FastBuilt: meta de 1 milhão de lares até 2023

FastBuilt: meta de 1 milhão de lares até 2023

Construtech lançada em 2018 traz app para acesso ao Manual do Proprietário Digital. No último ano solução ganhou módulo de assistência técnica e objetivo é criar meio prático e alinhado à transformação digital para comunicação entre construtoras e clientes

A construção civil brasileira vive um novo momento. Com o fortalecimento do cenário de recuperação econômica – a previsão é de crescimento de até 4% do PIB do setor, segundo a Câmara Brasileira da Indústria da Construção (Cbic) -, os planos de expansão das empresas ligadas ao segmento também se consolidam. E um dos destaques dessa retomada é o crescimento de soluções de transformação digital, como a oferecida pela construtech FastBuilt.

A startup catarinense possui nicho de mercado bem desenhado: seu app tem foco no fortalecimento do relacionamento entre construtoras e clientes. Inicialmente, o Manual do Proprietário Digital, que inclui fotos e vídeos com instruções precisas sobre cada imóvel, pode ser acessado pelo cliente através de seu smartphone, via leitura de um QRCode, geralmente disponibilizado junto à caixa de disjuntores do imóvel. A ideia de transformar papel em informação interativa ganhou força e está conquistando o setor. São 13 construtoras utilizando a solução e a meta da FastBuilt é robusta. A startup pretende chegar a um milhão de lares em 2023.

“Temos uma meta ousada, mas nossa estratégia mostra que ela é plenamente possível. O nicho de relacionamento com o consumidor na área da construção ainda é pouco explorado. Além das próprias construtoras, os condomínios também são nosso público-alvo, porque podem usar o app da FastBuilt para manter informações sobre os imóveis, histórico de ocorrências e manutenções e, mais recentemente, optar por utilizar nosso módulo de assistência técnica, lançado no fim de 2020”, destaca Jean Ferrari, fundador da empresa.

Para Ferrari, que fundou a construtech ao perceber as deficiências do setor no seu próprio dia a dia de trabalho como engenheiro, o app é uma forma de as empresas evoluírem na proximidade com o consumidor. “Hoje fizemos tudo via smartphone. Você pede comida, fala com empresas, responde e-mails, faz reuniões. Por que não ter acesso a fotos, vídeos e informações precisas sobre o seu imóvel através dele também? Além disso, solicitar assistência técnica de forma facilitada e intuitiva traz benefícios a ambas as partes: para o cliente, que o faz com agilidade, e para a construtora, que mantém um histórico preciso, consegue gerenciar melhor sua agenda de atendimentos e ainda ter uma visão prévia da solicitação antes mesmo de ir até o cliente”, comenta.

Expectativa para 2021

Se nos próximos três anos a FastBuilt deseja ser referência no Sul e Sudeste em seu segmento, em 2021 o objetivo é iniciar a pulverização das vendas. A empresa pretende chegar a 155 empreendimentos até o fim do ano, o que deve representar 9 mil imóveis gerenciados pela sua plataforma.

Além da estratégia de mercado, a marca se fortalece na área de eventos corporativos para a construção. É a realizadora do FastBuilt Experience, evento que no último ano ocorreu de forma online nos dias 17 e 18 de novembro, com mais de 60 palestrantes e milhares de participantes em todo o país. Neste ano o projeto retorna em outubro, com a expectativa de um modelo híbrido que reúna agenda presencial e online, além dos principais nomes do país quando o assunto é inovação na construção.

Comments are closed