Category Mercado Imobiliário

Mudança nos hábitos das famílias impõe metragens menores

Se no passado morar em um apartamento grande, e em condomínios com muitos itens na área de lazer era sinal de status e prestígio, a tendência agora é exatamente o contrário: metragens privativas reduzidas, áreas de lazer mais compactas e bem equipadas, além de muitos serviços e tecnologia dão o tom dos investimentos mais assertivos já para a próxima década.

Menos é mais, resume o estatístico Marcus Araujo, presidente-fundador da Datastore, especialista em pesquisa e inteligência de mercado que tem viajado pelo Brasil para compartilhar informações essenciais sobre a reinvenção do imóvel para a nova década que se aproxima. “A demanda por metragem no mercado imobiliário encurtou 15% em todo o país. As pessoas hoje compram aquilo que precisam”, aponta o criador do algoritmo que já avaliou mais de 555 bilhões em empreendimentos imobiliários, ao longo dos últimos 25 anos.

“O imóvel além do imóvel”


O especialista, que é referência no setor, estará em Curitiba no próximo dia 2 de abril para o Roadshow Tendências do Mercado Imobiliário 2019 – que tem patrocínio do Grupo Haganá e BeeMob – com a palestra O imóvel além do imóvel. O evento, exclusivo para empreendedores e profissionais do mercado, é promovido pela Associação dos Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário do Paraná (Ademi-PR) e destaca, ainda, a presença de Alexandre Lafer Frankel, CEO da Vitacon – empresa inovadora do setor imobiliário no desenvolvimento e construção de empreendimentos residenciais e comerciais em São Paulo, que obteve desempenho marcante no ano de 2018, período em que o setor imobiliário ainda amargava maus resultados de vendas.

A tendência dos apartamentos menores, é bom que se diga, não vale apenas para os imóveis voltados às faixas de renda mais baixas. “O alto padrão não está mais relacionado ao tamanho. Isso passou”, chancela Araujo. Mesmo em relação aos terrenos, a metragem menor também é o que se vislumbra. “Terrenos de loteamentos fechados, a partir de 2020, devem ficar abaixo dos 250m²”, declara.

Entre os fatores que levam a essa tendência forte do mercado para os próximos anos, quatro se destacam: a presença crescente das mulheres no mercado de trabalho; as famílias menores, já que os casais têm menos filhos; a vida digital, que diminui a circulação das pessoas dentro dos ambientes da casa e a redução da presença dos trabalhadores domésticos, devido, entre outras coisas, ao aumento dos custos com esses empregados.

Segundo Araujo, o mercado precisa se adequar a estas mudanças das organizações familiares que impactam diretamente na expectativa dos consumidores, ávidos por novos empreendimentos. Para se ter uma ideia, pesquisa realizada em Curitiba, no primeiro trimestre de 2019, com 387 famílias com renda acima de R$ 8 mil, apontou que o tamanho da família está majoritariamente em 3,3 pessoas. “O resultado é que os casais estão optando, cada vez mais, por terem apenas um filho ou ainda, estão abrindo mão deste papel para investir em viagens, experiências gourmet, além do convívio com um pet”, afirma o presidente da Datastore.

Esse mesmo levantamento apontou que, entre essas famílias, 25% têm interesse de comprar um imóvel nos próximos 24 meses – o mesmo percentual se estende em todo o país. Já o interesse em comprar para os próximos 12 meses chega a 32%, dentre os que querem comprar no período de dois anos. Segundo o especialista em demandas, esses números apontam para a retomada do mercado comprador, que já deseja novos produtos.

Tecnologia


O estudo da Datastore aponta, ainda, um dado que mostra a dimensão desta relação das famílias com a tecnologia. Em média, os entrevistados curitibanos declararam ficar cerca de 8 horas conectados diariamente. Ou seja, é mais tempo dentro do quarto, no smartphone ou no computador, e menos tempo circulando pela casa ou por áreas de lazer. “O tempo de conexão alto está fazendo com que as pessoas precisem de menos espaço”, avisa. “Até o salão de festas pode ser menor. Afinal, são uns 10 amigos próximos para cantar os parabéns pessoalmente e, os demais, mandam as mensagens pelo WhatsApp e pelo Facebook”, defende. 
Para o futuro, a tecnologia deve ganhar ainda mais espaço e afetar o dia a dia nos novos modelos de empreendimentos, com mais áreas compartilhadas. “As pessoas começaram compartilhando fotos nas redes sociais. Depois vieram os compartilhamentos através da economia colaborativa e, na sequência, os aplicativos de transporte dominaram. Agora, isso está chegando dentro de casa. No futuro do imóvel, as áreas de convívio, inclusive as áreas de alimentação, serão para fora de casa”, afirma o especialista. “A pessoa mora sozinha no apartamento, pede uma comida pelo aplicativo e vai fazer a refeição junto com outros moradores, compartilhando o espaço. Na economia digital, compartilhar significa, acima de tudo, racionar recursos para preservar o planeta”, completa.

