaba de implantar o novo pacote de documentação ágil, que passa a incluir a ferramenta de assinatura digital dentro da própria plataforma; e realiza uma campanha de expansão da solução Crédito Imobiliário, em parceria com a Approva Fácil, com foco em unidades padrão do programa Casa Verde Amarela. Nesta ação, o Homer assume toda a parte burocrática do processo de compra e venda do imóvel, trazendo mais agilidade ao negócio.

Muito além de uma rede de parcerias, o Homer é uma solução completa para corretores. Prova disso é a nova solução Antecipação de Comissão. Em tempos bicudos, quem não quer antecipar aquela grana garantida, mas que ainda vai demorar a cair na conta? A plataforma oferece uma linha de crédito de antecipação da comissão, a que todos os corretores de imóveis têm direito. “A partir da venda fechada, em menos de uma semana, o profissional recebe até 100% da remuneração via PIX”, garante a COO do Homer, Brunna Medrado.

Com 65 mil corretores de todo o país cadastrados, o Homer também se orgulha das evoluções dentro da rede de parcerias, como o Site Imobiliário, e o investimento em capacitação profissional a corretores imobiliários, por meio de ações como o Antes das Chaves. Destaque também às soluções para expandir a carteira, a Imóveis de Incorporadora e a Seleto, disponíveis nas regiões metropolitanas de São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Salvador: a empresa detém hoje aproximadamente 2,3 novos imóveis cadastrados na plataforma a cada minuto, entre unidades na planta, em construção, lançamentos e prontos para morar. Para 2023, a expectativa é ainda melhor, diante da melhora no ambiente de negócios e expansão dos serviços para novas cidades. 

“Ao completar 6 anos de trabalho, o Homer cresce com um propósito claro: tornar o trabalho do corretor de imóveis mais fácil e rentável. Os anos de 2020 e 2021 foram desafiadores, muitos corretores digitalizaram seu negócio na marra. Mas tudo caminha para que o Homer encerre 2022 com crescimento forte”, finaliza Brunna.

Credihome by Loft ajuda imobiliárias e corretoras com tecnologia que agiliza o processo de concessão de crédito

Bruno Gama, CEO da Credihome by Loft

O Anuário do Mercado Imobiliário 2021, produzido pelo Secovi-SP, aponta que o financiamento imobiliário está presente em 63% das transações de crédito do segmento. A Credihome by Loft, principal plataforma de produtos financeiros do setor no Brasil, tem sido protagonista neste cenário ao ser uma das grandes parceiras de imobiliárias e corretores, ajudando os empreendedores da área com tecnologia própria e infraestrutura que proporcionam autonomia e independência.

Uma das ferramentas mais importantes da marca é o seu próprio Customer Relationship Management (CRM) – Gestão de Relacionamento com o Cliente, em tradução livre -, que centraliza todas as informações do processo do recurso em apenas um lugar, auxiliando na visibilidade do caso e na previsibilidade de quando será encerrado. “Isso garante um serviço de excelência para os clientes, uma vez que o comprador sempre consegue a melhor taxa do mercado, seja no banco que ele escolheu ou entre todos os outros, caso não haja um de preferência”, diz Bruno Gama, CEO da Credihome by Loft.

Toda a intermediação com a instituição financeira é tocada por um time de especialistas e com API’s integradas nos diferentes sistemas, o que traz agilidade à jornada de compra. “Sem ‘tecniquês’, a equipe consegue analisar documentos em cada etapa de maneira prática, indicando na plataforma quais faltam ou quais possuem inconsistências. Assim, uma carta de crédito é aprovada em minutos e, com tecnologias internas e seguras, o cliente pode fazer o upload das documentações. Tudo está, literalmente, há um clique e um PDF de distância”, completa.

Segundo o executivo, o processo de liberação de crédito imobiliário possui muitas especificidades, tornando uma estrutura totalmente digital como essa mais fácil tanto para os consumidores como para os corretores. “Nesse momento, uma assessoria especializada como a nossa faz a diferença entre uma venda ser ou não realizada”, ressalta. “Além disso, esse serviço é fornecido de forma gratuita para os clientes e os profissionais envolvidos também recebem um comissionamento pelo financiamento, complementando a sua comissão de venda”, reforça.

Outro grande aliado dos parceiros da Credihome by Loft é o simulador, ferramenta responsável por gerar demonstrações de custos com os principais bancos do Brasil em minutos, além de ser capaz de capitanear novos leads para os parceiros. “Quando uma imobiliária ou corretor nos procurar para firmar uma parceria, fornecemos a eles também o simulador. Eles então acrescentam o código html em seu site próprio e a partir dele aceleram todo o processo de comparação de taxas, captando novos clientes e assegurando a emissão de crédito imobiliário”, pontua.

