Grupo ZAP irá comprar, reformar e revender imóveis em parceria com imobiliárias

O Grupo ZAP inicia a compra, reforma e revenda de imóveis no mercado brasileiro, numa iniciativa que envolverá corretores e imobiliárias. A empresa, responsável pelos portais imobiliários ZAP(http://www.zapimoveis.com.br) e Viva Real (http://www.vivareal.com.br/), deseja maximizar o número de transações e gerar maior liquidez no mercado imobiliário. Os testes terão início na cidade de São Paulo.

Os dados de quase 50 milhões de acessos e 14 milhões de usuários únicos (aluguel ou compra) por mês nos portais imobiliários do Grupo ZAP e quase 20 anos de experiência são a base para trazer eficiência e negócios ao setor imobiliário. Nesse novo modelo de atuação, a empresa testará uma alternativa para complementar as formas de negociação existentes na hora de comprar ou vender um imóvel.

“Iniciamos como um marketplace de imóveis novos e usados e inovamos ao oferecer dados sobre oferta e demanda de propriedades, ao criar sistemas de gestão para incorporadoras e outras soluções. Agora, avançamos mais um passo por meio do iBuyer para transformar uma das maiores e menos eficientes indústrias do Brasil”, explica Lucas Vargas, CEO do Grupo ZAP. O iBuyer (instant buyer) é uma tendência cada vez mais forte entre as proptechs (startups relacionadas ao mercado imobiliário), que caracteriza uma compra rápida.

O tempo médio de venda de um imóvel é de 468 dias, segundo o Grupo ZAP. Ao fazer ofertas em dinheiro e à vista pelas propriedades, a empresa pretende simplificar e otimizar esse processo, diminuindo drasticamente sua duração.”O Grupo ZAP possui o maior banco de dados de oferta e demanda do mercado imobiliário, equipes de data scientists, e especialistas em machine learning. Conectando os dados ao time com capacidade analítica robusta, podemos entender os valores de mercado dos imóveis. Dessa forma, podemos tomar decisões racionais para fazer ofertas rapidamente, ou seja, sermos ‘iBuyers'”, explica o CEO.

Corretores e imobiliárias deverão indicar imóveis com bom potencial ao Grupo ZAP, que analisará a propriedade com base em dados para fazer ou não uma proposta ao vendedor. A compra dos imóveis considerará dados sobre oferta e demanda da região, características da propriedade e complexidade da reforma. A empresa realizará todos os trâmites processuais para a aquisição e o pagamento do valor integral à vista para o proprietário, que poderá pagar a comissão de forma mais rápida aos profissionais do setor.

˜Neste primeiro momento de testes, compraremos apenas imóveis residenciais usados e em parceria com algumas imobiliárias. No futuro, passaremos a avaliar a expansão para captação com todo o mercado”, complementa Vargas. Para as imobiliárias interessadas, o Grupo ZAP disponibiliza o http://www.grupozap.com/ibuyer.

Depois de adquiridos e reformados pelo Grupo ZAP, os imóveis serão revendidos por imobiliárias e corretores terceiros. “Não somos uma imobiliária. Vamos trazer liquidez para o mercado imobiliário, maximizando o giro de imóveis. Para o consumidor, ele encontrará um imóvel reformado e com garantias de uma empresa reconhecida”, finaliza Vargas.

Construtora Trisul lança dois empreendimentos com VGV de R$ 272 milhões

A Construtora Trisul acaba de anunciar dois lançamentos de empreendimentos em São Paulo com um VGV de R$ 272 milhões. Localizados no bairro da Vila Mariana e no Ipiranga. De acordo com Lucas Araujo, superintendente de marketing da Construtora Trisul a expectativa com os lançamentos é positiva. “Nossa proposta é oferecer conforto e valorizar a convivência entre as pessoas, em um projeto prático e com personalidade, que atendam desde jovens casais até pequenas famílias que desejam morar próximo aos principais pontos de São Paulo.”, revela.