Fração: a economia cresce com compartilhamento


Até onde pode ir esta tendência dos imóveis com metragens cada vez menores? Marcus Araujo sentencia pautado por suas pesquisas e experiência: “Em 2050, vamos chegar aos apartamentos de 3m², produto que, inclusive, já existe no Japão. Essa segmentação não significa que todas as pessoas terão interesse por este tipo de proposta, mas as pessoas que quiserem viver sozinhas ou, ainda, viajantes – pessoas que pretendem ocupar apenas algumas horas do imóvel – poderão adquirir frações de empreendimentos. Tudo caminha para esse modelo compartilhado. Do contrário a economia mundial desacelera”, provoca.

“Com apartamentos pequenos, e até com uso compartilhado, as pessoas gastam menos condomínio e menos IPTU, apenas para citar as maiores despesas. Isso tudo para gastar o dinheiro com outras experiências que hoje elas consideram mais valiosas, como conhecer o mundo, por exemplo”, conclui Araujo.

Roadshow Tendências do Mercado Imobiliário 2019
Palestra: “O imóvel além do imóvel”, com Marcus Araujo, presidente da Datastore e Alexandre Lafer Frankel, CEO da Vitacon;
Data e horário: 2 de abril, terça-feira; 
Horário: das 08h às 11h30;
Local: Sinduscon Corporate (Rua da Glória, 175), Curitiba-PR;
Para mais informações: www.datastore.com.br 

Tags, , , ,

Homer resolve principais problemas dos corretores de imóveis

Encontrar imóveis de acordo com as características buscadas pelos potenciais compradores e inquilinos somados a insegurança em realizar parcerias para concretizar vendas são as principais dificuldades encontradas por corretores imobiliários no seu dia a dia.

Diante desse cenário, surgiu o Homer. A plataforma funciona de forma exclusiva para esses profissionais, a fim de solucionar os problemas enfrentados e ajudá-los a otimizar seus negócios.

“O processo de compra e venda de um imóvel é extremamente burocrático e acontece poucas vezes na vida de cada cliente. Dessa forma, nós, do Homer, acreditamos que os corretores são indispensáveis e, por isso, oferecemos soluções específicas para capacitar e otimizar suas rotinas de trabalho e, assim, oferecer uma melhor experiência aos consumidores”, explica Lívia Rigueiral, CEO e cofundadora da startup.

Confira quais são as principais dificuldades enfrentadas por eles e como o Homer ajuda a solucioná-los:

Falta de opções em sua carteira de imóveis

Uma das principais queixas dos corretores é a dificuldade em encontrar os imóveis com as características exigidas por seus clientes. A falta de informação, carteira de imóveis limitada e pouco contato com outros profissionais são alguns dos fatores que causam esse problema.

A Inteligência Artificial do Homer atua justamente nesse cenário. Por meio da plataforma, as informações publicadas pelo corretor com o cliente se cruzam com aquelas inseridas pelo profissional que tem o imóvel de forma gratuita e automática. Assim, é possível encontrar opções que se encaixam na procura dos clientes, fazendo sugestões mais acertadas e, assim, facilitando o processo de compra ou aluguel de um imóvel.

Insegurança na realização de parcerias profissionais

As parcerias imobiliárias são extremamente vantajosas já que ajudam a aumentar o número de imóveis na carteira dos corretores, dando mais opções aos clientes ao unir a sua carteira e a do seu parceiro, ampliando as possibilidades de fechamento dos negócios. Porém, a insegurança de não receber a comissão é um dos principais fatores que impedem a realização de conexões entre os profissionais.

