Category Mercado Imobiliário

Índice FipeZAP+ registra alta de 0,53% nos preços de imóveis residenciais

Apuração de janeiro de 2022 destaca avanço dos preços em todas as 50 cidades monitoradas pelo índice

 Análise do último mês: o Índice FipeZAP+, que acompanha o comportamento dos preços de venda de imóveis residenciais em 50 cidades brasileiras, apresentou elevação de 0,53% em janeiro em 2022, após avançar 0,48% em dezembro de 2021. Comparativamente, o IGP-M/FGV apurou alta de 1,82% no primeiro mês do ano, enquanto a expectativa do mercado para a variação do IPCA/IBGE, segundo informações do Boletim Focus do Banco Central do Brasil*, projeta um avanço de 0,54% nos preços ao consumidor. Individualmente, à exceção de Canoas, onde se registrou ligeiro recuo nos preços residenciais (-0,16%), todas as cidades monitoradas acompanharam o movimento do Índice FipeZAP+, sendo que, em 26 delas, a variação superou a expectativa de mercado para a inflação ao consumidor (IPCA/IBGE). Em termos de magnitude, as altas mais expressivas foram apuradas em: Betim (+3,15%), São José dos Campos (+2,74%), Vila Velha (+2,07%), Balneário Camboriú (+2,03%), Goiânia (+2,02%), Campo Grande (+1,98%), Maceió (+1,65%), São José (+1,63%), Vitória (+1,57%), entre outras. Levando-se em conta apenas os resultados para as 16 capitais brasileiras que participam do índice, a alta nos preços de imóveis residenciais foi generalizada, destacando-se: Goiânia (+2,02%), Campo Grande (+1,98%), Maceió (+1,65%), Vitória (+1,57%), Florianópolis (+1,22%), Brasília (+0,77%), João Pessoa (+0,73%), Fortaleza (+0,71%) e Curitiba (+0,67%). Já as menores variações foram observadas em: Porto Alegre (+0,10%), Rio de Janeiro (+0,17%), Recife (+0,30%), Belo Horizonte (+0,36%), Manaus (+0,45%), São Paulo (+0,47%) e Salvador (+0,49%).

 Análise dos últimos 12 meses: considerando os últimos resultados, o Índice FipeZAP+ acumula uma alta de 5,47% nos 12 meses encerrados em janeiro de 2022. Comparativamente, a variação média dos preços de venda de imóveis residenciais registrada pelo índice é inferior à inflação acumulada pelo IGP-M/FGV (+16,91%) e pelo IPCA/IBGE (+10,38%)* no mesmo recorte temporal. Individualmente, 48 das 50 cidades monitoradas registraram elevação nominal dos preços residenciais no horizonte analisado, sendo que em 14 delas as variações superaram a inflação acumulada pelo IPCA/IBGE*. Em detalha, as altas mais expressivas nos últimos 12 meses são observadas em: Itapema (+24,68%), Itajaí (+23,49%), Balneário Camboriú (+22,80%), Vila Velha (+21,89%), Vitória (+20,65%), São José (+18,55%), Maceió (+18,31%), Florianópolis (+16,13%), Goiânia (+15,14%) e Curitiba (+14,68%). As exceções, neste caso, incluem: Santos (-1,41%) e Niterói (0,0%). Levantando-se em conta o grupo das 16 capitais incluídas no Índice FipeZAP+, a elevação nominal dos preços nos últimos 12 meses foi generalizada, destacando-se o comportamento em 5 delas, onde o comportamento dos preços superou a inflação ao consumidor: Vitória (+20,65%), Maceió (+18,31%), Florianópolis (+16,13%), Goiânia (+15,14%) e Curitiba (+14,86%). Nas demais capitais, as altas foram as seguintes: Brasília (+9,35%), João Pessoa (+8,45%) e Manaus (+8,43%), Campo Grande (+8,21%), Fortaleza (+6,44%), Salvador (+2,01%), Rio de Janeiro (+2,07%), Belo Horizonte (+3,98%), São Paulo (+4,14%), Recife (+4,41%) e Porto Alegre (+4,99%).

