Mais de 13 milhões de famílias brasileiras pretendem adquirir um imóvel, metade delas ainda em 2021, aponta pesquisa

Mais de 13 milhões de famílias brasileiras pretendem adquirir um imóvel, metade delas ainda em 2021, aponta pesquisa

Estudo da Datastore mostra as capitais com maior índice de intenção de compra de imóveis residenciais: São Paulo (28%), seguido por Rio de Janeiro e Goiânia (26%), Florianópolis (25%) e Salvador (24%)

O mercado imobiliário tem sido um dos condutores da economia brasileira. Estudo recorrente realizado pela Datastore traz novos números que comprovam o fortalecimento do setor nos meses de jan/fev de 2021. O substrato da intenção de compra para os próximos 12 meses apresentou estabilidade de 57% – o mesmo percentual de nov/dez de 2020 -, mas o número de interessados aumentou, já que houve acréscimo de famílias que desejam adquirir um imóvel nos próximos 24 meses.

Em todo o Brasil, mais de 13 milhões almejam comprar um imóvel residencial em até dois anos. “Destaque para a capital paulista, que atingiu o pico das intenções de compra da casa própria em 28% das famílias desde a renda acima dos 1,5 mil reais/mês até as mais altas. A última vez que isto aconteceu foi em 2016. Todavia, no ano de 2020, havia um quadro de instabilidade política, e a taxa Selic muito alta. Agora, em 2021, temos condições mais favoráveis, com os menores juros para o crédito imobiliário da história, e anseios das pessoas em relação ao novo uso dos imóveis em tempos de pandemia”, ressalta Marcus Araujo, CEO e fundador da Datastore.

Além da capital paulista, outras localidades também se destacam pelo alto percentual de desejo de compra, como o Rio de Janeiro (26%), Goiânia (26%), Florianópolis (25%) e Salvador (24%).

O mercado imobiliário residencial do Brasil vem mantendo seu bom ritmo de crescimento. O aumento se deve, sobretudo, ao atual cenário econômico e social do país e à nova realidade mundial, considerando que uma grande parcela da população tem demonstrado anseio em adquirir um imóvel residencial, visando conforto e praticidade, principalmente, para instalarem o home office, muito utilizado em tempos de pandemia. Como nem sempre uma reforma resolve o problema, comprar um novo imóvel pode ser a solução.

“Outros motivos estão levando as pessoas a buscarem novos imóveis. Além das menores taxas de juros da história para crédito imobiliário, há insatisfação das pessoas com o imóvel atual, devido à necessidade de adaptação e a superconvivência em casa, com parentes, pets, durante o isolamento social, e a poupança em alta, para aqueles que mantiveram ou expandiram renda nesse período – provavelmente em razão de as pessoas estarem gastando menos com deslocamentos, festas, compras em shopping centers”, explica Marcus Araujo.

O Balanço do Mercado Imobiliário divulgado pelo Secovi-SP mostra que, em 2020, foram comercializadas 51.417 unidades residenciais novas na cidade de São Paulo. Para 2021, a expectativa é um aumento de 10%.

Mulheres são decisivas na compra dos imóveis

Hoje em dia, as mulheres já detêm a renda principal para a compra do imóvel em milhares de lares brasileiros. De acordo com o CEO da Datastore, levando em consideração a demanda imobiliária para faturamentos a partir dos R$ 1.500,00/mês até as mais altas, em 45% dos casos, são elas, as mulheres, as responsáveis pelo valor principal para a conquista do imóvel, por apresentarem maior renda – uma realidade para aproximadamente 6,1 milhões de famílias brasileiras.

Comments are closed