Diante disso, o Homer criou o programa de comissão garantida, que garante o recebimento para as duas partes envolvidas no processo. “Pensamos em uma ferramenta que garanta que os corretores dos dois lados recebam suas partes da comissão de todas as vendas intermediadas pela plataforma. Esse fator oferece mais confiança e segurança para realização de parcerias entre os profissionais”, conta Lívia.

Soluções tecnológicas que os tiram da jogada

A concorrência com as atuais plataformas tecnológicas também dificulta o sucesso das negociações dos corretores. Isso porque essas ferramentas têm aproximado cada vez mais compradores/inquilinos aos proprietários dos imóveis diretamente, excluindo os profissionais de todo o processo de negociação.

O Homer vai na contramão dessa tendência, uma vez que é voltado exclusivamente para os corretores imobiliários. A ferramenta foi pensada para oferecer uma solução completa, com o intuito de empoderá-los e otimizar suas rotinas de trabalho.

Administrar o tempo e visitas

Ser um corretor autônomo implica em possuir diversas habilidades e responsabilidades, participar e acompanhar todos os processos que envolvem o relacionamento e negociação de venda com cliente. Muito dos profissionais, no entanto, possuem dificuldades em administrar essa rotina.

Por ser uma ferramenta online, o Homer auxilia os corretores ao possibilitar a inclusão de informações e busca por novas parcerias a qualquer hora e lugar. “Grande parte dos corretores fazem o próprio horário. Com o Homer, os profissionais podem gerenciar seu tempo de trabalho e buscar por parcerias no momento que for melhor para eles”, explica Lívia.

Tags, , ,

Iugu participa da Construtech 2019

Na sexta-feira, dia 29 de março, a partir das 9h, acontece a Construtech no Expo Center Norte, em São Paulo, um dos grandes eventos do setor imobiliário para arquitetos, engenheiros, investidores e empresários. A iugu, primeira plataforma online para automação financeira do Brasil, estará presente na feira com um stand para apresentar suas soluções de mercado, voltada especificamente para o setor.

“Iremos mostrar as soluções e funcionalidades da iugu e, nosso objetivo, é que todos entendam de forma clara os benefícios da automação e gestão financeira para o setor”, conta Patrick Negri, CEO da startup que estará com um stand n° SV22. A equipe de marketing e vendas ficará disponível no local para atender ao público, com as tecnologias e ferramentas que deixarão a cadeia de produção e meios de pagamento mais eficientes.

A startup lembra que o segmento de meios de pagamento promete alavancar o mercado brasileiro em 2019 e ainda há muito o que ser explorado em tecnologia. A proposta da iugu é trazer ao cenário as suas soluções e planos de negócios que ocorrem em três planos diferentes: Tradicional, Recorrente e Marketplace, atuando em diversas áreas, desde escolas e academias, até e-commerces e clube de assinaturas, se tornando assim uma das principais plataformas de meio de pagamentos do Brasil.

Serviço:

Evento: Construtech

Local: Expo Center Norte – Rua José Bernardo Pinto, 333 – Vila Guilherme

Data e horário: 29 de março, das 9h às 18h.

Stand iugu: SV22

Tags, ,

Tendência de Living: saiba o que cada geração espera em termos de moradia

Sabemos que cada geração tem um comportamento diferente da que antecede ou posterga a sua, mas nem todos sabemos como essa diversidade impacta na forma de consumir – e de viver. Sob este aspecto, a WGSN, autoridade global em previsões de tendências, traz os principais destaques dessas gerações quando o assunto é moradia.

Confira abaixo, as novidades que impulsionam essa geração:

Geração X

1965 – 1978 (41 – 54 anos)

Para essa geração, a casa se transformou em um local para expressar sua individualidade e gosto, desde o status das cozinhas até o quarto das crianças.

  • Novas start-ups estão democratizando o design de interiores, tornando-o mais acessível e acessível para todos;
  • O bem-estar é importante para a Geração X e isso está intimamente ligado ao ambiente doméstico. Neste sentido, estão se mudando para locais menos urbanos, muitas vezes em busca de um estilo de vida mais focado no bem-estar;
  • Casas multi-geracionais estão crescendo, especialmente na Ásia, e trazendo soluções inovadoras em design e arquitetura;

Geração Y

1979 – 1993 (26 – 40 anos)

Millennials estão abraçando uma nova geração disruptiva de living, que atendem ao seu estilo de vida.