 Preço média de venda residencial: com base na amostra de anúncios de imóveis residenciais para venda em janeiro de 2022, o preço médio calculado para as 50 cidades monitoradas pelo Índice FipeZAP+ foi de R$ 7.905/m². Entre elas, os maiores valores médios foram apurados em: São Paulo (R$ 9.751/m²), Rio de Janeiro (R$ 9.664/m²), Balneário Camboriú (R$ 9.594/m²), Itapema (R$ 8.974/m²), Florianópolis (R$ 8.701/m²), Brasília (R$ 8.680/m²), Vitória (R$ 8.639/m²) e Itajaí (R$ 8.171/m²). Já a lista de cidades com menor preço médio de venda para imóveis residenciais incluiu: Betim (R$ 3.335/m²), Pelotas (R$ 3.968/m²/m²), São José dos Pinhais (R$ 3.979/m²), São Vicente (R$ 4.044/m²), Ribeirão Preto (R$ 4.157/m²), Contagem (R$ 4.202/m²), São Leopoldo (R$ 4.232/m²) e Londrina (R$ 4.249/m²), além das seguintes capitais: Campo Grande (R$ 4.679/m²), João Pessoa (R$ 4.961/m²) e Goiânia (R$ 5.216 /m²).


 Nota: (*) informação publicada no Boletim Focus do Banco Central do Brasil em 31/01/2022. A variação real do Índice FipeZAP+ será efetivamente conhecida apenas após a divulgação do IPCA efetivo de janeiro/2022 pelo IBGE.

Charlie amplia atuação em São Paulo

O Charlie, startup que transforma a maneira de morar, mesclando o conforto de casa com serviços sob demanda, expande atuação em São Paulo. A novidade está no início da operação de locação de 74 unidades do Vitrali Moema, um residencial com arquitetura moderna e cosmopolita lançado este mês pela incorporadora Lavvi. Com localização próxima à estação de metrô Moema, os apartamentos de 24 a 39m² compõem um portfólio de lazer completo e serviços diferenciados oferecidos aos hóspedes pela empresa. Atualmente, a startup possui cerca de R$ 400 milhões em ativos já contratados para gestão e almeja ampliar para R$ 3 bi nos próximos 3 anos.    

Instalado em um dos principais bairros da capital Paulista, o Charlie disponibilizará aos hóspedes do Vitrali Moema uma experiência completa em hospedagem. Com forte apelo em gastronomia, moda, compras e lazer, o empreendimento possui localização privilegiada disponibilizando diversos serviços que podem ser desfrutados a pé ou de bicicleta. O projeto conta com lazer completo, churrasqueira, praça central, piscina com deck, salão de festas, espaço gourmet e coworking, além de lavanderia coletiva e academia com equipamentos de última geração.  

Para o CEO Allan Sztokfisz, o Charlie anuncia nova operação e chega ao coração de Moema com objetivo de proporcionar uma estadia surpreendente em um empreendimento com localização imbatível. “Essa será uma de nossas operações mais sofisticadas. Nossa expectativa é ampliar atuação e oferecer praticidade em serviços e tecnologia para agradar todos os perfis e gostos”, afirma.  

Além disso, o executivo comenta que o lançamento será uma excelente opção aos investidores. “Aos proprietários investidores, o Charlie garante toda a operação que vai da reforma à locação, entregando a melhor rentabilidade e acompanhamento analítico de todas as unidades com transparência e praticidade por ser online e com acesso pelo aplicativo. A combinação perfeita entre cuidado e retorno”, complementa.  

O Charlie já possui atuação em São Paulo e Porto Alegre, administrando imóveis em mais de 12 empreendimentos. A expectativa é alcançar diferentes estados do Brasil com alto potencial imobiliário e turístico nos próximos anos, além de ampliar atuação em outros bairros nas capitais em que já atua. Como parte da estratégia de expansão, a empresa também estuda novas parcerias com construtoras e investidores institucionais.   