A aderência do público à lógica de atuação da empresa se revela em seus números. Em 2021, R$ 4,5 bilhões em operações de concessão de crédito por meio de financiamentos imobiliários e home equity foram movimentados. Neste ano, a companhia obteve um crescimento de 48,4% em negociações de crédito imobiliário somente nos primeiros seis meses, em comparação ao mesmo período do ano passado.

Cases de sucesso

A Credihome by Loft alcançou marcas que tornam a operação na sua plataforma a maior do mercado. Ao todo, já foram executadas 300 mil simulações e 1,4 milhão de automações, 60 mil pendências foram resolvidas e R$ 5,4 bilhões em emissões foram geradas.

Rodrigo Marcasso, da Imobiliária Marcasso, localizada em Rio Claro (SP), é um dos parceiros da empresa que notou evolução na hora de oferecer um serviço personalizado aos clientes. “Desde que nos tornamos um parceiro da Credihome by Loft, a empresa vem nos ajudando a melhorar o atendimento aos nossos clientes que buscam o financiamento, podendo oferecer um serviço personalizado com várias opções de bancos e taxas, além de contar com o suporte da plataforma que sempre nos auxilia durante o processo”, relata.

Marcasso ainda explica que a parceria proporcionou diversos benefícios à sua imobiliária ao longo do último ano. “Ser um parceiro só trouxe ganhos ao nosso negócio, mas com toda certeza os maiores benefícios foram agilidade; facilidade do acompanhamento durante todo o processo de financiamento; e o suporte que temos com a Credihome by Loft”, finaliza.

Já Ronaldo Kundzin Junior, da Foxter, imobiliária localizada em Porto Alegre (RS), destaca a praticidade da plataforma. “É bem simples e não pede um excesso de informações, como funções e profissão, igual a outros sistemas. Além disso, a visualização é ótima e organizada”, pontua. Junior ainda aponta a agilidade da ferramenta. “É rápido para inserir e cadastrar uma operação. Como dependemos de processos, essa agilidade ajuda os contratos a fluírem”, finaliza.

Eficiência energética: como viabilizar as edificações Net zero

Um dos maiores desafios que enfrentamos diariamente, é acelerar o processo de redução das emissões de gases de efeito estufa. Para isso, é fundamental aumentarmos a eficiência energética também em nossas edificações. Segundo a previsão do Conselho Mundial em Edificações Verdes, a maioria das edificações para o ano de 2050 serão as já existentes, e, as metas ambientais globais de eficiência energética consideram um cenário onde os futuros edifícios devam ser “net zero” ou consumo zero, gerando mais energia que utilizando. Para que isto aconteça, é preciso reduzir o consumo e aumentar os níveis de eficiência energética dos sistemas e equipamentos.
 

Da mesma forma, os edifícios futuros deverão aumentar seu grau de regeneração para responder às mudanças climáticas previstas para as próximas décadas. Um dos pontos que merecem atenção, é a iluminação, com um projeto e ideias de como ela pode ser utilizada a favor dessa eficiência. Ela pode representar até 40% do consumo de energia em edifícios, dependendo do seu tipo e perfil de consumo. O controle de iluminação é uma das maneiras mais fáceis de economizar custos de energia e uma das aplicações mais comuns.
 

Para Eduardo Park, CEO da LEDSTAR, empresa líder em iluminação profissional, ao aplicarmos uma solução de controle de iluminação eficaz, os usuários podem facilmente economizar até 50% na conta de eletricidade. “Nos dias atuais, o uso consciente da energia elétrica é fundamental, e uma das medidas que contribuem de forma positiva para a redução do consumo, é priorizar o uso de lâmpadas e refletores de LED em pontos estratégicos e em áreas comuns, além do uso de sensores de presença com temporizadores”.
 

Sabemos que utilizar lâmpadas LED, contribui para a eficiência energética diretamente com o fator sustentabilidade, pois diminui o impacto ambiental, além de se destacar pela durabilidade. A sua vida útil pode variar de 15 a 25 mil horas, sendo a mais longa entre todas as tecnologias existentes. Toda energia que uma lâmpada de LED utiliza é convertida em luz, o fato esclarece a eficácia energética dessa tecnologia onde todo o processo de trabalho é voltado para geração de luz.
 