  • Marcas projetam soluções que atendem especificamente para uma geração que vive em espaços menores;
  • Como os Millennials passam mais tempo em casa, eles precisam de espaços adaptáveis para trabalhar, cozinhar, relaxar e se divertir;
  • Pets são uma consideração importante para esse consumidor, além das plantas;

Geração Z

1994 – 2009 (10 – 25 anos)

Essa geração anseia:

  • Espaços menores, mais conectados e com áreas verdes;
  • Otimização de recursos: proximidade ao trabalho ou faculdade;
  • Lares que funcionem com um sistema unificado serão prioridades. Neste sentido, casas que oferecem soluções inteligentes – sistema de automação relacionado a iluminação, entretenimento, câmeras conectadas a um único dispositivo – estão em alta;

Geração Alpha

2010 – 2018 (1 – 9 anos)

  • Primeira geração digital está tornando-se mais influente dentro de casa;
  • Globalmente influenciam 65% na decisão dos seus pais; Nos EUA isso sobe para 81%
  • A casa da família, uma vez considerada a ambiente físico estável que permanece um constante como uma criança cresce, não existirá para esta geração. Inteligência artificial, impressoras 3D e realidade aumentada tornaram-se mais sofisticadas e essas tecnologias fornecerão soluções domésticas que serão adotadas pela Geração Alfa;
  • “Robôs sociais” representam a próxima fase da IA em casa. No caso, esses robôs podem fornecer soluções para problemas que são exclusivos da Gen Alpha;
  • A casa focada em bem-estar: vizinhanças conectadas à natureza;
  • Ao usar realidade aumentada, essa geração pode desenvolver uma arquitetura digital e em qualquer superfície, ao adicionar pets, plantas, alienígenas, zumbis ou qualquer outra coisa. AR pode ser usado para criar uma conexão mais emocional para casa da Gen Alpha, mesmo que a casa não seja permanente.

Tags, ,

Sistema ‘pay per use’ chama atenção em condomínios e vira tendência no mercado imobiliário

Após passar por umas das maiores crises, o mercado imobiliário brasileiro ganha forças e pode voltar em grande estilo em 2019. Segundo pesquisa realizada pela Alphaplan Inteligência de Mercado, o setor de imóveis apontou um avanço considerável no final de 2018, entre os meses de setembro e dezembro, e segue em um bom ritmo, mês a mês, desde janeiro deste ano, com grandes chances de recuperação motivadas pela perspectiva de oferta de crédito barato para construção e aquisição de imóveis, novos projetos que agradem a todas as classes econômicas e faixas etárias, além de sistemas inteligentes que oferecem conforto e comodidade aos moradores. Um dos sistemas em evidencia no momento é o “pay per use” que em português significa pague pelo uso.

A possibilidade de morar em um condomínio recheado de serviços e funções de conveniência facilita a vida de quem tem a rotina corrida, precisa administrar a casa e ainda quer economizar tempo. No entanto, a manutenção de toda essa infraestrutura pode trazer um efeito colateral no bolso: o aumento do custo fixo mensal para os moradores. Foi pensando em manter a comodidade, sem onerar o orçamento, que surgiu o conceito “pay per use”. De acordo com a ABADI (Associação Brasileira das Administradoras de Imóveis) o sistema é uma tendência que deve ganhar cada vez mais espaço.

O modelo chegou à cidade de Campos dos Goytacazes, no noroeste fluminense, por meio da Morocó Desenvolvimento Imobiliário. O conceito foi aplicado desde a idealização no empreendimento America Residence Service, que ainda tem unidades prontas para venda. Na lista de funcionalidades disponíveis para solicitação dos moradores estão desde serviços, como limpeza e arrumação, que podem ser contratados diretamente com a administração do condomínio, até restaurante e academia. Quem trabalha em casa, empreende ou necessita de um espaço para realizar encontros profissionais, dispõe ainda de espaço para eventos como convenções e reuniões.

“É bem interessante o serviço de pay per use do condomínio porque é uma facilidade para os moradores e um diferencial para as pessoas que desejam investir e adquirir uma unidade, algo novo na cidade de Campos dos Goytacazes. Além disso, está localizado em um bairro nobre como o Pelinca, próximo às principais vias da cidade, com muito comércio, bancos, bares e restaurantes por perto”, afirma Gustavo Almonacid, presidente da Morocó Desenvolvimento Imobiliário.