Propriedade compartilhada de imóveis de lazer desponta como nova tendência

Por Marcus Matta, CEO e fundador da Prime You

A propriedade compartilhada está cada vez mais presente nas opções de consumo dos brasileiros por suas inúmeras vantagens e benefícios que o sistema oferece. De aeronaves executivas e embarcações, a imóveis para lazer, o compartilhamento é o sistema cada vez mais adotado tanto pelo público Triple A quanto por consumidores da classe média.

A modalidade, que já é uma realidade nos Estados Unidos e Europa, registrou um crescimento de 17% no Brasil e já movimenta cerca de R$ 28,3 bilhões, de acordo com o relatório Cenário do Desenvolvimento de Multipropriedades 2021, da consultoria Caio Calfat Real Estate Consulting.Com crescimento médio de 24% nos últimos quatro anos ainda existe uma demanda represada.

Nos Estados Unidos, por exemplo, a startup Pacaso, que comercializa cotas de casas de veraneio, atingiu a posição de unicórnio em apenas cinco meses após o seu lançamento, em outubro de 2020, além de ter recebido mais de 60 mil consultas para entender como o modelo funciona. No modelo da startup, a propriedade de uma casa de férias é dividida entre vários compradores, que têm uma participação real na propriedade, e tempo de uso proporcional ao percentual que possuem.

Aqui, no Brasil, esse mercado está em expansão e vem despertando o interesse de um público que entendeu que a propriedade compartilhada de imóveis de lazer é mais vantajosa do que a exclusiva. Nessa opção de investimento, o custo de aquisição do imóvel é reduzido, os custos de manutenção são repartidos, e há um melhor aproveitamento do ativo.

No modelo de negócios da Prime You, os imóveis são divididos em até quatro proprietários, que adquirem uma fração do imóvel conjugado com uma embarcação, e têm direito ao uso dele de acordo com uma agenda pré-estabelecida, além de contar com uma série de serviços, como chef de cozinha, mordomo, sommelier, serviço de limpeza e tripulação para o barco (comandante e ajudante). Ou seja, os proprietários têm à disposição serviços de um hotel cinco estrelas, com o diferencial de contar com total privacidade, sem o ônus da administração do bem.

A Prime You, para atender à demanda crescente por imóveis de lazer no modelo de propriedade compartilhada, estuda levar o conceito para outros nichos de consumidores, que estão ávidos por usufruir todos os benefícios que esse sistema oferece.

O compartilhamento de bens de luxo, e, agora, de imóveis e empreendimentos de lazer,  é uma tendência e está se tornando um estilo de vida, principalmente das novas gerações, para as quais o ato de ter, de ser dono único, já não importa, mas sim a experiência e o investimento diversificado e seguro.

Na Prime You, oferecemos as melhores opções de investimento no sistema de propriedade compartilhada de bens de luxo, incluindo imóveis de alto padrão com embarcação. Somos os pioneiros no Brasil e América Latina nesse setor, e continuamos trabalhando com afinco para entregar os melhores produtos e soluções, com o objetivo de proporcionar as melhores experiências aos nossos clientes.

Aluguel sobe 9,6% em 2021 em Belo Horizonte, segundo Imovelweb

O Imovelweb, um dos maiores portais imobiliários do País, divulga o relatório sobre os preços dos imóveis em Belo Horizonte no mês de dezembro. De acordo com o relatório, o preço médio do aluguel de um imóvel padrão (65m², dois quartos e uma vaga) na cidade é R$ 1.590/mês, o que representa um aumento de 1,9% em relação a novembro. Em 2021, o aluguel subiu 9,6% na capital mineira, mas em alguns bairros o aumento foi ainda maior: em Buritis, Betânia e Indaiá, por exemplo, houve um acréscimo de 18,5%, 18,4% e 18,2%, respectivamente, no valor de locação. Por outro lado, o preço do aluguel caiu mais significativamente em Cidade Jardim (-19,0%), João Pinheiro (-17,7%) e Aeroporto (-12,7%).