Edifícios Net Zero Energia e Net Zero Carbono
 

A busca por esses tipos de edifícios vem sendo utilizada em vários países como instrumento de política energética na transição para uma matriz energética renovável. Os edifícios de Net Zero Energia são aqueles em que a produção local de energia é igual a seu consumo anual energético e os Net Zero Carbono, por sua vez, são aqueles em que a produção de energia renovável é igual a seu consumo anual de fontes não-renováveis.

Como a demanda por energia a nível global tende a subir em 40% até 2050, segundo a International Energy Agency (IEA), as edificações têm que se preparar, adaptar e implementar medidas, tanto na redução do consumo de energia, como na produção de energia, principalmente solar (placas fotovoltaicas e coletores solares). Uma previsão otimista, indica que 80% dos edifícios existentes deverão ser reformados (via retrofit energético) para poder contribuir a mitigar os impactos das mudanças climáticas.

 A venda do imóvel rompe a locação?

Por Daniel Cerveira, advogado, sócio do escritório Cerveira, Bloch, Goettems, Hansen & Longo Advogados Associados

Apesar de ser extremamente relevante tanto para o senhorio como para o inquilino, não é incomum a elaboração de contratos de locação nos quais as partes sequer ventilam sobre a inserção ou não da “cláusula de vigência”. Por outro lado, também são muito frequentes os casos em que as partes se preocuparam com a referida cláusula, mas não atenderam corretamente as formalidades.

A “cláusula de vigência” trata-se de disposição contratual que prevê a obediência do pacto locatício na hipótese do imóvel ser alienado, prevista no artigo 8º, da Lei 8.245/91:

“Art. 8º Se o imóvel for alienado durante a locação, o adquirente poderá denunciar o contrato, com o prazo de noventa dias para a desocupação, salvo se a locação for por tempo determinado e o contrato contiver cláusula de vigência em caso de alienação e estiver averbado junto à matrícula do imóvel”.

Como se verifica, o artigo 8º determina que na hipótese do “imóvel for alienado durante a locação, o adquirente terá a opção de denunciar o contrato, com o prazo de noventa dias para desocupação, salvo se a locação for por tempo determinado e o contrato contiver cláusula de vigência e estiver “averbado” junto à matrícula do imóvel.

Assim, do ponto de vista do locador/proprietário, é evidente que a não inclusão da citada disposição facilita a venda do imóvel (gera liquidez) e eleva o poder de barganha (majoração do aluguel versus venda do imóvel e risco de despejo). No que se refere aos locatários, especialmente os de imóveis comerciais, a atenção deve ser redobrada, na medida em que o fundo de comércio fica ameaçado (despejo), além do inequívoco poder de negociação que possuirá o adquirente (majoração do aluguel versus despejo).

Ademais, cumpre esclarecer que o locatário poderá ser desalojado independentemente do prazo contratual e, como regra, não terá direito à indenização (salvo dolo).

Quanto ao descabimento da indenização na hipótese de despejo do locatário acionado pelo adquirente, cabe ressaltar que, até pouco tempo atrás, a jurisprudência insistia em condenar o alienante em prestar indenização ao inquilino (RT, 207:332; AJ, 62:439). Porém, atualmente, aliados à boa doutrina, os nossos Pretórios vêm reiteradamente afastando os pleitos indenizatórios respectivos.

Com exceção dos herdeiros (e legatários — art. 10) e usufrutuários (JTA 113/307), o termo “alienado” deve ser entendido como qualquer transferência de propriedade seja a título oneroso ou gratuito como nos casos de compra e venda, doação, cessão, permuta, arrematação em hasta pública, dação em pagamento etc. O benefício é estendido ao promissário comprador e ao promissário cessionário, desde que com a imissão na posse e título registrado junto à matrícula do imóvel (§ 1º, do art. 8).

Pelo exposto, verifica-se que não é a alienação que rompe a locação, mas a eventual denúncia, amparada no princípio da relatividade dos contratos.

Depois da denúncia, o aluguel deverá continuar a ser pago normalmente, sendo vedado no meu entendimento o chamado “aluguel pena”.

A denúncia deve ser exercitada, através de ato inequívoco (notificação), no prazo de noventa dias a partir do registro da venda ou do compromisso, sob pena de presunção de concordância na manutenção da locação (§ 2º, do art. 8). Se o adquirente já ostentava a qualidade de locador, é possível, com fundamento da teoria da aparência, em tese, afastar a retomada antes de findo o prazo contratual.

