Category Mercado Imobiliário

Construção civil dribla falta de insumos e prevê maior crescimento em oito anos

Por Wanderson Leite, CEO da Prospecta Obras

A quantidade de insumos na construção civil foi drasticamente afetada pela pandemia, o que acarretou principalmente no aumento do preço dos produtos pela baixa oferta e alta demanda. Mesmo diante de um cenário altamente preocupante, o setor vem se recuperando com o aumento da produção e as perspectivas são de conquistar seu maior crescimento histórico dos últimos oito anos.

Segundo dados da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (Cbic), o Produto Interno Bruto do segmento deve avançar 4%, após ter sofrido um grande baque em 2020, com uma queda de 11,4%. Se transformarmos esses dados em valores, podemos ver claramente as consequências que geraram tanto temor e preocupação entre os profissionais do ramo. Em todo o país, o Índice Nacional da Construção Civil (INCC), registrou uma alta de 17,72% nos valores dos insumos entre janeiro e novembro. O estado do Mato Grosso do Sul, por exemplo, foi um dos mais afetados por essa alta, com um reajuste de 40% no preço do cimento e de 150% nos fios de cobre, segundo a Associação dos Construtores de Mato Grosso do Sul (Acomasul).

Além de impactar diretamente o funcionamento do setor, a falta de insumos também pode afetar o consumidor final, que poderá pagar um valor maior pelo imóvel. Felizmente, o segmento vem lutando bravamente para contornar essa crise com ações que busquem o reequilíbrio da balança entre a oferta e demanda dos produtos e, principalmente, em aumentar os locais de venda de insumos. Afinal, somente a construção civil é responsável por 7% do PIB brasileiro – uma grande parcela da nossa economia que deve ser bem cuidada para evitar ainda mais consequências negativas.

Como solução, vários estabelecimentos estão apostando em diversas ações estratégicas para se recuperarem dos efeitos da pandemia em 2020, como investir na digitalização para possibilitar o atendimento online e o aumento das vendas de seus produtos para todo o país, flexibilizando as negociações e adotando preços diferenciados para que consigam crescer e se destacar diante da grande concorrência que será criada e estimulada.

Com tantas ações empreendedoras, é notável o aumento da percepção positiva para os profissionais do ramo, que antes se viam extremamente preocupados, sem uma luz no fim do túnel. Os efeitos causados pela pandemia ainda serão sentidos por muito tempo, mas com a volta da produção em massa – e especialmente o início da vacinação – as perspectivas para o crescimento do setor são animadoras.

As conquistas econômicas dessa volta agressiva na produção serão enormes, especialmente com o aumento do interesse de diversas pessoas em investir na movimentação do setor. Inclusive, essa pode ser uma grande estratégia para os empreendedores que estão buscando se recuperar. Será um processo lento, mas que a longo prazo, trará resultados positivos para a construção civil – e principalmente para a economia do país. Vamos todos trabalhar a todo vapor para fazer de 2021 um dos melhores anos da história da construção civil no Brasil.

Nova habitação de interesse social exige qualidade do imóvel e facilidade no acesso a serviços

Por Verena Balas

Nas últimas décadas, o mercado imobiliário passou a compreender a relevância do segmento econômico, que até pouco tempo atrás, se limitava a um negócio com foco predominantemente no custo por metro quadrado.

O ambiente de estabilidade econômica e a facilidade de acesso ao crédito, impulsionada por taxas de juros historicamente baixas para financiamentos imobiliários, proporcionaram a milhões de brasileiros a possibilidade de sair do aluguel e realizar o sonho da casa própria.

Ainda que essa ascensão social tenha causado efeitos socioeconômicos positivos, há muito o que se fazer pela política habitacional do país. Uma pesquisa da Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc) feita em parceria com a Fundação Getúlio Vargas (FGV) aponta a necessidade de construir novas 7,8 milhões de moradias para suprir o déficit habitacional no Brasil.

A facilidade de acesso ao crédito bem como a criação de programas habitacionais, como o ‘Minha Casa, Minha Vida’ e o recém lançado ‘Casa Verde Amarela’, promoveram uma transformação no mercado imobiliário nacional, viabilizando a aquisição de imóveis econômicos com prazos estendidos e juros menores, transformando um negócio que sempre foi visto pela perspectiva da construção em um negócio de incorporação, com olhar atento e voltado para a qualidade do produto ofertado.