Em 2021, a única região que registrou queda no valor médio de locação em Belo Horizonte foi a Noroeste. A região Oeste e Centro-Sul tiveram um aumento acima de 13%. Na tabela abaixo é possível ver o preço médio de locação por região:

RegiãoValor (R$/mês)Variação MensalVariação Anual
Noroeste1.1771,63%-10,95%
Norte1.1182,64%1,10%
Leste1.319-3,22%4,26%
Venda Nova1.0711,14%5,19%
Nordeste1.299-2,73%9,26%
Pampulha1.4974,94%9,78%
Oeste1.4431,72%13,64%
Centro-Sul2.0212,17%13,69%

A tabela a seguir mostra os bairros mais baratos e mais caros para morar em Belo Horizonte:

Mais baratos (R$/mês)Variação MensalVariação Anual
Piratininga (Venda Nova)862-8,65%-4,86%
Jaqueline (Norte)9725,00%16,33%
João Pinheiro (Noroeste)9839,09%-17,66%
Mais caros (R$/mês)Variação MensalVariação Anual
Lourdes (Centro-Sul)2.317-0,39%0,87%
Savassi (Centro-Sul)3.0030,77%8,65%
Belvedere (Centro-Sul)3.0171,21%S/D

Preço do m² sobe 5,8% em 2021

O relatório do Imovelweb mostra que o preço médio de venda em Belo Horizonte é R$ 5.499/m², o que representa uma valorização de 0,8% mensal e 5,8% em 2021. Dessa forma, um imóvel padrão (65 m², dois quartos e uma vaga) custa, em média, R$ 360 mil.

Os bairros de Belo Horizonte onde o preço de venda registrou as maiores quedas foram São Bernardo (R$ 3.586/m², -9,5%), São José (R$ 5.606/m², -9,3%) e Jardim Alvorada (R$ 3.785/m², -8,7%). As maiores altas ocorreram em São Salvador (R$ 3.792/m², +19,9%), Savassi (R$ 11.142/m², +20,5%) e Campo Alegre (R$ 4.550/m², +21,8%).

A região mais cara para comprar um imóvel é a Centro-Sul, onde houve um aumento de 8,89% no preço do m² em 2021. Os detalhes estão na tabela abaixo:  

RegiãoValor (R$/m²)Variação MensalVariação Anual
Nordeste4.6380,01%2,20%
Noroeste4.383-0,14%2,32%
Venda Nova4.0110,27%3,52%
Leste5.1230,02%4,28%
Pampulha4.8610,25%4,57%
Oeste5.1830,21%4,86%
Norte4.0430,87%6,90%
Barreiro4.1050,92%8,45%
Centro-Sul8.1852,03%8,89%

A próxima tabela mostra os bairros mais baratos e mais caros para comprar um imóvel:

Mais baratos (R$/m²)Variação MensalVariação Anual
Solar Do Barreiro (Barreiro)2.4531,54%4,51%
Flávio De Oliveira (Barreiro)2.4580,88%6,41%
Ribeiro De Abreu (Nordeste)2.4651,87%3,60%
Mais Caros (R$/m²)Variação MensalVariação Anual
Savassi (Centro-Sul)11.1423,19%20,53%
Braúnas (Pampulha)11.500EstabilidadeEstabilidade
Santo Agostinho (Centro-Sul)11.6511,37%9,20%

Rentabilidade

O índice de rentabilidade imobiliária relaciona o preço de venda e valor de locação do imóvel para verificar o tempo necessário para recuperar o dinheiro utilizado na aquisição do imóvel. No relatório de dezembro, o índice foi de 3,48% bruto anual. Dessa forma, são necessários 28,8 anos de aluguel para obter o valor investido no imóvel, 1,3% a menos que há um ano.

