Preço dos imóveis registra aumento de 0,57% em junho, maior índice registrado desde agosto de 2014

Preço dos imóveis registra aumento de 0,57% em junho, maior índice registrado desde agosto de 2014

Variação indica tendência de alta no valor da venda residencial, com acumulado de 2,17% em 2021
■ Análise do último mês: o Índice FipeZap, que acompanha o comportamento do preço médio de venda de imóveis residenciais em 50 cidades brasileiras, apresentou alta de 0,57% em junho, após avançar 0,48%, em maio, e 0,30%, em abril. Trata-se da maior elevação do índice desde agosto de 2014, quando foi apurada uma alta mensal de 0,68%.Comparativamente, a expectativa do mercado para a variação do IPCA/IBGE em maio de 2021 é de +0,58% (mediana agregada), segundo informado pela última publicação do Boletim Focus do Banco Central do Brasil*.

Individualmente, 15 das 16 capitais monitoradas apresentaram elevação no preço médio no último mês, destacando-se: Manaus (+2,14%), Vitória (+1,60%), Brasília (+1,49%), Curitiba (+1,47%), Goiânia (+1,40%), Florianópolis (+1,26%), Maceió (+0,81%), Fortaleza (+0,72%) e Porto Alegre (+0,64%). A única exceção entre as capitais acompanhadas foi novamente Campo Grande, onde a variação registrada foi de -0,94%. Com respeito às duas cidades com maior representatividade na composição do Índice FipeZap, São Paulo apresentou alta de 0,40%, superando a variação no Rio de Janeiro (+0,15%).

■ Balanço parcial de 2021: ao final do 1º semestre, o Índice FipeZap acumula alta nominal de 2,17%, variação inferior à inflação de 3,82% no mesmo recorte temporal, considerando o comportamento observado e esperado do IPCA/IBGE*. Caso essa expectativa se confirme, a relação entre a variação acumulada do Índice FipeZap e da inflação ao consumidor apurada pelo IBGE resultará em um recuo de 1,58% do preço médio de residencial, em termos reais. Regionalmente, a alta nominal no índice em 2021 é impulsionada pelas variações de preço registradas em todas as capitais monitoradas, com destaque para: Maceió (+8,16%), Vitória (+7,18%), Florianópolis (+6,54%), Curitiba (+6,09%), Manaus (+5,57%), Goiânia (+4,96%) e João Pessoa (+4,00%).

■ Análise dos últimos 12 meses: nesse horizonte temporal mais amplo, o Índice FipeZap apresenta um avanço nominal de 4,76%. Na comparação com a inflação acumulada (+8,40%), apurada pelo IPCA/IBGE*, o Índice FipeZap apresenta queda de 3,36%, em termos reais. Vale notar que, como no balanço parcial de 2021, todas as 16 capitais monitoradas pelo índice registraram elevação no preço médio em 12 meses, com destaque para os comportamentos observados em: Maceió (+14,27%), Vitória (+13,30%), Manaus (+13,29%), Curitiba (+11,08%), Brasília (+10,48%), Florianópolis (+9,47%), Goiânia (+9,22%) e João Pessoa (+8,89%). Em São Paulo e no Rio de Janeiro, por sua vez, as altas acumuladas nos últimos 12 meses foram de 4,41% e 2,29%, respectivamente.

■ Preço médio de venda residencial: tendo como base a amostra de imóveis residenciais anunciados para venda em junho de 2021, o preço médio calculado foi de R$ 7.655/m² entre as 50 cidades monitoradas pelo Índice FipeZap. Dentre as 16 capitais incluídas nesse rol, Rio de Janeiro apresentou o preço médio de venda mais elevado no último mês (R$ 9.545/m²), seguida por São Paulo (R$ 9.529/m²) e Brasília (R$ 8.336/m²). Já entre as capitais monitoradas com menor valor médio de venda residencial, incluem-se: Campo Grande (R$ 4.327/m²), João Pessoa (R$ 4.692/m²) e Goiânia (R$ 4.721/m²).

Nota: (*) informação publicada no Boletim Focus do Banco Central do Brasil em 05/07/21. A variação real efetiva será conhecida apenas após a divulgação do IPCA efetivo de junho pelo IBGE.

Comments are closed