Confira abaixo os diferenciais dos empreendimentos:

O Axis Vila Mariana é formado por uma torre, num total de 167 unidades com metragens que variam entre 23m², 31m², 48m² e 72m², como diferencial o empreendimento traz espaço de Festas Gourmet com estrutura e decoração completa para festas, uma área de central delivery beneficiando o conceito de conveniência num prédio, em um espaço próximo a recepção , com geladeira e armários, construído especialmente para armazenar e guardar compras e entregas enquanto o morador não esta em casa se está em casa, inclusive com geladeira.

Outro diferencial do empreendimento é a escadaria do condomínio que possui contador de calorias e incentiva os moradores a realizarem atividades físicas. “Indo de encontro com o conceito de modernidade e aproveitando um espaço normalmente ocioso, incluímos na escadaria do condomínio um contador de calorias que incentiva os moradores a incluírem atividades físicas e hábitos saudáveis sem abrir mão do conforto de casa”, aponta Araujo

O Altez Ipiranga se destaca na área renovada do bairro conhecida como “Novo Ipiranga”, próximo ao metro, o empreendimento possui infraestrutura completa e amplo terraço integrado ao living. O bairro que teve poucos lançamentos nos últimos cinco anos, recebe o empreendimento com expectativa positiva. “Acreditamos que esse empreendimento é uma nova oportunidade para quem procura mesclar modernidade com um dos bairros mais tradicionais de São Paulo”, conta Lucas Araujo.

O Altez Ipiranga é formado por duas torres, com plantas de 72m², 108m² e 160m² e possui um total de 188 unidades. “O Altez Ipiranga foi pensado para família, fica próximo a Avenida Nazaré e a 350 metros da estação Alto do Ipiranga, com uma área de lazer que inclui piscina com bar, academia, salão de jogos, salão de festas gourmet, brinquedoteca, playground, bicicletário, churrasqueira com forno de pizza, quadra, pet place e solário”, conta Araujo.

Grupo ZAP contrata novo VP de Incorporadoras e apresenta nova diretoria para área

 O Grupo ZAP, maior empresa de tecnologia do setor imobiliário brasileiro, anuncia a contratação Newman Brito como vice-presidente de Incorporadoras, além de Bruno Carvalho e Caio Bento para os cargos de diretoria. A chegada dos executivos busca ampliar e fortalecer a relação e resultados com as incorporadoras do mercado imobiliário brasileiro.

O novo vice-presidente possui MBA em administração de empresas pelo Ibmec e outras formações por grandes instituições como Harvard, London Business School, Wharton e Stanford. Durante sua carreira no mercado imobiliário, Brito atuou em empresas como Tecnisa, Fit Residencial e Keyplan. Para Newman, a chegada ao Grupo ZAP representa estar em contato com o futuro do setor. “Diversos mercados estão conectados ao digital e o imobiliário caminha de forma forte para isso, estou vindo para criar maiores laços entre a empresa e as incorporadoras, reforçando nossa liderança”, declara.

Dentro da vice-presidência de Incorporadoras, o Grupo ZAP anunciou a chegada de dois novos diretores. Bruno Carvalho é novo Diretor de Planejamento e Operações e ocupou cargo de liderança no Mercado Livre, Groupon, Henkel e American Express. Caio Bento passa a ocupar o cargo de Diretor Comercial. O executivo liderou equipes na Johnson&Johnson, Cyrela, Tegra, Ecocil.

Construtora Danpris investe em releituras do Minha Casa Minha Vida

A Construtora Danpris que trabalha principalmente com empreendimentos econômicos, enquadrados no Plano Minha Casa Minha Vidarenovou ao construir imóveis na região metropolitana de São Paulo que trazem terraço gourmet e estrutura completa de lazer nas áreas comuns. De acordo com Dante Seferian, CEO da Construtora, a expectativa é entregar um produto completo. “Nosso objetivo é oferecer um produto com qualidade e acabamento de primeira linha, numa localização próxima da capital, primando pelo conforto e facilitando a forma de pagamento que possibilite que mais famílias realizem o sonho da casa própria”, destaca Dante Seferian CEO da Danpris.