Oportunidade de compra

O evento “Pregão de Guerra”, que acontece no próximo dia 06 de abril, com a participação do coach Alexandre Jacques, especialista em vendas, vai agitar a aquisição de unidades no America Residence Service. Os clientes poderão optar entre imóveis com 1 ou 2 dormitórios e plantas que variam de 28,57 m²  a 68,29 m², com preços a partir de R$149.000,00.

Serviço:

Pregão de Guerra

Data: 06/04/2019

Horário: 9h

Local: Espaço Sognare

Endereço: Av. Vinte e oito de março,1148, Parque Tamandaré – Campos dos Goytacazes

Tags, ,

Imobiliárias Brognoli e Terraz anunciam parceria e lançam primeira plataforma digital para locação de imóveis em SC

Uma parceria entre a Brognoli Imóveis, que atua há 63 anos na Grande Florianópolis, e a Terraz, fundada no início dos anos 2000, deu origem à primeira imobiliária digital da capital catarinense. As duas empresas anunciaram nesta quinta, 21 de março, a união das operações de locação e o lançamento de uma plataforma online, a Terraz Aluguel Digital, para disponibilizar um portfólio de 1,3 mil imóveis para locação em Florianópolis e nos municípios vizinhos (São José, Biguaçu e Palhoça), permitindo que todo o processo de locação seja feito online, com menos burocracia e mais agilidade.

A parceria agrega o portfólio e a estrutura da Brognoli – que tem seis lojas físicas, mais de 150 colaboradores e 1,2 mil imóveis disponíveis -, com a expertise digital da Terraz, que lançou no final de 2018 uma plataforma inédita no mercado local com oferta de diversos serviços online ao consumidor. Entre os serviços oferecidos pela plataforma está a possibilidade de locação em menos de 24 horas por meio de um processo totalmente digital, sem necessidade de fiador ou assinatura de contrato em cartório.

“Os clientes terão fotos, tour virtual e uma ficha completa de informações dos imóveis para otimizar o processo de agendamento de visitas. Para os proprietários, o diferencial da plataforma é uma menor taxa de administração dos imóveis, em comparação com a média do mercado”, destaca Lucas Madalosso, CEO da Terraz.

As duas empresas vêm, nos últimos anos, investindo em projetos de inovação e buscando o apoio de startups locais para atender o crescente público digital. “A plataforma Terraz Aluguel Digital, é uma inovação criada por empresas que nasceram aqui, que conhecem bem o mercado e buscaram no ecossistema local de tecnologia apoio para desenvolver um novo modelo de atuação”, resume o CEO da Brognoli, Eduardo Barbosa. Desde 2017, a empresa participa do LinkLab, programa de inovação aberta da Associação Catarinense de Tecnologia (ACATE), que estimula a conexão de companhias mais tradicionais ao universo das startups.

Com a criação de um time interno de inovação, a empresa começou a desenvolver um ambiente cada vez mais digital de atendimento, utilizando tecnologias de pré-venda, chat bots e big data. Além de aluguel sem fiador (um dos principais entraves no processo de locação de imóveis), que reduz o tempo de análise de crédito de 48 horas para 15 minutos, por exemplo. “Além de reduzir drasticamente o tempo do processo de locação, essa jornada digital do consumidor ajudou a ampliar em 25% o volume de nossas locações”, calcula Barbosa.

DO CONVENCIONAL AO DIGITAL

A Terraz, que completa 17 anos em 2019, entrou de cabeça no ambiente de inovação. “Nós éramos uma empresa totalmente convencional há pouco mais de dois anos. Mas como sou fascinado por tecnologia, percebi que seria possível fazer uma virada no nosso mercado para uma atuação digital e oferecer uma jornada mais valiosa para o locador e o locatário, desburocratizando o processo”, comenta Lucas.

Ao longo deste período, a empresa foi buscar novas tecnologias e soluções com empreendedores locais. “Nossa estratégia era ser um campo fértil para que startups pudessem testar e pivotar conosco seus produtos. Nos abrimos para o desenvolvimento de novas ideias”, explica Lucas. O desafio da Terraz, a partir do lançamento da plataforma, é o potencial de crescer em escala, já que a empresa contava com um portfólio ainda restrito a alguns bairros da cidade, como as regiões no entorno das universidades (UFSC e UDESC), Centro e Campeche (sul da Ilha).