Muitas conquistas importantes foram acumuladas neste período, mas ainda é necessário avançarmos. Mais do que viabilizar a aquisição de imóveis é preciso entender e perceber o que é valor para este consumidor, que está cada vez mais exigente com a qualidade do imóvel. Localização, acesso, planta e qualidade nos acabamentos já são pré-requisitos necessários para quem quer ser competitivo neste segmento. O mercado imobiliário tem que se adaptar às novas aspirações de um segmento que ganha espaço na fatia do seu faturamento. Segundo dados da Câmara Brasileira da Indústria da Construção feito em 132 municípios, mais da metade (56%) dos empreendimentos lançados no segundo trimestre do ano passado se enquadra no ‘Minha Casa Minha Vida’.

Além do foco na qualidade, as moradias do segmento econômico também devem estimular o desenvolvimento local. Empreendimentos que nascem nas chamadas ‘franjas’ das cidades representam uma grande oportunidade para a criação de planos urbanos integrados entre a iniciativa privada e o poder público, incluindo a atração de comércio, serviços e criação de postos de trabalho.

O conceito de bairros planejados acelera o desenvolvimento de regiões. São empreendimentos que além de cumprirem a função social, deixam um legado urbanístico permanente para as cidades, impactando a atual e as futuras gerações.

Com muitas cidades sofrendo com trânsito sobrecarregado e sistemas de transporte operando acima da capacidade, é importante que os empreendimentos imobiliários promovam soluções completas, sustentáveis, que estimulem deslocamentos menores para realizar as atividades de rotina. A proximidade entre moradia, trabalho, educação, saúde e lazer resultam em um aumento significativo de qualidade de vida, além de contribuírem para a criação de bairros inteligentes e sustentáveis.

Historicamente, as grandes cidades brasileiras sofrem com o crescimento urbano desordenado. O mercado imobiliário precisa fazer a sua parte e desenvolver empreendimentos de qualidade e urbanisticamente responsáveis.

Verena Balas, diretora de incorporação da RZK Empreendimentos e do bairro planejado Reserva Raposo.

O desafio das construtoras está em transformar a experiência de morar

Por Silvio Kozuchowicz, fundador e CEO da SKR

A tecnologia pode mudar a oferta de serviços no mercado imobiliário. Isso é realidade. Desde a chegada da internet, na década de 90, nunca mais o consumo, os negócios, as pessoas e o estilo de morar foram os mesmos. O ambiente cosmopolita ganhou novos ares e a conectividade entre equipamentos virou fator primordial desde então.

A tecnologia desembarcou na casa das pessoas e, a partir dos ambientes totalmente desconectados, com poucas tomadas e raros equipamentos eletrônicos – no máximo uma televisão, um aparelho de som e um videocassete, ela ativou a necessidade individual de se conectar na tão propagada aldeia global. A internet encurtou distâncias e apagou fronteiras.

Mas o advento da tecnologia transformou também o jeito das empresas encararem os produtos, e, com isso, novas necessidades surgiram. A partir delas, startups começaram a buscar a simplificação de necessidades. Diante disso, as formas de viver em casa e de se relacionar com o entorno ganhou destaque. A conectividade passou a fazer parte do vocabulário diário e as pessoas começaram a buscar dispositivos – ou gadgets – para interagirem dali em diante. Empresas iniciaram um movimento para mudar ou transformar suas formas de produção, e aplicar a tecnologia na oferta de produtos e serviços ofertados.

A indústria da construção civil passou a também dar seus passos e a tecnologia começou a povoar projetos de morar. Transformar o modo de vida das pessoas se tornou o maior desafio e hoje o morar é um dos itens das construtoras que experimentam uma nova fase do viver como um serviço.

Isso é mais que discurso de corretor em estandes de vendas – faz parte dos novos fundamentos que norteiam a reflexão de um projeto. Hoje, uma unidade não é apenas uma simples unidade: é um plug de serviços que pode ser acionado no toque do aplicativo no celular.

A conexão chegou ao mercado de construção e trouxe comodidades aos moradores. Comodidades que nossa imaginação permitia existir somente em filmes, mas que hoje faz parte da realidade, como, por exemplo, o ligar e desligar aparelhos, não importa quão distante o morador esteja de sua casa. Acender ou apagar as luzes com o som da sua voz. Assistir e ouvir tudo o que acontece em todos os ambientes de casa pelo celular. Comandar dispositivos com infravermelho com um único controle pelo smartphone. Tudo isso é possível ser feito a partir da tecnologia, e toda evolução que ela possibilita.