No último ano, a Construtora lançou três empreendimentos voltados no plano Minha Casa Minha Vida com sucesso de vendas. “A expectativa para 2019 é ainda maior. Sentimos que o momento para venda está cada dia mais favorável, com o aumento da confiança do consumidor, a diminuição do número dos distratos e as condições de pagamento oferecidas, em que se pode usar recursos próprios como o FGTS e crédito e consórcio imobiliário as pessoas se sentem mais seguras para comprar um imóvel”, explica Dante Seferian.

A construtora que vende imóveis em São Paulo a partir de R$ 200 mil entregou no último ano o Terraço Quitaúna, com 100% das unidades vendidas, em que inovou ao transformar as varandas em ambientes aconchegantes. “Pensamos em construir tudo o que a família busca para viver em um ambiente harmônico. Antes possuir uma varanda gourmet era um luxo para poucos, hoje buscamos implementar essa qualidade de vida em todos nossos empreendimentos, também valorizamos a modernidade e acesso fácil“, conta Seferian.

Outro lançamento da Danpris que faz parte de uma tendência da Construtora e que promove a integração entre moradia, segurança e bem-estar é o Parque Central Reserva. Compostopor plantas versáteis com apartamentos com metragens a partir de 44 m², suite, com ou sem terraço gourmet, de um ou dois dormitórios, além de vaga na garagem. Entusiasmado com o lançamento que já contabiliza 90% de unidades vendidas, Dante explica que “entre as áreas de lazer do prédio estão: brinquedoteca, piscina, praça de convivência, salão de jogos adultos, academia, churrasqueira, pet care, pista de caminhada, quadra, bosque, espaço gourmetplayground e salão de festas”.

Outro lançamento da Construtora no segmento popular com infraestrutura moderna, boa localização e plantas versáteis é o Boulevard Parque Central. O empreendimento está localizado em uma área com mais de 12mil m², 30 itens de lazer e esportes e de fácil acesso aos principais modais de transporte. “A primeira fase de vendas foi um sucesso, já abrimos para a segunda fase” revela Seferian. O projeto possui seis torres, com opções diferentes de plantas, espaço gourmet, salão de festas, brinquedoteca, salão de festas infantil, salão de jogos, bike sharing, lounge bar, pista de cooper, espaço pet, fitness, espaço mulher, sala de yoga e home office.

Construtora brasileira planeja ser uma plataforma global de habitação

Em 2019 o programa Minha Casa Minha Vida completa 10 anos. Cerca de 15 milhões de pessoas já foram atendidas. Além de promover a mudança na vida de muitas famílias que realizaram o sonho de conquistar a casa própria, o Minha Casa Minha Vida tem um importante papel na atividade do mercado imobiliário. De acordo com a Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), o programa respondeu por 51% dos lançamentos imobiliários no terceiro trimestre de 2018.

Em entrevista para o podcast Vem pra mesa, o fundador e presidente do Conselho de Administração da MRV Rubens Menin, falou sobre as perspectivas para o setor da construção civil nos próximos anos.

Da mesma forma que a empresa em 1994 iniciou uma expansão para fora do estado de Minas Gerais, ela deseja projetar-se para o mundo e tornar-se uma plataforma global de construção. A MRV possui um Laboratório nos Estados Unidos, que funciona como uma base de pesquisa e desenvolvimento. “A tecnologia está evoluindo muito rápido e temos que estar aptos e investindo para concorrer com os grandes players globais”, afirmou Rubens.

Um dos principais desafios para o segmento econômico é o crédito, que atualmente vem basicamente do fundo de garantia (Caixa Econômica Federal). Porém os bancos privados enxergaram que esse é um nicho interessante, e estão querendo entrar nesse mercado.  

Rubens fala que é necessário a construção de 1,5 milhões de moradias por ano. E que os recursos vindos do FGTS são suficientes para financiar 400 mil unidades por ano. Logo, é preciso arrumar algo que possa multiplicar esse valor, no mínimo por duas vezes e meia.

Na entrevista Rubens fala da importância das energias renováveis, principalmente para reduzir os custos de condomínio. Há dois anos a MRV começou a implementar a energia solar fotovoltaica. Atualmente todos os lançamentos da empresa já contam 100% com energia obtida através da conversão direta da luz em eletricidade.

