Valorização patrimonial dos imóveis atingiu R$ 1,5 tri em um ano

Valorização patrimonial dos imóveis atingiu R$ 1,5 tri em um ano

Por Luiz Antônio França, presidente da ABRAINC

A evolução do preço dos imóveis está sendo responsável por elevar de forma substancial o patrimônio dos brasileiros. Nos últimos 12 meses foi registrada uma elevação de 12,5% nos preços praticados, de acordo com o indicador IGMI-R (Índice Geral de Preços do Mercado Imobiliário Residencial) da Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip). Em cidades como São Paulo, esse aumento foi ainda maior, batendo em 19,3%. Ao aplicar esse ganho sobre o valor patrimonial dos imóveis chegamos a uma valorização estimada de R﹩ 1,5 trilhões.

Essa onda positiva também ocorre em outros países. No Reino Unido, por exemplo, um estudo recente mostra uma valorização patrimonial de US﹩ 1,2 trilhões, maior valorização anual desde 1950. Estudo realizado em junho pela Bloomberg apurou que os índices subiram consideravelmente em diferentes países, entre eles, Nova Zelândia, Canadá, Suécia, Dinamarca e EUA.

Outro ponto positivo é que também notamos valorização nos preços de cidades que antes vinham enfrentando um desaquecimento no mercado imobiliário. Um exemplo é o Rio de Janeiro, que cujo preço cresceu 10%.

São muitos os fatores que impactaram essa realidade. De um lado, uma combinação econômica composta por juros mais baixos – a Selic chegou a 2% ao ano em 2020 -, e, mesmo com sua recente elevação, segue em um baixo patamar histórico. Quando avaliamos na ótica do juro real (taxa menos inflação), os dados são ainda mais expressivos. Com o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) chegando a 9% ao ano, os juros reais estão em patamar negativo, chegando à marca de -3% ao mês.

Do ponto de vista econômico, os ativos reais ganham cada vez mais força, afinal, deixar o dinheiro aplicado em ativos indexados a CDI (Certificado de Depósito Interbancário) pode significar um rendimento abaixo do custo da inflação.

O imóvel surge então como um investimento seguro e que consegue proteger o capital do investidor dessa forte oscilação. Por outro lado, temos mudanças sociais e de comportamento muito relevantes e que ganharam outras dimensões com a pandemia.

A adoção do home office, mesmo que parcial, levou muitas pessoas a considerarem morar fora dos grandes centros, já que é possível trabalhar de qualquer lugar; outros perceberam a necessidade de terem uma casa um pouco maior, mas também nos grandes centros, com configuração diferente. Condomínios com áreas para coworking, estruturas de serviços mais abrangentes também se tornaram alvo de maior procura pelas famílias.

Estudos divulgados recentemente pela Abrainc demonstram que a pessoa que investiu em imóveis no Brasil entre 2010 e 2019 teve rendimento anual médio de 15,3% ao ano, considerando tanto o ganho com valorização quanto receita proveniente de aluguel.

Esse retorno é 56% superior ao CDI médio do período. Com a forte queda nos juros ocorrida em 2020, a atratividade dos investimentos em imóvel cresceu ainda mais. O alto déficit habitacional que obriga milhares de famílias a buscarem seu primeiro imóvel para saírem do aluguel, surge como mais um fator que contribui para o aquecimento da demanda.

Esse cenário gera, portanto, uma boa oportunidade para o setor da construção, que contribui assertivamente na geração de empregos e de moradias, e também para o investidor que vê no imóvel um ativo seguro e com boa rentabilidade no longo prazo.

Comments are closed