Esta conexão com o ambiente de startups acabou aproximando as duas empresas e, mais recentemente, as necessidades de cada uma em seus processos de inovação, o que levou, naturalmente, à parceria anunciada nesta semana. Como lembra o CEO da Brognoli: “eles não tinham uma carteira grande, mas possuíam um processo bem digitalizado, com ferramentas para o usuário transitar totalmente no digital. Por estarmos no LinkLab e termos essa preocupação em desenvolver inovação, a possibilidade de uma parceria acabou sendo uma consequência”.

Com a união das operações, a Terraz Aluguel Digital passa a atuar dentro do espaço da Brognoli no LinkLab Acate, com a equipe de vendas, marketing, TI e suporte. A marca será mantida e a plataforma passa a incorporar o portfólio das duas imobiliárias, se tornando o canal digital da Brognoli – que pretende utilizar toda a estrutura de atendimento presencial como um diferencial para proprietários de imóveis e locatários, em comparação com outros serviços exclusivamente digitais.

Após a consolidação do serviço online na Grande Florianópolis, a ideia é expandir a atuação para outras cidades catarinenses nos próximos dois anos, utilizando o potencial de escalabilidade da plataforma digital. “Já estamos observando novos mercados e fazendo estudos. Com o modelo validado, podemos chegar a novas regiões sem a necessidade de montar uma estrutura física”, ressalta Barbosa.

Tags, ,

Despesas acessórias na compra de imóvel devem constar do planejamento financeiro das famílias

Com os preços dos imóveis ainda impactados pelos anos de crise e com taxas de juros do crédito imobiliário na casa de um dígito, o momento para a compra de imóvel é favorável a quem deseja realizar o sonho da casa própria.

Adquirentes, entretanto, precisam estar cientes de que, além do valor da unidade em si, é preciso arcar com uma série de despesas acessórias. Elas dizem respeito a custos de cartório de registro de imóveis, ITBI (Imposto Sobre Transmissão de Bens Imóveis) e escritura. “O ideal é que as pessoas reservem pelo menos 5% do valor total da transação para suportar esses custos”, aconselha Nelson Parisi Júnior, presidente da Rede Imobiliária Secovi.

Tomando como referência um imóvel de R$ 300 mil, os custos acessórios serão de mais ou menos R$ 15 mil.

Os valores variam de acordo com a cidade e com o Estado. Na capital paulista, por exemplo, o ITBI é de 3% do valor do imóvel. “Quem deve arcar com essas despesas não é o vendedor, mas sim o comprador. A não ser que a operação envolva permuta. Nesse caso, as despesas existirão para ambos permutantes”, diz Parisi.

As despesas com cartório de registro de imóveis visam a garantir a troca da titularidade do bem, é a única garantia da propriedade. Nesse caso, os valores podem variar de acordo com a tabela de emolumentos de cada Estado e se alterar de acordo com o valor do imóvel.

Caso o imóvel seja financiado, não é necessária a escritura, pois o contrato de financiamento faz as vezes desse documento. “Nesses casos, as taxas também variam, dependendo do sistema de financiamento adotado”, complementa o presidente da Rede Imobiliária Secovi.

Há, entretanto, a possibilidade de esses elevados custos não pesarem no bolso do comprador: alguns bancos aceitam incluir essas despesas no financiamento. Também existem cidades que, a depender do tipo e da localização do imóvel, podem acabar dando isenção total ou parcial do ITBI.

Quem compra a primeira moradia financiada também pode ter desconto de 50% nas taxas cartorárias.

“Esses incentivos são positivos, pois reduzem sensivelmente a quantidade de dinheiro que o adquirente precisa desembolsar logo de cara”, avalia Parisi. “Infelizmente, a burocracia pesa muito em todo esse processo, e tudo isso vira custo para o comprador.”

Nelson Parisi recomenda que compradores utilizem serviços de consultorias imobiliárias para saber exatamente os valores a serem desembolsados na aquisição do imóvel e se é passível ou não de algum incentivo. “As imobiliárias têm informação técnica suficiente para subsidiar o cliente na tomada de decisão”, finaliza.