Por fim, para a “cláusula de vigência” (ou “cláusula de respeito”) gerar os efeitos pretendidos é necessário que o contrato seja por prazo determinado e esteja registrado junto à matrícula do imóvel (a lei utilizou a terminologia incorreta “averbação”, quando deveria ser “registro”). A lógica do referido registro consiste em dar publicidade ao contrato, lembrando que existem precedentes do STJ e do TJ/SP no sentido de dispensar a obrigatoriedade do registro, nas hipóteses em que adquirente já tinha ciência da locação quando “comprou” o imóvel.

Inconsistências no mercado imobiliário: Imóveis são vendidos até 79% abaixo do preço em São Paulo

Propdo, proptech israelense que fornece soluções em software para tomada de decisão, analisou apartamentos nas regiões do Ipiranga e Pinheiros

Quem nunca se deparou com um anúncio de apartamento e pensou estar muito caro ou barato para determinada região? De acordo com a Propdo, especialista em análise de preços de propriedades, o mercado imobiliário de São Paulo apresenta grandes inconsistências dando margem para bons negócios. Mas qual a real chance de se comprar um imóvel abaixo do preço na cidade?

Através da sua plataforma de inteligência artificial, que cruza informações de diversas fontes e análises de profissionais do mercado, a Propdo analisou oito anúncios de apartamentos a venda no bairro Ipiranga e seis em Pinheiros. Destes, seis estavam anunciados em um valor abaixo do mercado, chegando a 79% a menos do que o valor avaliado pela companhia.

De acordo com a empresa, primeiro é necessário entender por que essas inconsistências são tão comuns. “A razão para esse fenômeno está no fato de nós estarmos em um período de caos global no mercado de imóveis. Macro parâmetros estão instáveis, o que ocasiona muitas oportunidades, mas também muitos riscos. No Brasil, esse é um ponto de grande atenção, porque não existe nenhuma fonte pública oficial gratuita com informações do mercado e, principalmente, valoração de imóveis”, explica Nathan Varda, head da Propdo no Brasil.

Isso gera dois cenários, um com imóveis abaixo do preço sugerido e outra com imóveis muito acima. “No caso dos valores abaixo do mercado, na maioria das vezes, os vendedores não estão atualizados sobre o mercado ou confiam em transações passadas para avaliar sua propriedade. Por exemplo, apenas em 2021, os preços em São Paulo aumentaram entre 3% e 10% (dependendo do bairro), então o vendedor que confia em preços do início de 2020 e 2021 não saberá os novos valores”, aponta o executivo.

Algumas razões específicas também são vistas como motivos para vender abaixo do valor, como um casal que se separou, herdeiros que dividirão a herança, ou a mudança no interesse pelo local, o que estressa muitos credores hipotecários. Algumas vezes, o produto por si só pode ter problemas particulares como vizinhos ruins ou altos preços de condomínio.

Já para os anúncios com preços acima do valor de mercado, contar com a sorte é um dos principais motivos. “Os vendedores com altos preços por conta da grande variação de preços, então apostam tentar pegar o que conseguir. Em outros casos, os preços altos são baseados em futuras negociações com potencial de venda e também em uma falta de entendimento da realidade e preços de mercado. Existe uma crença de que os preços sempre sobem de uma forma ou de outra, e isso não é verdade. Também temos vendedores que não tem a intenção de vender e estão apenas testando o mercado, vendo se um alto preço vale à pena”, pondera Nathan.

Confira abaixo a análise completa:

Apartamentos de 61m², 2 quartos, 2ª mão, construído antes de 2000.

Bairro: Ipiranga

EndereçoPreço do apartamento avaliado pela PropdoPreço anunciadoDiferença (R$)Diferença(%)
Rua Cisplatina, 785430.000596.00066.00038%Maior
Rua Oliveira Alves 495560,000650.00090.00016% Maior
Praça Nami Jafet,44450.000770.000320.00071%Maior
Rua do Manifesto483.000599.000116.00024% Maior
Rua Cipriano Barata, 900430.000590.000160.00037%Maior
Rua Silva Bueno 2379457.000400.000-57.000-14%Menor
Rua Brigadeiro Jordão440.000380.000-60.000-15%Menor
Rua Lord Cockrane483.000360.000-123.000-34%Menor

Apartamentos de 82m², 2 quartos, 2ª mão, construído antes de 2000

Bairro: Pinheiros

EndereçoPreço do apartamento avaliado pela PropdoPreço anunciadoDiferença (R$)Diferença (%)
Rua Fernão Dias795.0001.175.000380.00047%Maior
Rua Fradique Coutinho1.000.0001.272.000,00272.00027%Maior
Rua Lisboa934.0001.270.000,00336.00035%Maior
Rua Cunha Gago1.295.000720.000,00-575.000-79%Menor
Rua Artur de Azevedo, 20131.353.000896.000,00-457.000-51%Menor
Rua Cardeal Arcoverde569.000690.000,00-121.000-21%Menor

A amostra foi feita a partir da localização da propriedade a nível de comparações da rua, bairro e áreas ao redor, além de preços médios baseados em uma gama de transações. Foi dada prioridade às transações no exato endereço das propriedades.