O podcast Vem pra mesa, que é apresentado por Sergio Langer, está disponível nos principais aplicativos. Para ouvir no Spotify acesse: https://spoti.fi/2UswgMm

Pesquisa do Secovi-SP aponta ligeira alta no preço do aluguel

O valor médio do aluguel residencial na cidade de São Paulo registrou aumento de 1,51% no período de abril de 2018 a março de 2019, conforme aponta a Pesquisa de Locação Residencial, elaborada mensalmente pelo Secovi-SP (Sindicato da Habitação). Esse percentual ficou bem abaixo do IGP–M (Índice Geral de Preços – Mercado), da Fundação Getúlio Vargas, que apresentou variação de 8,27% no acumulado de 12 meses. Em março, a variação foi de 0,10%.

“A evolução positiva registrada nos últimos dois meses indica a recuperação gradual do setor, comprovando que o momento permanece favorável para negociação entre proprietários e inquilinos”, afirma Rolando Mifano, vice-presidente de Gestão Patrimonial e Locação do Secovi-SP.

Duas tipologias registraram ligeira alta nos preços em março. Imóveis de 3 dormitórios e de 2 dormitórios aumentaram, respectivamente, 0,70% e 0,30%. Os preços dos imóveis de 1 dormitório apresentaram queda de 0,5%.

PESQUISA DE LOCAÇÃO RESIDENCIAL NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO


VARIAÇÃO DO VALOR MÉDIO COMPARADO COM O IGP-M ACUMULADO 12 MESES




Metodologia

A Pesquisa de Locação Residencial, elaborada pelo Secovi-SP, monitora o comportamento do mercado de aluguéis na capital paulista. As informações são disponibilizadas em valores por m² (área privativa de apartamentos e área construída de casas e sobrados) e estão organizadas em oito grandes regiões: Centro; Norte; Leste (dividida em duas: zona A – que corresponde à área do Tatuapé à Mooca; zona B – outros bairros dessa área geográfica, como Penha, São Miguel Paulista etc.); Oeste (segmentada em duas: zona A – Perdizes, Pinheiros e vizinhanças; zona B – bairros como Butantã e outros); Sul (dividida em duas sub-regiões: zona A – Jardins, Moema, Vila Mariana, dentre outros; zona B – bairros como Campo Limpo, Cidade Ademar etc.).

Os dados estão dispostos em faixa de valores por metro quadrado, por número de dormitórios e por estado de conservação. Por exemplo, o preço por metro quadrado de um imóvel de 3 dormitórios na zona Norte, em bom estado, varia entre R$ 19,86 e R$ 20,41. Já uma moradia de 90 m2 nessa região tem valor de locação entre R$ 1.787,40 e R$ 1.836,90. Os bairros da zona Sul – área A, como Jardins, Moema e Vila Mariana, têm nas locações de residências de 3 dormitórios faixa de valores por m² entre R$ 25,48 e R$ 33,54. Um imóvel com área em torno de 150 m2 na região tem aluguel entre R$ 3.822,00 e R$ 5.031,00.

ALUGUÉIS RESIDENCIAIS – VALORES POR M² DE ÁREA PRIVATIVA OU CONSTRUÍDA.


DADOS POR REGIÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO, POR NÚMERO DE DORMITÓRIOS E ESTADO DE CONSERVAÇÃO.

Garantias e velocidade de locação 

O fiador foi o tipo garantia preferido pelos inquilinos, respondendo por 45% dos contratos de locação. O depósito de três meses de aluguel foi a segunda modalidade mais usada – cerca de 38% escolheram essa forma de garantia. O seguro-fiança correspondeu a 17% dos contratos.

O IVL (Índice de Velocidade de Locação), que avalia o número de dias que se espera até que se assine o contrato de aluguel, indicou que o período de ocupação foi de 17 a 44 dias. Os imóveis alugados mais rapidamente foram as casas e os sobrados: 17 a 42 dias. Os apartamentos tiveram um ritmo de escoamento mais lento: 23 a 47 dias.

Tucuruvi

Mensalmente, a Pesquisa Locação Residencial do Secovi-SP analisa dados históricos dos valores negociados por bairros. Neste mês, a região analisada foi Tucuruvi.