Estamos assistindo a uma transformação e ao surgimento das casas inteligentes. E para avançar ainda mais, estamos sendo os precursores de um estilo de morar cada vez mais inteligente, com a tecnologia sendo protagonista de ações do dia a dia que não só permitem comandar o funcionamento da casa, mas sim a nossa vida dentro dela. Nos últimos anos, o mercado imobiliário tem pensado nesse assunto de um jeito especial. E algumas incorporadoras estão investindo e se dedicando ao desenvolvimento de serviços e soluções que tem a tecnologia como base para tornar o morar cada vez mais uma experiência bem-sucedida e acima das expectativas, e que proporciona ao morador uma melhor administração do cotidiano. O tempo é um ativo valioso para as pessoas e, hoje ele tem total ligação com a experiência de morar.

Com a rotina cada vez mais corrida, as pessoas querem facilidades para resolver tarefas simples do dia a dia. Receber uma encomenda com segurança e comodidade, uma visita, alugar uma bicicleta ou um carro, fazer pequenas compras de alimentos e bebidas, entre outros serviços. Tarefas que tomam horas do dia das pessoas e que hoje a tecnologia pode resolver a partir do acionamento de um aplicativo que está na ponta dos dedos.

E tudo começa com a seguinte pergunta: como eu posso ajudar o morador a ter a melhor experiência? A incorporadora SKR criou um departamento multidisciplinar que envolve um núcleo de tecnologia e inovação para melhorar a experiência de viver e morar. Uma junção de profissionais que tem como desafio buscar soluções por meio da inovação aberta. Ou seja, buscar inspiração para trazer desenvolvimento e conexão tanto para o morador que habitará os projetos da construtora quanto para o entorno do empreendimento. A regra é refletir sobre as novas formas de morar e os serviços que podem ser oferecidos com o auxílio da tecnologia.

A cada nova demanda que surge, o time de inovação se debruça sobre o cenário, pensa possibilidades e avança com soluções pensando sempre com o pé no futuro. Tudo é agregado. A tecnologia transforma e melhora o estilo de morar. Não há limites de idade, não há distinção de raça ou classe econômica. Ela é democrática e as empresas que trabalharem para torná-la acessível a quem quiser, estarão a um passo à frente. É um caminho sem volta.
E as construtoras vão percebendo, aos poucos, que esse movimento não significa apenas o que se consegue construir, mas é também sobre tudo que você reúne e integra num ambiente para tornar a experiência de morar muito melhor.

Na cidade de SP, mercado imobiliário fecha 2020 em crescimento

Com um percentual acumulado de 13,59% em vendas e de 69,98% em locações, o ano de 2020 foi bastante positivo para o mercado de imóveis residenciais usados na cidade de São Paulo.

Esses números foram obtidos pela Pesquisa CRECISP realizada com 264 imobiliárias da Capital, identificando os negócios feitos em dezembro na comparação com novembro e, também o fechamento do ano.

Foram 5 meses no vermelho e 7 no azul no que diz respeito às vendas de casas e apartamentos no último ano. Em dezembro, comparado a novembro, por exemplo, houve uma queda nos negócios de 15,13%, mas esse número não chegou a impactar no resultado final do ano.

Para as locações, os números se equilibraram: seis meses em queda, seis meses em alta. Dezembro também encerrou com redução no volume de imóveis alugados ante novembro, de -8,17%.

Os preços para alugar casas e apartamentos na cidade de São Paulo registraram queda de 8,23% em 2020, índice bem inferior ao IPCA, que acusou alta de 4,22% no ano passado. E embora a Pesquisa CRECISP utilize o IPCA como comparativo, não se pode deixar de mencionar também o IGPM, que encerrou 2020 com alta acumulado de 23,14%, em total desacordo com a realidade do mercado de locação e demonstrando a urgente necessidade de que haja negociação entre locadores e locatários para o equilíbrio econômico da relação contratual.

O preço do metro quadrado dos imóveis à venda, nos negócios realizados pelas 264 imobiliárias consultadas pela Pesquisa CRECISP, subiu 34,01% de janeiro a dezembro passados.

De janeiro de 2019 até setembro de 2020, a CAIXA concedeu R$ 172 bilhões em crédito imobiliário no País, beneficiando 887 mil famílias e 2,8 milhões de pessoas e registrando uma participação de mercado da CAIXA na contratação mensal de financiamentos imobiliários com recursos do SBPE que evoluiu de 24,8% para 43,5%.

Entretanto, esse resultado nacional não se refletiu no que foi apurado pela Pesquisa CRECISP da Capital. Apenas 4,5% dos imóveis vendidos na cidade de SP foram financiados pela CAIXA em dezembro. Em contrapartida, outros bancos privados financiaram 53,15% dos negócios realizados. As vendas à vista ficaram com 41,44% do total de transações e o financiamento direto com proprietários, com 0,9%. A Pesquisa CRECISP não registrou vendas feitas por meio de consórcios em dezembro.