Abertura de três decorados do Most Moema acontece neste final de semana

O bairro de Moema, em São Paulo, recebe uma nova experiência com a inauguração de três decorados do empreendimento exclusivo Most Moema. O edifício da MPD Engenharia — considerada a 4º maior construtora do país pelo Ranking Intec 2022, em parceria DZ Inc. — oferece o privilégio de morar próximo ao Parque Ibirapuera e ao Aeroporto de Congonhas, além da comodidade de entradas e lazer independentes.
 

O Most Moema está localizado a nove minutos de bicicleta do Parque Ibirapuera e a 850m da estação Eucaliptos, o Most Moema dá acesso às principais vias da região, assim como ao Shopping Ibirapuera, bares, restaurantes, farmácias e supermercados.
 

A visita ao decorado é uma ótima oportunidade para quem deseja se inspirar e conhecer as tendências da arquitetura e decoração para três possibilidades de metragens: de 34 m², 80 m² e 147 m². O projeto é assinado pelos escritórios LCVC, Quitete & Faria e Chris Silveira, respectivamente.
 

“A abertura dos decorados possibilita que o cliente conheça a qualidade dos nossos projetos e veja toda a possibilidade oferecida de cada unidade, podendo entender melhor como ele se identifica com cada uma e materializando como ficará o seu imóvel”, afirma Débora Bertini, diretora de Incorporação da MPD Engenharia. 

O stand de vendas, que contará com corretores especializados, ficará aberto todos os dias, das 9h às 20h, na Avenida, Cotovia, 107, esquina com a rua Pintassilgo. As duas ruas têm entrada para o stand de vendas, que ainda disponibiliza serviço de Valet, brinquedoteca, bar e café. Além disso, com um olhar sempre voltado a oferecer a melhor experiência aos clientes, o stand disponibiliza ainda um espaço pet para quem quiser levar o seu companheiro, que também poderá aproveitar o passeio.
 

Mobilidade e modernidade à vida dos futuros moradores

O Most Moema oferece dois conceitos residenciais, o Most Moema Home e o Most Moema Smart. Com duas torres justapostas, mas com entradas e lazer independentes, o Most Moema Home, pensado no público que deseja morar com a família e o Most Moema Smart, para um público que deseja toda a comodidade em um imóvel mais prático. A torre do Most Moema Home oferece espaço delivery, brinquedoteca, playground, quadra recreativa, churrasqueira, pet place, salão de festas com terraço, espaço gourmet com terraço, coworking, espaço beauty, fitness, sauna, lounge, piscina infantil, piscina adulto, deck molhado e solarium. Distribuídas em 20 pavimentos tipo, três subsolos e pavimento de lazer, as unidades do Most Moema Home têm tamanhos entre 80 m² a 147 m², além de quatro duplex com metragens que variam de 185 m² a 300 m². Já o Most Moema Smart, apresenta apartamentos de 33 m² a 46 m² divididos em dez pavimentos tipo. Em sua torre há lavanderia compartilhada, bicicletário, espaço delivery, lobby/coliving, bar, espaço para minimercado, coworking, churrasqueira, fitness externo, espaço fitness e pet place.

Plataforma de tokenização imobiliária oferece cotas de 140 dólares por um imóvel comercial na região da Faria Lima, em São Paulo

Atenta às demandas do mercado imobiliário e à evolução da tecnologia blockchain, a Kodo Assets, uma plataforma de tokenização de Real Estate – que chega ao mercado para democratizar o acesso de investidores ao setor imobiliário, auxiliar no aumento de liquidez desse tipo de bem e reduzir as barreiras de acesso ao mercado, seja pelos altos custos de transação ou pela burocracia -, anuncia seu projeto de tokenização de imóveis no Brasil.