De acordo com a pesquisa, os imóveis em bom estado de conservação, com vaga de garagem e que foram contratados em fevereiro no bairro do Tucuruvi, registraram valor médio por metro quadrado de R$ 24,47 para 1 dormitório; R$ 24,04 para 2 dormitórios; e de R$ 24,44 para residências de 3 dormitórios.

A variação média dos valores de locação residencial acumulada no período abril de 2012 a março de 2019, na região do Tucuruvi, foi de 19,1% para os imóveis de 1 dormitório, de 23,7% para os imóveis de 2 dormitórios e 33,4% para as residências de 3 dormitórios.




Confira a íntegra da Pesquisa de Locação Residencial do Secovi-SP.

Construtora Bidese confirma novas obras de casas e edifícios com foco no segmento de Alto Padrão

Depois de alguns anos de retração, a construção civil começa a mostrar sinais fortes de recuperação. Com a confirmação de novos lançamentos e início das obras, o setor confirma o otimismo já apontado pelo Sindicato da Indústria da Construção Civil do Paraná (Sinduscon/PR). A previsão é de um aumento de 28% no número de empreendimentos no estado com a geração de mais de quatro mil postos de trabalho.

Um exemplo é a Construtora Bidese, que iniciou as obras do Edifício Beaumont, no bairro Água Verde. O prédio de Alto Padrão ocupará 8 andares que compreendem 22 apartamentos com 3 quartos, de 118 a 146 m² úteis e coberturas duplex luxuosas de 3 quartos, de 180 a 250 m² privativos.

“Decidimos investir porque percebemos o movimento positivo do mercado. Durante a crise, acabou ficando com um grande estoque das construtoras, o que gerou uma estagnação no volume de novos lançamentos. Mas, ao longo desse período, esse saldo vem diminuindo e a movimentação por produtos novos só cresce, com demandas das famílias que querem seu imóvel ou desejam trocar de apartamento”, analisa o diretor da Construtora Bidese, Thiago Bidese.

Os trabalhos no novo empreendimento já começaram e as etapas de contenções e fundações foram finalizadas. Além do início das obras, outro indicativo de aquecimento do setor são as vendas. “Fizemos o lançamento do empreendimento Beaumont e comercializamos 50% das unidades em menos de 180 dias, o que demonstra não apenas o nosso otimismo em construir, mas dos clientes em comprar”, complementa.

O cenário é confirmado pelo Sinduscon/PR que estima aumento de 40% nas vendas de imóveis na planta ou novos. Para os próximos anos, o empresário afirma que a perspectiva é ainda mais positiva e estima que o ciclo de reaceleração deve chegar no auge em até cinco anos. “A expectativa é de abertura de crédito junto aos bancos, o que acelera a viabilidade para nossos clientes. Eu vejo o cenário extremamente positivo, tanto para as construtoras como para o comprador, que tem a oportunidade de adquirir um imóvel na planta e ter uma ótima valorização futura do investimento”, avalia Thiago Bidese.

Construções de Alto Padrão

Além do edifício Beaumont, a Construtora Bidese também confirma a construção de novas casas personalizadas em condomínios fechados da capital paranaense. As obras – algumas já em andamento e outras em fase de projetos – serão nos bairros São Braz, Santa Felicidade e Campo Comprido.

Segundo o diretor, a empresa tem o foco dos investimentos no mercado Alto Padrão. “Definimos nosso nicho de atuação em produtos voltados para uma gama de clientes exigentes, que gostam de personalização e detalhes que facilitem sua vida, seja em relação à tecnologia, comodidades e segurança. É um perfil que valoriza esse custo-benefício. Esse tem sido nosso DNA e um dos segredos do nosso crescimento dos últimos anos”, avalia Thiago Bidese.

Pesquisa do Secovi-SP registra dados positivos do mercado imobiliário da Capital em fevereiro

Em fevereiro de 2019, a Pesquisa do Mercado Imobiliário do Secovi-SP referente à cidade de São Paulo apresentou bons resultados em relação às vendas e aos lançamentos, tanto na comparação com janeiro como em relação ao mesmo mês do ano passado. Conforme apurado pelo Departamento de Economia e Estatística do Sindicato da Habitação, no mês, foram comercializadas 2.176 unidades residenciais novas. O resultado superou em 34,2% as 1.622 unidades comercializadas em janeiro e em 50,3% as vendas de fevereiro de 2018 (1.448 unidades).