A Zona C da Capital, que inclui bairros como Mooca, Aeroporto e Tatuapé, liderou as vendas realizadas em dezembro, com 37,84% dos negócios. Na sequência, vieram a Zona B (31,53%); A e D empatadas com 12,61% cada e a Zona E, com 5,41%.

50,45% das vendas de casas e apartamentos da Capital nesse período ficaram na faixa de preços de até R$ 500 mil.

Depósitos são opção preferida para garantia

No mês de dezembro, os depósitos de três meses de aluguel foram a opção mais utilizada pelos inquilinos como garantia da locação. Eles estiveram presentes em 38,59% dos novos contratos. O fiador ficou com um percentual de 28,57%; o seguro fiança com 21,51%; a caução de imóveis com 7,88%; a cessão fiduciária com 2,46% e os alugueis sem garantia com 0,99%.

Esse aumento na utilização dos depósitos como garantia do aluguel indica que o fiador, amplamente utilizado há alguns anos, vem perdendo o status de principal garantidor locatício na cidade de SP. “É mais difícil, hoje, se obter um fiador, até por conta do distanciamento que vem marcando as relações pessoais, mesmo no âmbito familiar”, opinou o presidente do CRECISP, José Augusto Viana Neto. “Além disso, o seguro fiança não consegue decolar devido ao seu alto custo, abrindo espaço para que o depósito seja o meio mais viável para garantir o aluguel.”

O presidente alerta, no entanto, para algumas práticas perigosas quando da utilização dessa modalidade. “O depósito como garantia só é legal quando feito em conta poupança conjunta, entre locador e locatário. Infelizmente, não são raros os casos em que é feito apenas um depósito na conta do proprietário do imóvel, o que pode possibilitar o uso indevido do dinheiro da caução e até uma futura responsabilização do corretor de imóveis. É importante destacar que a garantia só é adequada quando ambas as partes estiverem com seus direitos preservados.”

O volume de chaves devolvidas em dezembro foi equivalente a 96,22% do total de imóveis alugados nesse período. Esse índice foi 17,66% menor que o apurado em novembro. A maioria das devoluções (66,04%) ocorreu por motivos financeiros.

A inadimplência locatícia sofreu uma queda de 2,46% na comparação entre dezembro e novembro de 2020. Em dezembro, a pesquisa CRECISP registrou 5,95% no índice de inadimplentes ante os 6,10% de novembro.

Além das vendas, a Zona C também liderou o segmento de locação de casas e apartamentos da cidade de SP. 47,45% dos imóveis alugados estavam nos bairros inseridos nessa Zona, como Cambuci e Jabaquara. Na sequência, as zonas D (20,36%); B (14,45%); E (13,14%) e A (4,60%).

A maioria dos alugueis de casas e apartamentos contratados em dezembro não ultrapassou os R$ 1.400,00. Essa faixa de valor representou 53,04% das locações desse mês. Tomando como base o valor do salário mínimo – de R$ 1.100,00 – isso comprova que a maioria das famílias que dependem de locação é composta por pessoas de poder aquisitivo mais baixo.

Para o presidente do CRECISP, mesmo com toda a situação inusitada criada pelo Coronavírus e pelo isolamento social, o mercado imobiliário mostrou sua força em 2020 e se manteve pujante na cidade de SP. “Um acumulado de 13,59% em vendas e de 69,98% em locações demonstra a importância de nosso segmento para a economia. Em detrimento de todas as dificuldades, os negócios continuaram sendo feitos e contribuindo para o andamento econômico do País.”

Tags, ,

Com VGV de R$ 3,6 bilhões, RE/MAX Brasil dobra vendas e tem o melhor ano de sua história

Apesar dos desafios e obstáculos impostos pelo novo coronavírus, a RE/MAX Brasil bateu recordes de crescimento e faturamento em 2020. O Valor Geral de Vendas (VGV) ficou em R$ 3,6 bilhões, um aumento de 99,67% na comparação com o mesmo período do ano passado. Em same store sales, o crescimento também impressiona: 57%.

A companhia acelerou seus ganhos no segundo semestre. A partir de julho, mês após mês, bateu marcas históricas de vendas, culminando em dezembro, cujo faturamento foi praticamente igual ao de todo ano de 2016. Os resultados consistentes registrados no primeiro semestre, no entanto, foram fundamentais para o sucesso. No período, a RE/MAX chegou a crescer quatro vezes mais que empresas de capital aberto de transações imobiliárias.