A tokenizacao permite fracionar um empreendimento em inúmeras e pequenas partes digitais, os quais podem ser vendidos a diversas pessoas por um preço unitário relativamente baixo, democratizando o acesso a esse tipo de investimento. Com a tokenização, é possível investir valores mais acessíveis em troca de tokens de ativos imobiliários.  O token imobiliário é um investimento de baixo risco em comparação com ações ou criptoativos, há uma barreira de entrada menor devido à redução do ticket mínimo de investimento se comparado ao mercado imobiliário. O mercado de tokens funciona globalmente, 24 horas por dia, 7 dias por semana e é estimado que a liquidez dos tokens Kodo seja consideravelmente maior do que seria investir diretamente em unidades imobiliárias tradicionais.

O bem tokenizado da Kodo Assets é um imóvel comercial localizado na região da Av. Faria Lima, área nobre da cidade de São Paulo, e possui uma área total de 1.144,52m², sendo a área BOMA de 552,58m², área privativa de 473m² e área comum de 671,52m². O conjunto encontra-se atualmente locado por uma grande multinacional.

O principal rendimento que se espera obter com esse imóvel são os aluguéis. A expectativa de rentabilidade anual do token, já com os descontos, é de 6% até junho de 2023 e de 6%+ reajuste anual do aluguel pelo IGPM. O valor resultante após os descontos será distribuído como dividendos à Kodo, a qual é emissora dos tokens representativos de direitos inerentes ao bem imóvel. Por fim, a Kodo se encarregará de distribuir os rendimentos aos detentores do token em suas próprias wallets, na proporção de participação de cada um no empreendimento. O pagamento da participação do lucro proporcional para os token holders será pago através da Stablecoin USDC, a stabelcoin com maior credibilidade e transparência do mercado cripto. Esse pagamento será feito na mesma carteira que possui os tokens da Kodo no momento da distribuição desses rendimentos.

“O titular do token Kodo terá direito a receber os dividendos dos aluguéis relativos a essa propriedade, na proporção de sua participação nos tokens versus o total de tokens emitidos pelo projeto e uma eventual venda do imobiliário subjacente, o que pode gerar um ganho de capital interessante”, resume Ciro Iamamura, CEO da Kodo Assets.

A empresa emitirá um total de 25 mil tokens desse imóvel, cada um sendo vendido por $140, além do custo de verificação KYC/AML, que será de $13 por usuário pessoa física e $25 por usuário pessoa jurídica. O valor mínimo para a compra é de 1 token Kodo e não há limite máximo de compra. O valor total da oferta é de US$ 3.500.000,00. A venda de tokens está prevista para acontecer em meados de novembro.

Por meio da tecnologia blockchain, a ideia é que a empresa possa colaborar com a revolução do setor imobiliário, possibilitando que investidores possam adquirir imóveis de forma segura e ágil, sem a burocracia e os altos custos do mercado tradicional, tendo acesso a diferentes mercados em todo o mundo. “Estamos falando de acesso global a mercados que, até então, eram locais, limitados pela localização física dos imóveis ou disponíveis apenas para investidores qualificados. Nesse sentido, a digitalização de Real Estate pode democratizar o acesso a esse tipo de investimentos, pois eles passam a ser disponibilizados a públicos no mundo inteiro. Acreditamos que a tokenização de ativos pode ser fundamental para revolucionar esse mercado em todo o mundo”, destaca Ciro.

O imóvel comercial localizado na região da Av. Faria Lima é apenas o primeiro projeto da Kodo Assets no Brasil. Segundo Helena Margarido, advisor da Kodo Assets, há uma demanda crescente e justificável por imóveis em São Paulo. “O preço médio do metro quadrado no centro da cidade gira em torno de US$ 2.613,042. Contudo, se considerarmos algumas de suas cidades-irmãs, encontraremos, por exemplo, Chicago, com o preço médio de US$ 4.137,144 e Lisboa, com o preço médio de US$ 5.239,255. Por conta disso, é plausível acreditar que o valor dos imóveis em São Paulo esteja (e muito) subprecificado. Em outras palavras, acreditar em uma valorização ainda mais crescente no preço dos imóveis da cidade para os próximos anos é uma conclusão natural se observarmos o grau de importância que São Paulo ocupa no mundo e os preços médios praticados em cidades similares”, diz.