No acumulado de 12 meses (período de março de 2018 a fevereiro de 2019), foram vendidas 30.587 unidades – aumento de 20,7% em comparação ao mesmo período de 2018, quando as vendas totalizaram 25.349 unidades.

Lançamentos – De acordo com dados da Embraesp (Empresa Brasileira de Estudos de Patrimônio), a cidade de São Paulo registrou, em fevereiro, o total de 870 unidades residenciais lançadas, resultado 204,2% superior ao mês de janeiro de 2019 (286 unidades) e 155,1% acima do volume de fevereiro de 2018 (341 unidades).

No acumulado de 12 meses (março de 2018 a fevereiro de 2019), foram lançadas 32.829 unidades residenciais na capital paulista, 4,0% acima do registrado no mesmo período do ano anterior, com 31.571 unidades.

Segundo Celso Petrucci, economista-chefe do Secovi-SP, o destaque da pesquisa foi a falta de lançamentos de imóveis econômicos. “Contudo, esse tipo de imóvel continuou a registrar bom desempenho de vendas em fevereiro”, avalia.

Em termos de tipologia, houve equilíbrio na distribuição dos lançamentos entre os imóveis de 1, 2 e 3 dormitórios. Unidades de 2 dormitórios destacaram-se na quantidade vendida, com 1.385 imóveis e participação de 63,6% do total.

Com indicador VSO (Venda Sobre Oferta) de 12 meses de aproximadamente 60%, imóveis de 1 e 2 dormitórios comprovaram o bom desempenho dessas tipologias. Os imóveis de 3 e 4 dormitórios também apresentaram bom comportamento, com VSO de 12 meses em torno de 45%.

Outro fato importante é que o VGV (Valor Global de Vendas) acumulado do ano apresenta crescimento de 17,0%. Esta variação positiva acompanha a alta da quantidade de unidades comercializadas (21,0%), demonstrando consistência entre o aumento das unidades vendidas e dos valores.

Oferta – A capital paulista encerrou o mês de fevereiro de 2019 com a oferta de 19.553 unidades disponíveis para venda. Esta oferta é composta por imóveis na planta, em construção e prontos (estoque), lançados nos últimos 36 meses (março de 2016 a fevereiro de 2019). A quantidade de imóveis ofertados reduziu 6,8% em relação a janeiro (20.989 unidades) e 0,9% em comparação a fevereiro de 2018 (19.728 unidades).

Conclusão – Apesar dos bons números do mercado imobiliário no início deste ano, nunca é demais ressaltar a preocupação dos empreendedores com a falta de calibragem na Lei de Zoneamento. “Esperamos que os ajustes propostos, e que não impactam os princípios centrais do Plano Diretor Estratégico, sejam aprovados para que se possa viabilizar novos empreendimentos na cidade de São Paulo. Temos de atender a demanda desassistida em razão dos entraves da lei de zoneamento atual”, reforça Emilio Kallas, vice-presidente de Incorporação e Terrenos Urbanos do Secovi-SP.

Na capital paulista, é evidente o esgotamento de terrenos disponíveis para novos empreendimentos, principalmente porque há uma concentração de lançamentos nas áreas dos Eixos de Estruturação da Transformação Urbana, que ficam ao longo dos sistemas de transporte coletivo, como metrô, trem e corredores de ônibus. De acordo com Kallas, esta limitação tem levado os incorporadores a oferecerem o mesmo tipo de produto. “Além disso, essa falta de oferta pressiona os preços dos apartamentos, que tendem a subir”, enfatiza.

“Em meio à atual conjuntura, com um novo governo e a necessidade de as reformas essenciais saírem, as perspectivas para 2019 permanecem elevadas. Acreditamos em um bom ano para o setor nacionalmente, e os números da Capital, até agora, apontam para essa retomada. Contudo, se a Nova Previdência não for aprovada, seremos profundamente afetados, assim como a macroeconomia”, explica Basilio Jafet, presidente do Secovi-SP.