“Acredito que nosso modelo de negócio tenha nos permitido crescer mesmo com os escritórios físicos temporariamente fechados”, afirma Peixoto Accyoli, presidente e CEO da RE/MAX Brasil. “Por um lado, temos uma força de vendas engajada, que passou por treinamentos para saber como se portar e agir durante a pandemia. Por outro, fazemos uso intenso de tecnologia para prospectar e fechar negócios, o que inclui tours virtuais, assinatura eletrônica de documentos e uso intensivo de programas de videoconferência”.

Nesse sentido, outro ponto muito celebrado foi a ampliação da rede, que tem a capilaridade como uma de suas principais forças. Mesmo com a pandemia, o ano terminou com um saldo positivo de 121 novas unidades – acréscimo de 37% ante 2019. São agora 444 unidades em operação, distribuídas por todos os estados brasileiros, além de 5,4 mil corretores empreendedores. Um ano antes, esses números estavam em 323 e 3,7 mil, respectivamente.

“A tecnologia e a força da nossa marca são ativos estratégicos, mas o que nos leva à frente é a atuação qualificada e o comportamento empreendedor dos corretores”, afirma Accyoli. “Estamos falando, afinal, de uma das decisões de compra mais importantes da vida de muitos consumidores. O laço humano é decisivo e dá tranquilidade”.

Para 2021, a RE/MAX pretende seguir apostando em suas vantagens competitivas ao mesmo tempo em que investe em algumas frentes de inovação, como o fortalecimento de sua presença digital. Entre as ações já implementadas ou em andamento, destaque para a inauguração de um novo site, a adoção de novos softwares, a consolidação de parcerias estratégicas e o lançamento de recursos de inteligência artificial.

“Queremos ser a imobiliária preferida dos brasileiros, em todos os estados da Federação. Esse é o nosso sonho”, diz Accyoli.

Smart Freguesia do Ó, uma nova forma de morar em São Paulo

Planet Smart City e Inloop lançam novo condomínio inteligente com 505 apartamentos e 50 soluções inteligentes

A Planet Smart City, líder global em cidades inteligentes inclusivas, e a Inloop, empresa com expertise no mercado imobiliário brasileiro, lançaram em São Paulo o seu segundo condomínio inteligente vertical: o Viva!Smart Freguesia do Ó, composto por 505 apartamentos de 1 ou 2 quartos, e com 50 soluções inteligentes integradas que valorizam o bem-estar das pessoas, a sustentabilidade, a arquitetura e a tecnologia. 

Entre os destaques estão: gestor social, um profissional que estimula o envolvimento dos moradores no cuidado do bem comum; plataforma digital desenvolvida pela Planet Smart City e que conectará residentes e biblioteca de objetos para o empréstimo de ferramentas e outros objetos do dia a dia. 

Para o lazer dos moradores, serão criados espaço gourmet, troca de livros, quadro público de ideias, teoria do divertimento e áreas de churrasco, de eventos, fitness e de jogos educativos.    

Já para incentivar práticas sustentáveis: compostagem comunitária, horta urbana, iluminação inteligente das áreas comuns, ilha de coleta seletiva de lixo e muito mais. Outras soluções inteligentes incluem bicicletário, área equipada para cães, espaço smartoffice, playground e banco smart.

“Após o sucesso de vendas do Aquarela Bela Vista, que concluímos este ano, iremos apresentar um novo projeto vertical em São Paulo, desta vez no bairro da Freguesia do Ó. Combinando design contemporâneo com uma ampla gama de serviços integrados, o condomínio inteligente possuirá soluções inteligentes em inovação social, tecnologia, meio ambiente e arquitetura, para proporcionar um estilo de vida mais dinâmico, conectado e participativo”, destaca Susanna Marchionni, CEO no Brasil da Planet Smart City.

Os apartamentos variam de 30 a 44 metros quadrados e são três modelos com 1 quarto, 2 quartos e 2 quartos com suíte. O lançamento aconteceu em dezembro de 2020 e a previsão é que o condomínio inteligente seja concluído em dezembro de 2023. O estande de vendas é aberto ao público diariamente, das 9h às 20h, na Avenida Santa Marina, 2380, São Paulo.

A previsão é que em 2021 sejam lançados novos condomínios nos bairros do Jabaquara e Itaquera.

Aluguel sobe acima da inflação na capital paulista em 2020

O Imovelweb, um dos maiores portais imobiliários do País, divulgou o seu mais recente relatório sobre os preços dos imóveis na cidade de São Paulo. De acordo com o estudo, o preço para alugar um imóvel padrão (65m², 2 dormitórios e 1 vaga de garagem) na capital paulista foi de R$ 2.047/mês em dezembro, valor que corresponde a 0,3% a mais do que o registrado em novembro. O Imovelweb aponta que, em 2020, houve um crescimento de 6,7% no preço dos aluguéis em São Paulo, valor acima da Inflação (IPCA 15), que ficou em 4,2% no ano. Por outro lado, o aumento está bem abaixo do Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M), que fechou 2020 com incremento de 26%.