Imóveis no Rio de Janeiro e São Paulo já podem ser usados para permuta na compra de casas em Lisboa e no Porto

Continua crescente o número de brasileiros interessados em Portugal, seja para turismo, migração ou até mesmo para investimento. O Banco de Portugal constatou que, no ano passado, a chegada de brasileiros teve um aumento de 8,6% em relação a 2017 – quando já tinha crescido 3,9% sobre 2016. Nos consulados do Brasil em Portugal, estima-se que diariamente 760 pessoas tentam se regularizar na condição de imigrantes. Esses dados não consideram os brasileiros com dupla cidadania – tanto portuguesa como de qualquer outro país da União Europeia – que se estabeleceram por lá nos últimos meses.

No entanto, abrir mão de tudo que foi conquistado em solo brasileiro para se mudar para a Terrinha requer planejamento. Por isso, pensando em todos os desafios que envolvem essa mudança, muitas vezes com toda a família, a Global Trust(www.globaltrust.com.br), consultoria especializada em investimento imobiliário internacional, oferece uma negociação inovadora e exclusiva: a permuta de imóveis entre Brasil e Portugal, uma proposta inédita no mercado imobiliário entre os dois países.

Nesse novo formato, um imóvel no Rio de Janeiro ou em São Paulo pode servir como entrada de até 50% na compra de um apartamento no Chiado ou em Alfama, em Lisboa, no empreendimento Pátio das Oliveiras, no Porto, ou ainda em uma casa em um dos poucos condomínios fechados do país, localizado no Porto, em Vila Nova de Gaia. Este último é um novo empreendimento exclusivo, Moradias Madalena, que oferece 21 casas de três quartos (T3), a partir de 275 m² e três pavimentos – cave (subsolo), rente ao chão (térreo) e terraço –, com preços a partir de 435 mil euros. O condomínio está localizado a cinco minutos de carro da praia da Madalena, a 10 minutos do centro de Porto e a 15 minutos do aeroporto.

“A Global Trust, que se especializou em auxiliar brasileiros que querem ter um imóvel em Portugal, é uma empresa feita por brasileiros e para brasileiros. Ao longo dos anos, os clientes questionavam se existia a possibilidade da permuta e agora isso pode se concretizar e da melhor forma possível. O Moradias Madalena é um empreendimento exclusivo e 100% recém-construído, ou seja, totalmente novo. Além de oferecer todas as vantagens de um condomínio fechado, com uma infraestrutura de ponta, acabamentos de luxo, área verde e piscina exterior”, explica César Damião, sócio-fundador da Global Trust.

As negociações para a permuta serão realizadas diretamente com o incorporador, um dos mais tradicionais de Portugal, e intermediadas pela Global Trust, que tem um profundo conhecimento das necessidades dos clientes paulistas e cariocas ao se mudarem para Portugal.

Ao usar a consultoria 360° da Global Trust, o brasileiro que deseja embarcar para a Terrinha pode ter a tranquilidade de estar cumprindo todas exigências das legislações de ambos os países, sem pular nenhuma etapa, e ainda garantir os melhores resultados financeiros.

Tags,

Mercado imobiliário de São Paulo mantém ritmo positivo no início de 2019

A Pesquisa do Mercado Imobiliário, realizada pelo Departamento de Economia e Estatística do Secovi-SP (Sindicato da Habitação), apurou em janeiro de 2019 a comercialização de 1.622 unidades residenciais novas. O resultado foi 68,8% inferior às 5.204 unidades comercializadas em dezembro de 2018 e 4,1% inferior às vendas de janeiro de 2018 (1.692 unidades).

No acumulado de 12 meses (fevereiro de 2018 a janeiro de 2019), foram vendidas 29.859 unidades, um aumento de 20,9% em comparação ao mesmo período de 2018, quando as vendas totalizaram 24.699 unidades.

“Geralmente, o começo do ano costuma apresentar números mais modestos em relação aos outros meses do ano, principalmente na comparação com o último trimestre. Basta lembrar, que os meses de outubro, novembro e dezembro corresponderam a 40% do total comercializado durante todo o ano de 2018”, explica Celso Petrucci, economista-chefe do Secovi-SP.

Apesar da redução nas vendas do mês, a pesquisa mostra coerência no comportamento de comercialização, porque as unidades mais vendidas continuaram sendo as de 2 dormitórios com até 45 m², situadas na faixa de preço econômico.