Confira o resultado completo da Pesquisa do Mercado Imobiliário do Secovi-SP de fevereiro, com resultados da Região Metropolitana de São Paulo

Refinanciamento de imóvel é saída mais viável para quitação de dívidas acumuladas

O acúmulo de dívidas é um problema recorrente, que afeta boa parcela dos consumidores brasileiros.

Conforme dados fornecidos pela Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), apresentados pela Confederação Nacional de Comércio de Bens, Serviços e Turismo, no mês de março, houve um aumento de 0,9 pontos percentuais no número de famílias endividadas em relação ao mês de fevereiro, indicando que 62,4% das famílias que possuem dívidas têm dificuldades para pagá-las.

As soluções para as dívidas, muitas vezes, consistem em empréstimos, que representam uma nova dívida a ser quitada.

Dessa forma, a realização de um empréstimo como o consignado e o pessoal pode acabar gerando um novo ciclo de juros com os quais o solicitante deverá arcar.

Uma das formas encontradas para quitar dívidas sem ter de realizar empréstimos com altas taxas de juros é o refinanciamento de imóveis.

O refinanciamento de um bem imóvel permite, além da concessão de um valor maior do que o obtido em outros tipos de empréstimos, o pagamento de um valor em juros muito menor do que o observado em empréstimos do tipo consignado e pessoal.

Isso se torna possível pelo fato de o solicitante colocar como garantia o seu imóvel. Assim, caso não haja o pagamento do valor emprestado no tempo estabelecido em contrato, a financiadora pode retirar o bem financiado como forma de pagamento.

Para que o empréstimo por refinanciamento possa ser feito, o solicitante precisa ter, em seu nome, a propriedade de um imóvel quitado.

Para comprovar a propriedade, o solicitante do empréstimo deve apresentar à financeira toda a documentação relativa à propriedade do imóvel.

Quando o imóvel é refinanciado, torna-se impossibilitada a sua venda. A venda de imóvel refinanciado só é possível quando há o recebimento de seu valor em dinheiro, sendo este dinheiro aplicado no pagamento da dívida garantida pelo imóvel.

O uso do bem registrado como garantia, no entanto, pode continuar sendo feito conforme era antes do refinanciamento. Dessa forma, seja o imóvel de uso habitacional ou comercial, sua utilização pode permanecer sem nenhum tipo de alteração.

O empréstimo por refinanciamento de imóvel, contudo, não é liberado apenas a partir da garantia feita por imóvel. O solicitante do empréstimo, além da comprovação de propriedade, precisa comprovar que possui renda suficiente para quitar o empréstimo.

O valor do empréstimo concedido por refinanciamento de imóvel pode ser escolhido pelo proprietário do imóvel. Entretanto, o valor emprestado nunca será equivalente a 100% do valor avaliado para o imóvel posto como garantia.

Na realização de refinanciamento de imóvel, o seu valor será estipulado a partir de avaliação feita pela financeira.

A partir do valor avaliado e da renda comprovada pelo solicitante do empréstimo, associados à sua reputação no pagamento de dívidas, é que haverá a liberação do valor a ser emprestado.

O pagamento do empréstimo por refinanciamento de imóvel, apesar de ser maior em relação aos demais tipos de empréstimos, pode ser escolhido pelo solicitante.

O tempo de realização do pagamento também será determinante para o valor da taxa de cada parcela de quitação do empréstimo. Quanto menor o tempo para pagamento, também menor o valor da taxa somada à parcela.

Por isso, é importante que, ao solicitar o empréstimo, seja feito o cálculo considerando valores de taxas distintos. Dessa forma, pode ser feita, junto à financeira, a simulação de empréstimo para que seja avaliada qual a taxa de juros que está dentro das possibilidades de pagamento pelo solicitante do empréstimo.

Se houver a realização do refinanciamento e ainda houver dúvidas quanto ao que está sendo pago em cada parcela, é possível calcular os juros pagos em cada parcela pela taxa de juros anual disponibilizada pela empresa.

O cálculo com base na taxa de juros anual pode ser feito online, o que facilita para quem realiza o empréstimo saber qual a melhor condição de pagamento para empréstimo por refinanciamento do seu imóvel.