No ano passado, os bairros que mais se valorizaram foram Jardim Fonte do Morumbi (R$ 2.326/mês), onde o valor de locação cresceu 23,3%; Vila Paulista (R$ 2.089/mês) e Vila Sônia (R$ 1.938/mês), onde os preços subiram 24,7%. Por outro lado, os preços do aluguel tiveram queda nos bairros Conceição (R$ 1.763/mês, -24,1%); Chácara Santo Antônio, localizado na Zona Leste, (R$ 1.784/mês, -20,1%); e Vila Santo Estéfano (R$ 1.823/mês, -19,7%).
Na tabela abaixo estão os aluguéis mais caros e mais baratos de dezembro em São Paulo:

Mais baratos (mensal)Variação mensalVariação Anual
Vila Sabrina (Vila Medeiros)R$ 1.047-0,1%-14,7%
Jardim Miriam (Itaim PaulistaR$ 1.130-0,4%-17,9%
Conjunto Residencial José Bonifácio (José Bonifácio)R$ 1.1691,3%-3,2%
Mais caros (mensal)Variação mensalVariação Anual
Itaim Bibi (Itaim Bibi)R$ 4.740-0,1%4,1%
Vila Olímpia (Itaim Bibi)R$ 4.777-0,1%2,0%
Ibirapuera (Itaim Bibi)R$ 5.2770,5%S/D

Preços de venda subiram 2,3% em 2020

O relatório do Imovelweb mostra também que o valor do metro quadrado em dezembro foi R$ 6.271, 0,2% a mais do que em novembro. Dessa forma, para comprar um imóvel padrão na cidade é preciso R$ 407.550,00.

Os bairros onde os imóveis mais se valorizaram na cidade foram Jardim Brasília – Zona Leste (R$ 5.100/m²), Vila Pirajussara (R$ 5.622/m²) e Cidade Antônio Estevão de Carvalho (R$ 4.889/m²), com aumento de 18,0%, 18,2% e 19,7%, respectivamente. Já as maiores desvalorizações ocorreram no Canindé (R$ 5.582/m²), Parque do Carmo (R$ 3.601/ m²) e Sítio Morro Grande (R$ 4.237/m²), que registraram queda de 19,4%, 18,0% e 16,1%.

Os maiores e menores preços de imóveis estão nos bairros indicados na tabela a seguir:

Mais baratos (m²)Variação mensalVariação Anual
Conjunto Habitacional Santa Etelvina III (Cidade Tiradentes)R$ 2.0821,3%-15,5%
Conjunto Habitacional Fazenda do Carmo (Cidade Tiradentes)R$ 2.227-0,9%-7,2%
Jardim Olinda (Campo Limpo)R$ 2.2880,6%-0,2%
Mais caros (m²)Variação mensalVariação Anual
Cidade JardimR$ 20.265-3,9%-13,3%
Parque IbirapueraR$ 22.265-2,1%5,4%
IbirapueraR$ 22.6680,7%8,6%

Retorno do investimento em imóvel é maior do que o rendimento da poupança

O índice de rentabilidade imobiliária relaciona o preço de venda e valor de locação do imóvel para verificar o tempo necessário para recuperar o dinheiro utilizado na aquisição do imóvel. No relatório de dezembro, o índice foi de 5,6% bruto anual. Dessa forma, são necessários 17,8 anos para obter o valor investido no imóvel, 4,5% a menos que há um ano.

Já o Índice de Retorno Total Imobiliário mostra que a operação de compra de um apartamento em São Paulo em dezembro de 2019 o aluguel durante 12 meses e a venda desse imóvel em dezembro de 2020 resulta em um retorno bruto de 8,4%. Dessa forma, essa operação é vantajosa, pois é maior do que a inflação e que o rendimento da poupança, que foi de 2,2% em 2020.