Confira a rentabilidade por região de Belo Horizonte:  

RegiãoRentabilidade
Norte2,4%
Nordeste2,9%
Leste3,0%
Venda Nova3,4%
Oeste3,5%
Centro-Sul3,5%
Pampulha3,7%
Noroeste4,3%

EXPO REVESTIR: retomada presencial marca 20 anos de sucesso

2022 marca a celebração de 20 anos da EXPO REVESTIR, a maior feira de revestimentos e acabamentos da América Latina. Iniciado em 2003, com uma área de quase três pavilhões, o evento atualmente abrange a totalidade dos sete espaços do Transamerica Expo Center, em São Paulo, onde vem ocorrendo desde então.

As grandes atrações são norteadas em torno dos lançamentos e tendências mundiais, a renovação do conhecimento por meio do Fórum Internacional, a revitalização do networking entre as empresas e os profissionais do setor alinhadas às novidades da feira, que acontece de 8 a 11 de março, em formato híbrido: digital e presencial.

Mais do que a comemoração de duas décadas de promoção de negócios, parcerias e participação direta no desenvolvimento do segmento, nacional e internacionalmente, a data icônica marca a retomada do networking presencial e estreia a temporada de negócios do setor. Cerca de 200 expositores apresentarão, em estandes repletos de experiências lúdicas, emocionantes e inesquecíveis, as principais novidades e tendências que vão orientar a criatividade dos profissionais nos projetos e empreendimentos de 2022 e início de 2023.

“A EXPO REVESTIR será a oportunidade para o reencontro do setor e, certamente, será propulsor de negócios ao longo do ano”, afirma Benjamin Ferreira Neto, Presidente do Conselho de Administração da Associação Nacional dos Fabricantes de Cerâmica para Revestimentos, Louças Sanitárias e Congêneres (ANFACER), promotora da feira. “A feira é o resultado de um projeto do setor cerâmico nacional, que nasceu há 20 anos, com o objetivo de criar um ambiente adequado para a geração de negócios. Ao longo dos anos, o evento cresceu e consolidou-se como o mais importante no segmento de revestimentos e acabamentos da América Latina e um dos principais do mundo para a construção civil”, destaca.


FORMATO HÍBRIDO: PRESENCIAL E DIGITAL

A EXPO REVESTIR reunirá duas experiências bem-sucedidas para tornar a feira cada vez mais democrática: presencial e digital. O formato híbrido rompe fronteiras ao levar as inovações e os lançamentos dos expositores para todo o mundo. Enquanto a versão presencial contará com os estandes marcantes e um ambiente próspero para negócios e networking, a versão digital concentrará todos as novidades dos expositores, bem como as maratonas de conteúdos e o Fórum Internacional de Arquitetura, Urbanismo e Construção (FIAC), que este ano será 100% online.

“Será uma edição memorável. Vamos celebrar juntos a retomada das agendas presenciais, do networking e das parcerias. Ao conectar os universos físico e digital, aumentamos o alcance e as possibilidades de negócios, além de estreitar o contato com o mercado, os revendedores, os especificadores e todos que fazem parte da cadeia produtiva da construção”, diz Maurício Borges, Presidente Executivo da ANFACER e CEO da EXPO REVESTIR e do FIAC.

Com capacidade máxima de expositores atingida, a 20ª edição da feira apresentará inspirações, novidades e tendências em cerâmicas, louças sanitárias, metais para cozinha e banheiro, rochas ornamentais, mosaicos, madeiras, laminados, cimentícios e vítreos. O evento físico é dirigido para arquitetos, designers de interiores, revendedores, engenheiros e os demais profissionais que fazem parte da cadeia produtiva da construção. Já a feira virtual será aberta todos os públicos, 24 horas, com imersões no que há de mais atual em inovações e tendências.

“Temos muito orgulho da nossa história e seguimos com o mesmo entusiasmo e motivação. Nesses 20 anos, crescemos como feira de negócios e evento de conteúdo, contando com a parceria de longa data do Transamerica Expo Center. Somos muito gratos por este local ter sido a casa da Expo Revestir por tantos anos”, destaca André Soares, Diretor Executivo da ANFACER e CFO da EXPO REVESTIR e do FIAC.
 