Venda dos Tokens

Para ter acesso aos Tokens, o investidor deve acessar o site oficial da Kodo Assets, preencher um formulário com informações pessoais, apresentar documentos e passar pelo processo de reconhecimento facial. Após a verificação de KYC/AML (regras relativas a “conheça o seu cliente” e a “prevenção à lavagem de dinheiro”) e cadastro aprovado, o usuário poderá adquirir quantos tokens KODO quiser. O pagamento poderá ser feito em USDC, USDT e BUSD, desde que emitidas em redes que suportem EVM. A transferência dos tokens ocorrerá assim que todos os tokens KODO forem alienados e serão enviados para a mesma carteira de origem dos recursos utilizados para o pagamento do token. Por motivos de KYC/AML em nenhuma hipótese o token será enviado para uma carteira que não tenha sido submetida ao processo de verificação em referência.

Quem detém um token possui acesso a todas as informações referentes a ele armazenadas em blockchain e disponível para consulta, caso seja necessário. Mesmo que o ativo seja revendido centenas de vezes, é possível fazer um rastreamento completo de cada transação e encontrar o atual dono sem muita dificuldade. Esse recurso traz transparência e confiabilidade para as transações.

“Com o uso dos smart contracts a necessidade de intermediação para a negociação e registro de tokens cai por terra. Além de diminuir o custo pela não necessidade de terceiros, todo o processo se torna muito mais ágil e eficiente. Nesse sentido, a tokenização pode aumentar a eficiência e reduzir drasticamente os custos de transação, ajudando a fortalecer o mercado como um todo”, reforça Ciro Iamamura.

Com R$ 5 milhões de investimento, Juntos Somos Mais inaugura hub tecnológico em Portugal

Desde o início do ano, a Juntos Somos Mais, joint venture da Tigre, Gerdau e Votorantim Cimentos, criadora do maior ecossistema de construção civil do país, anuncia ao mercado a abertura de um hub tecnológico em Portugal. Com inauguração oficial para dia 18 de outubro, a base tecnológica que será em um coworking na região do Chiado, em Lisboa, receberá um investimento aproximado de R$5 milhões. 

Esse importante passo internacional da startup tem como objetivo a atração e retenção de talentos na área da tecnologia. “Contratar e reter profissionais da área tech tem sido um desafio para todas as empresas. Com este cenário, entendemos que faz sentido expandir a contratação de talentos para a Europa. Com a abertura do hub em Portugal, pretendemos contratar profissionais nativos e possivelmente brasileiros que vivem por lá. Nada impede, também, a contratação de profissionais de outros países próximos, como França, Itália e Alemanha. Além disso, queremos valorizar os colaboradores que trabalham no Brasil, oferecendo a oportunidade de continuar atuando na empresa, mas com a possibilidade de viver uma nova cultura em Portugal”, explica Danny Farias, CTO da Juntos Somos Mais. 

O projeto espera contratar 20 profissionais da área da tecnologia até outubro de 2023. “Pretendemos atrair esse número robusto de colaboradores, mas nosso objetivo vai muito além disso. Já na inauguração, contamos com 8 colaboradores, então é muito provável que novas vagas sejam abertas também em 2024, já que a demanda por profissionais de tecnologia nunca diminui”, aponta o CTO. “O país tem uma boa qualidade de vida com um baixo custo, e quem trabalha com carteira assinada tem facilidade no acesso ao crédito. Por isso, o turnover é baixo em comparação com outros países”, comenta Filiphe Curvello, Head do Departamento Legal da startup. 

Outro ponto a ser destacado é que a atuação do time da empresa é híbrida no Brasil e será assim também em Portugal. “O nosso modelo de trabalho é muito positivo para encontrarmos diversos profissionais de tecnologia, sem a barreira geográfica e do idioma, além disso, nossa atuação em squads e com processos ágeis facilita o intercâmbio cultural, de troca de conhecimento e muito aprendizado. Por enquanto, nosso foco é encontrar talentos de .Net, mas no futuro expandiremos para outras tecnologias que atendem outros produtos da Juntos”, finaliza Farias.

Bild lança 7º empreendimento no Jardim Olhos D´Água, em Ribeirão Preto

Após identificar um grande potencial de valorização do Jardim Olhos D’Água, na zona sul de Ribeirão Preto, a construtora Bild Desenvolvimento Imobiliário – que conta com quatro edifícios em obras somente na região (em fases avançadas) e dois entregues recentemente – lança mais um empreendimento no bairro. O Évero é um projeto de alto padrão com unidades de 166 m² com até quatro suítes e vista eterna para o parque. 