Preço do aluguel avança 0,43% em dezembro e encerra 2020 com alta acumulada de 2,48%

Elevação anual no preço médio de locação residencial foi registrada em 10 das 11 capitais monitoradas pelo Índice FipeZap
■ Análise do último mês: o Índice FipeZap de Locação Residencial, que acompanha o comportamento do preço médio do aluguel de apartamentos prontos, encerrou dezembro com alta mensal de 0,43%, após permanecer praticamente estável no mês anterior (+0,03%). Comparativamente, a variação foi inferior à inflação registrada pelo IPCA/IBGE (+1,35%) e pelo IGP-M/FGV (+0,96%), resultando em uma queda real do preço médio. Individualmente, o comportamento do preço médio do aluguel em dezembro refletiu o avanço do preço médio na maior parte das capitais monitoradas, incluindo as altas registradas em: Salvador (+1,67%), Goiânia (+1,49%), Recife (+1,17%), Rio de Janeiro (+0,86%) e Florianópolis (+0,71%). Em contraste, as capitais que registraram recuos ou altas mais modestas no último mês de 2020 incluíram: Brasília (-0,60%), São Paulo (-0,09%), Porto Alegre (+0,03%), Belo Horizonte (+0,36%) e Fortaleza (+0,60%).

■ Análise de 2020: o Índice FipeZap de Locação Residencial encerrou 2020 com uma alta acumulada de 2,48% – resultado que manteve a variação do preço médio do aluguel abaixo da inflação medida pelo IPCA/IBGE (+4,52%) e pelo IGP-M/FGV (+23,14%). À exceção de Curitiba, onde o Índice FipeZap de Locação Residencial registrou queda 0,37% no preço médio, as demais capitais monitoradas apresentaram elevação de preço médio do aluguel no acumulado no ano, ordenadas da maior à menor variação da seguinte forma: Goiânia (+8,87%), Belo Horizonte (+6,24%), Recife (+5,0%), Salvador (+4,96%), Brasília (+4,91%) Porto Alegre (+1,27%), São Paulo (+1,14%), Florianópolis (+0,82%), Rio de Janeiro (+0,70%) e Fortaleza (+0,26%).

■ Preço médio de locação residencial: com base em dados de todas as 25 cidades monitoradas pelo Índice FipeZap de Locação Residencial, o preço médio do aluguel encerrou o mês de dezembro em R$ 30,46/m². Entre as 11 capitais monitoradas, São Paulo se manteve como a capital com o preço médio mais elevado (R$ 40,06/m²), seguida pelos valores médios registrados em Brasília (R$ 32,16/m²), Recife (R$ 31,50/m²) e Rio de Janeiro (R$ 30,74/m²). Já entre as capitais com menor valor de locação residencial, destacaram-se: Fortaleza (R$ 17,37/m²), Goiânia (R$ 18,46/m²), Curitiba (R$ 20,77/m²) e Belo Horizonte (R$ 23,54/m²).

■ Rentabilidade do aluguel: a razão entre o preço médio de locação e o preço médio de venda dos imóveis é uma medida de rentabilidade (rental yield) para o investidor que opta em adquirir o imóvel com a finalidade de obter renda com aluguel ao longo do tempo. Nesse sentido, o indicador pode ser utilizado para avaliar a atratividade do mercado imobiliário em relação a outras opções disponíveis aos investidores a cada momento do tempo. Com isso, o retorno médio do aluguel residencial (anualizado) encerrou em dezembro de 2020 em 4,70%, percentual marginalmente inferior ao registrado há 12 meses (recuo de 0,03 ponto percentual) mas ainda assim superior à rentabilidade média projetada de aplicações financeiras de referência.

Nota (*): os preços considerados se referem a anúncios para novos aluguéis. O Índice FipeZap não incorpora em seu cálculo a correção dos aluguéis vigentes, cujos valores são reajustados periodicamente de acordo com o especificado em contrato. Como resultado, o Índice FipeZap de Locação Residencial capta de forma mais dinâmica a evolução da oferta e da demanda por moradia ao longo do tempo.

O que o período pós-pandemia deve ensinar para o mercado imobiliário

Por Silvio Kozuchowicz, CEO da SKR Arquitetura Viva

Um vírus chegou com tudo no mundo e chacoalhou as estruturas de sociedades, economias, mercados e, principalmente, a vida das pessoas. Estamos escondidos, praticando isolamento social, desempenhando nossas atividades na frente do computador e sem muita certeza do impacto do que isso vai trazer para a forma de pensar, viver, escolher, interagir, decidir e consumir. Posso afirmar que existirá o AC/DC – não a conhecida banda australiana de rock and roll e nem o Antes/Depois de Cristo – mas sim o “Antes do Coronavírus/Depois do Coronavírus”, mas por enquanto estamos no meio, ainda tentando sobreviver aos efeitos devastadores desse enorme tsunami, que ainda está passando, porém, modificando cenários e nos fazendo refletir e repensar muita coisa.