MEDIDAS SANITÁRIAS OBRIGATÓRIAS — Para garantir a segurança e o conforto de visitantes, expositores e colaboradores, a EXPO REVESTIR seguirá todos os protocolos sanitários vigentes contra a Covid-19, tais como a obrigatoriedade do Passaporte de Vacinação (com no mínimo duas doses ou dose única da vacina), máscaras cobrindo nariz e boca e uso de álcool em gel. A entrada no evento só será possível mediante a apresentação do passaporte de vacinação e documento oficial com foto. A feira ainda contará com uma equipe de biossegurança para garantir a adesão completa do público em relação ao respeito a esses protocolos.

CREDENCIAMENTO — A inscrição para a 20ª EXPO REVESTIR já está disponível e pode ser feita gratuitamente através do site oficial.

Atenção! Na feira física, não será possível realizar credenciamento durante o evento.


FIAC 100% VIRTUAL — O FÓRUM INTERNACIONAL DE ARQUITETURA, DESIGN E CONSTRUÇÃO (FIAC) permanece virtual, como ocorreu em 2021. Palestrantes de alta relevância no universo da arquitetura e do design se intercalam em programas e temas dirigidos a arquitetos, designers de interiores, revendedores e estudantes. Juntos, apresentarão tendências da realidade global diante dos novos desafios que o mundo enfrenta. Como todos os anos, o fórum terá o Dia do Designer de Interiores (09/03) e Dia do Arquiteto (10/03). O FIAC, assim como as demais ações da feira digital, ocorrerá na EXPO REVESTIR Digital House, no site oficial. Para completar ainda mais a maratona de conteúdo, diversos parceiros preparam uma programação especial para que a experiência virtual seja repleta de conhecimento.
 

EXPO REVESTIR 20 ANOS

8–11 de março de 2022

10h às 19h

Transamerica Expo Center

Av. Dr. Mário Villas Boas Rodrigues, 387

Santo Amaro, São Paulo-SP, Brasil


A EXPO REVESTIR é promovida pela ANFACER (Associação Nacional dos Fabricantes de Cerâmica para Revestimentos, Louças Sanitárias e Congêneres).

CrediHome fecha mais de R$ 4,5 bi em crédito imobiliário

A CrediHome, plataforma de crédito imobiliário, está fechando o ano com R$ 4,5 bilhões em crédito concedido por meio de financiamentos imobiliários e home equity, sendo que 97,5% correspondem a financiamentos. Em relação à demanda por parte dos compradores, foram mais de R$ 20 bilhões em propostas analisadas pela empresa.

Em 2021, o mercado imobiliário seguiu o ritmo aquecido que se iniciou em 2020. O movimento de aumento na aquisição de crédito fez o setor bater recordes. Segundo dados da Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip), os financiamentos com recursos das cadernetas do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE) somaram um montante de R$ 171,85 bilhões  entre janeiro e outubro de 2021, o que representa uma alta de 85,4% em comparação ao mesmo período do ano passado.

Dispondo de uma plataforma multibanco que compara de forma automática as taxas e condições dos principais bancos, a CrediHome também atua com oferta direta de crédito imobiliário com fundos próprios. A opção complementar aos clientes foi concedida a partir de uma licença do  Banco Central em 2020, que permitiu a atuação da empresa como  Sociedade de Crédito Direta (SCD).

Como estratégia para impulsionar ainda mais o setor imobiliário com a inovação, a fintech foi adquirida pela Loft, plataforma digital que facilita a compra e venda de imóveis, em agosto. “A aquisição tem nos permitido uma troca de experiências essencial nesse mercado, onde podemos investir em tecnologia e mais conhecimento. Nosso objetivo é expandir o acesso ao crédito imobiliário de forma menos burocrática aos clientes e a aquisição pela Loft contribui para isso”, explica Bruno Gama, CEO da CrediHome. 

No início do ano, a fintech também firmou parceria com o Mercado Livre. Com a parceria, os clientes que procuram imóveis pelo marketplace já conseguem simular o financiamento do imóvel desejado por meio de uma ferramenta automatizada. Se o cliente seguir com a simulação, é redirecionado ao suporte da CrediHome. 