Segundo o sócio diretor da Bild em Ribeirão Preto, Thiago Faraco, a região do Jardim Olhos D’Água é o principal eixo hoje de crescimento da cidade, atraindo para o local novas construções, tanto residenciais quanto comerciais. “Nossos dois empreendimentos já entregues na região – edifícios Magna Vista e Perspective – foram considerados sucesso de vendas. A zona sul é o local que hoje concentra um forte vetor de crescimento residencial. Exemplo é o desenvolvimento rápido dos bairros Jardim Olhos D’Água e Quinta da Primavera nos últimos anos. Um exemplo de que a população busca por regiões valorizadas e mais próximas da natureza.”

Segundo o diretor, é esse o conceito que a empresa traz para o lançamento do Évero: a junção entre as facilidades da vida urbana, com a beleza da natureza que o bairro oferece. O edifício será construído em um terreno de quase 4 mil m², com torre única e 108 unidades, com diversas opções de plantas e ampla varanda gourmet.

Além dos mais de 20 itens de lazer, o residencial apresenta ainda piscina com raia coberta e spa – novidade na região, Family Grill com piscina privativa, quadra de squash e outro destaque para a área aquática: piscina com borda infinita, com vista para o Parque Olhos d’Água, deck solarium e lounge mirante.

Outros ambientes também ganham destaque como o espaço coworking, movie games, pub, espaço festas e fitness. Todos climatizados e decorados. “Os hábitos dos consumidores mudaram e hoje eles buscam imóveis com espaço para home-office e ambientes mais confortáveis em que a família possa aproveitar todo o espaço com segurança e comodidade”, destaca Faraco.

Cyrela, MRV Engenharia e Saint-Gobain são as empresas do setor de Construção e Imobiliário que mais contratam startups no país

Nesta terça-feira (18/10), a 100 Open Startups anunciou o Ranking TOP Open Corps 2022, que reconhece as corporações que mais praticaram inovação aberta com startups no país no último ano. Como nas edições anteriores, além das TOP 100, também foram reconhecidas as corporações líderes em 25 categorias de mercado.

No setor de Construção e Imobiliário, as corporações TOP 10 foram Cyrela, MRV Engenharia, Saint-Gobain, Andrade Gutierrez, Dexco, Engeform, Saphyr Shopping Centers, KPE ENGENHARIA, Syn Prop & Tech e Cataguá Construtora, responsáveis por 53% dos relacionamentos com startups. O Ranking 100 Open Startups identificou 73 empresas que tiveram relacionamentos de open innovation com startups pela primeira vez no último ano, o que elevou para 215 o número de Open Corps identificadas no Brasil, o que equivale a 5,9% de todas as empresas que fazem open innovation com startups no país.

No total, as corporações dos setores de Construção e Imobiliário estabeleceram 947 relacionamentos de negócios com 421 startups no último ano, um crescimento de 46% em relação a 2021. O tipo de contrato mais comum foi serviços ou produtos das startups, seguido pelo matchmaking e conexão com as startups.

Esses 947 relacionamentos de negócio transacionaram diretamente cerca de R$ 145 milhões (contra R$ 92 milhões no ano anterior). O impacto direto em benefícios para ambos os lados e para o setor como um todo, certamente, é muitas vezes superior a esse número.

Além disso, a maior parte dos relacionamentos das empresas dos setores de Construção e Imobiliário foi com startups ConstrucTechs (26%). Porém, é notável também a participação das IndTechs, com 22%, e ProductivityTechs, com 19% dos relacionamentos registrados no setor.

Publicado desde 2016, o Ranking 100 Open Startups se consolidou como o maior ranking corporativo da América Latina e é considerado referência para o mercado. Construído a partir de critérios objetivos – com base nos relacionamentos estabelecidos entre corporações e startups -, a lista reconhece e premia as corporações líderes em open innovation com startups, além das startups mais atraentes para o mercado corporativo.

Em 2022, a publicação chega à sua sétima edição, com números recordes do ecossistema de inovação. Foram registrados 42.588 relacionamentos de open innovation entre corporações e startups, um aumento de mais de 61% em relação à edição 2021.

Das 6.438 corporações que buscam startups no país, 4.449 tiveram relacionamentos de open innovation com ao menos uma startup e, das 25.016 startups que fazem parte da plataforma 100 Open Startups, 3.821 fizeram negócios com ao menos uma corporação.

Conheça as TOP 10 Construção e Imobiliário:

1 – Cyrela

2 – MRV Engenharia

3 – Saint-Gobain

4 – Andrade Gutierrez

5 – Dexco

6 – Engeform

7 – Saphyr Shopping Centers

8 – KPE ENGENHARIA

9 – Syn Prop & Tech

10 – Cataguá Construtora