O vento indomável ainda deixa tudo baseado no inesperado, mas alguns sinais já se mostram no meio disso tudo. Esse período intermediário que vivemos agora trouxe a oportunidade de experimentar um contato ainda maior com a nossa casa, descobrindo novas formas de interação com esse ambiente tão importante e que hoje nos aconchega, protege e ressignifica a nossa vida. A tecnologia, que antes distanciava, hoje aproxima.

A forma como viveremos a vida na etapa do “Depois do Corona” terá um grande impacto em vários setores, incluindo o imobiliário. A forma de arquitetar, construir e propor o viver deve passar por uma grande renovação, assim como a forma de interagir com os entornos e as cidades. Ou seja, iremos transpor cada vez mais as barreiras da imobilidade do imóvel.

Porém, eu acredito que a atemporalidade é um aspecto que ganha valor. Eu gosto muito de um artigo do estilista Giorgio Armani no qual ele faz uma reflexão sobre como serão os desfiles após a pandemia. Qual será o sentido de investir em coleções que logo perdem o seu valor. Qual é o sentido de manter a moda tão volátil? Qual é o sentido de investir em apartamentos cada vez menores que sacrificam a qualidade do morar? O barato pode sair caro.

Algumas tendências irão se tornar em movimentos que se consolidarão cada vez mais, como o coliving e a arquitetura de hospitalidade. Áreas comuns compartilhadas com estilo e funcionalidade, união de princípios como serviços, interação e a comunicação por meio da tecnologia. Isso já é realidade em alguns empreendimentos e deve se tornar ainda mais presente no período pós-pandemia.

A reflexão que o pós-Covid 19 nos deixará de lição é que a arquitetura será o principal vetor de mudança para o desenvolvimento imobiliário. Não poderemos nos ater aos modismos. Não haverá mais espaço para a criação de mercados que amanhã não terão mais a preferência das pessoas. As pessoas vão valorizar cada vez não somente a forma de habitar, mas de viver.

PRIZMA PARAÍSO é o novo Empreendimento da Lucio

 Imagem: Roger Panhan

A maior metrópole da América Latina guarda histórias que merecem ser reveladas pelos paulistanos. Inspirada no então “Largo do Paraíso” – atual praça Oswaldo Cruz –, por abrigar um pequeno trecho de árvores frutíferas e flores, a região incorporou o nome bairro do Paraíso para um dos trechos mais charmosos de São Paulo, que acaba de receber o PRIZMA PARAÍSO. 

Um empreendimento de alto padrão, que reúne o que há de melhor em paisagismo urbano: a convivência entre a fauna e a flora original, o conforto e a beleza de um apartamento inovador.  

A poucos passos do Parque Ibirapuera, a construção de torre única, traz a exclusividade de um apartamento por andar de 170m², quatro dormitórios ou três suítes com possibilidade de home office, três vagas de garagem, com conectores para carros elétricos. Além disso, o empreendimento oferece suporte de segurança aos moradores e áreas de lazer para todas as idades, equipadas com o que há de mais arrojado, como espaço fitness com equipamentos Life Fitness, área de descanso, brinquedoteca, espaço gourmet integrado ao lounge externo, além de solário e piscina climatizada com vista para a Floresta de Bolso, que permite conviver com um trecho de espécies da mata Atlântica conceito do paisagista Ricardo Cardim, que criou uma experiência ao morador. 

No último dia 26 de novembro,  a Lucio convocou uma Assembleia Geral e ofereceu um café da manhã exclusivo aos proprietários – seguindo todas as orientações de prevenção da COVID-19 – com objetivo de entregar as chaves do novo empreendimento.  “Os moradores estão muito satisfeitos e felizes com a entrega e com os acabamentos diferenciados do projeto que superaram as expectativas, além do atendimento da Lucio, ao longo do período de compra até a entrega” afirma Maristela Sordi, COO da Lucio. 

Entre os diferenciais do PRIZMA PARAÍSO é possível destacar que todos os apartamentos possuem hall privativo, elevador social com biometria, gerador full, atendendo inclusive as áreas privativas, portaria blindada, acesso de pedestres de serviço independente do acesso social e clausura nos acessos de veículos e pedestres.  

Os apartamentos são entregues com infraestrutura para ar-condicionado com rede frigorígena, sem custo adicional, cozinha com iluminação e ventilação natural integrada ao terraço gourmet, infraestrutura para automação e aspiração central, circulação íntima com rouparia, living integrado ao terraço e tratamento acústico no contrapiso dos dormitórios, sala e circulações sociais, entre outros diferenciais. 

PRIZMA PARAÍSO possui apartamento modelo disponível para visitas. Para mais informações: prizmaparaiso.com.br. O empreendimento fica na Rua Manoel da Nóbrega, 498 – Paraíso. 

Tags, , ,