“Decerto que o mês de janeiro não serve como indicativo de comportamento do mercado para o ano todo, o que está atrelado a diversos fatores, como a necessidade de aprovação da Nova Previdência e a calibragem da Lei de Zoneamento na cidade de São Paulo, entre outros assuntos relevantes ao setor e ao País que deverão ser solucionados durante 2019”, diz Basilio Jafet, presidente do Secovi-SP.

Lançamentos – De acordo com dados da Embraesp (Empresa Brasileira de Estudos de Patrimônio), a cidade de São Paulo registrou, em janeiro deste ano, o total de 286 unidades residenciais lançadas, 96,3% inferior ao mês de dezembro (7.720 unidades) e 61,8% abaixo do resultado de janeiro de 2018 (748 unidades).

No acumulado referente a fevereiro de 2018 a janeiro de 2019 (12 meses), foram lançadas 32.300 unidades residenciais na capital paulista, 2,8% acima do volume registrado no mesmo período anterior, com 31.409 unidades.

A cidade de São Paulo encerrou o mês de janeiro com a oferta de 20.989 unidades disponíveis para venda. Esta oferta é composta por imóveis na planta, em construção e prontos (estoque), lançados nos últimos 36 meses (fevereiro de 2016 a janeiro de 2019). A quantidade de imóveis ofertados foi 6,0% menor que a registrada em dezembro (22.327 unidades) e 0,1% abaixo de janeiro de 2018 (21.000 unidades).

Conclusão – Apesar do bom desempenho do mercado imobiliário dos últimos meses, grande parte dos empreendimentos lançados e comercializados é de projetos aprovados de acordo com os parâmetros urbanísticos do Plano Diretor anterior a 2014. “Isso reforça a dificuldade de os empreendedores viabilizarem novos projetos com base na legislação atual. Ainda é grande a expectativa do setor em ver esse assunto equacionado. Caso os ajustes necessários na Lei de Zoneamento sejam adiados por muito mais tempo, a tendência é de termos a rápida escalada dos preços dos imóveis, com queda do estoque disponível”, avalia Emilio Kallas, vice-presidente de Incorporação e Terrenos Urbanos do Sindicato da Habitação.

“A projeção para o ano é de crescimento moderado no mercado imobiliário, tendo em vista que as vendas e os lançamentos de 2018 superaram a média histórica. A previsão é de estabilidade no volume de unidades lançadas e vendidas, mas com crescimento de até 10% do VGV”, conclui Jafet.

Tags, , ,

Prédio icônico da Vitacon, Oscar Freire 585 abrigará nova unidade da WeWork em São Paulo

O prédio comercial Oscar Freire 585, da Vitacon, referência no desenvolvimento de tecnologias para moradia inteligente, será administrado pelos próximos 15 anos pela WeWork, rede global de soluções em espaços de trabalho presente em mais de 20 países. A Vitacon investiu cerca de R$ 100 milhões no empreendimento, que será locado exclusivamente para a empresa multinacional, que conta com unidades no Brasil desde junho de 2017.

Localizado no bairro dos Jardins, em São Paulo, na esquina das Ruas Augusta e Oscar Freire, o espaço – com seis andares totalizando 3.593,80m² -, disponibilizará 439 estações de trabalho. “A Vitacon e a WeWork são empresas com ampla sinergia de conceitos. Ambas estão completamente em linha com as novas demandas de comportamento do consumidor: tecnologia, mobilidade e conectividade”, explica Alexandre Frankel, CEO da Vitacon. “Com esta nova unidade, situada em uma das esquinas mais emblemáticas da cidade, esperamos contribuir para agregar valor ao empreendimento e, ao mesmo tempo, expandir a operação da WeWork para mais um dos endereços mais premium de São Paulo”, explica Ary Krivopisk, Head de Real Estate da WeWork para a América Latina.

Todo o projeto de arquitetura do espaço será desenvolvido internamente pela equipe de design da WeWork. As obras estão previstas para iniciarem no início de agosto, para que o empreendimento esteja disponível para a operação no início de 2020. A WeWork conta, hoje, com mais de 400 espaços de trabalho em todo o mundo e 18 no Brasil (em São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte).

Além da unidade da WeWork, o prédio também receberá a primeira flagship da Vitacon no rooftop – um espaço aberto ao público que funcionará como um “point” para potenciais clientes que quiserem conhecer o conceito da Vitacon, e também para moradores de outras unidades da construtora. Já a base do empreendimento será destinada a uma rede varejista de moda.

Tags, , , ,