Fonte:
 https://financer.com/br/financas-pessoais/calculadora/taxa-de-juros/

Prepare-se para o maior evento do setor imobiliário: Summit Brasil 2019

Tendo a retomada da economia como perspectiva de curto prazo e, por consequência, o reaquecimento do mercado imobiliário, o Secovi-SP e o jornal O Estado de S. Paulo prepararam mais uma edição do Summit Imobiliário Brasil, evento que vai acontecer dia 16/4, no Hotel Hilton (Av. das Nações Unidas, 12.901, São Paulo/SP), das 8 (credenciamento) às 18 horas.

De acordo com os organizadores, a confiança de consumidores e empreendedores e a volta de investimentos nacionais e estrangeiros no setor coincidem com o otimismo do cenário econômico brasileiro do primeiro ano do novo governo. Por estas razões, o Summit Imobiliário Brasil conta com grandes líderes e CEOS do mercado, que vão destacar as oportunidades que surgem partir de agora e que estimularão novos e produtivos negócios.

Na abertura do evento, Basilio Jafet, presidente do Secovi-SP, e Francisco Mesquita Neto, diretor presidente do Estadão, darão as boas-vindas a todos, que ouvirão, em seguida, as mensagens de otimismo do governador do Estado, João Doria Jr.

A primeira palestra será do keynote speaker Seth Weintrob, Head Global de Real Estate do Morgan Stanley. Após essa apresentação internacional, os painéis tratarão dos seguintes temas: Política econômica como alavanca da indústria imobiliária (e vice-versa) – como o governo pode auxiliar o setor, promovendo políticas públicas e econômicas, com Jair Luis Mahl, vice-presidente de Habitação da Caixa Econômica Federal; Perspectivas do mercado imobiliário e da habitação de interesse social na visão de investidores nacionais e internacionais, quando especialistas brasileiros e estrangeiros debatem as oportunidades que o Brasil oferece ou que pode vir a oferecer, com apresentações de Carlos Martins, sócio fundador da Kinea, Paulo Bilyk, CEO da Rio Bravo, e Milton D’Ávila, Head do Imobiliário do Itaú BBA.

Após o almoço, serão realizadas mais quatro palestras: Os desafios da construção civil e imobiliária frente às mudanças nas leis de zoneamento – além de São Paulo, outros municípios brasileiros estão na mira das mudanças de zoneamento, com impacto direto nas cidades e no planejamento imobiliário, com as presenças de Fernando Chucre, secretário municipal de Desenvolvimento Urbano de São Paulo, Flavio Amary, secretário de Estado da Habitação de São Paulo; Insegurança jurídica – obstáculo ao desenvolvimento urbano – os entraves burocráticos, desde a aquisição de um terreno até a implementação de um empreendimento, e o mercado depois da regulamentação do distrato, com Ely Wertheim, diretor da Luciano Wertheim Empreendimentos Imobiliários; Inovação e tecnologia na construção – sustentabilidade, inteligência artificial, eficiência energética e logística reversa na construção estão no foco do debate por especialistas, tema que será tratado pelos especialistas Antonio Serrano, CEO da Juntos Somos +, Marcos A. Cardoso, diretor da Syshaus e Tiago Alves, CEO da Sunew.

Para encerrar esta edição do Summit Imobiliário Brasil, o painel Compartilhando experiências – setor imobiliário tem boa perspectiva para 2019. Nele, CEOs de incorporadoras discutirão como isso vai se concretizar. Estão confirmadas as presenças de Alexandre Frankel, CEO da Vitacon, Elie Horn, presidente do Conselho de Administração da Cyrela, e Wilson Amaral, CEO da Pacaembu Construtora.

O Summit Imobiliário é um dos maiores eventos do setor e se traduz em oportunidade de discutir temas da atualidade, aproximar pessoas e aumentar a rede de relacionamentos.

Os inscritos no evento terão acesso a todas as palestras e à alimentação. Valores diferenciados para os associados do Secovi-SP e os assinantes do Estadão. Inscrições e informações pelo telefone (11) 5591-1306.