Para conseguir dar conta de toda a operação e crescimento dos negócios, a empresa precisou aumentar sua equipe. Em janeiro de 2021, a startup mantinha 150 colaboradores, já em janeiro 2022 esse número subiu para mais de 310, representando um aumento de mais de 106% no quadro.

Singular: condomínio residencial da MPD em Alphaville investe na flexibilização com plantas versáteis e autênticas

A aposta em flexibilização é mais que tendência, uma realidade que se consolida entre as mais importantes marcas. Afinal, ninguém quer ser mais um, mas sim ser único e importante. É por isso que a flexibilização ganhou o mundo e tem atingido patamares cada vez mais altos. E com a chegada dos 40 anos de trajetória da MPD Engenharia, este conceito também passou a integrar os empreendimentos da companhia, como os últimos imóveis lançados em São Paulo e Barueri. A partir de 22 de janeiro de 2022, o conceito de flexibilização ganha mais um exemplar, único, por sinal, com a abertura da casa decorada decorado do Singular, o nome mais que apropriado do novo condomínio residencial da MPD em Alphaville, no município de Santana do Parnaíba, na avenida Marcos Penteado de Ulhôa Rodrigues, 3.095.

O Singular localiza-se no mesmo município de outro condomínio de responsabilidade da companhia, o Origem, um sucesso de vendas da construtora e incorporadora: lançado em outubro de 2019, em apenas 48 horas foram vendidas todas as unidades disponíveis — o Origem será entregue ainda neste ano.

“Uma das principais inovações do Singular está, justamente, na possibilidade de uma escolha flexível no que se refere às plantas do projeto. Há diversas opções e configurações disponíveis de plantas em 230m² ou 310m², com três ou quatro suítes — de acordo com a preferência — ou seja, um imóvel como os moradores desejarem. Deste modo, a flexibilização de plantas atende às necessidades específicas dos diferentes perfis, realizando o sonho da nova moradia em cada detalhe dela”, ressalta Débora Bertini, diretora de Incorporações da MPD Engenharia.

Para Débora, ao unir a expertise e a qualidade de entrega características das obras da construtora e incorporadora à flexibilidade, é proporcionada uma experiência de compra única com diversas possibilidades. Segundo ela, é mais uma oportunidade de se aproximar do cliente e fazer com que se sinta, ainda mais, dono de seu espaço. “Assim como somos únicos, cada planta será diferenciada, atendendo os gostos pessoais e levando os traços de identidade individual dos clientes para um novo lar cheio de personalidade”, afirma. Neste sentido, a executiva cita alguns perfis de moradores cujas diferentes opções de plantas e configurações das residências do Singular podem atender às pretensões de cada um deles.

Conheça a casa ideal de acordo com seu perfil

Com opções de plantas versáteis, flexíveis e autênticas, os futuros proprietários poderão atender suas diversas expectativas, de acordo com o seu perfil. Após a entrega do imóvel pela MPD, o amplo espaço das casas permite que o próprio morador crie ambientes que vão ao encontro de seus sonhos: seja de ser um chef de cozinha, alguém apaixonado por cinema ou ainda alguém que valorize um espaço de tranquilidade e contato com a natureza.

E, para inspirar quem irá adquirir um dos imóveis, Débora destaca algumas sugestões de decoração. Por exemplo, os que são chefs de cozinha, mesmo que amadores, podem dar vazão à criatividade com um espaço totalmente adaptado: “Para esse perfil de morador, a casa ideal tem uma bela cozinha industrial, com bastante utensílios e eletrodomésticos de última geração, para auxiliar naquele prato gourmet, aquele que faz questão de oferecer em um jantar rodeado de pessoas que gosta. E não dispensa o espaço entre os cômodos, uma área externa com uma churrasqueira bem iluminada e, claro, de estar perto de bons restaurantes locais, como os que há no entorno do Singular”, destaca.

Há também quem tem paixão pelo cinema ou ainda deseja um espaço “instagramável”. “Nesse caso, vale criar um ambiente decorado e cheio de personalidade, com muitos espelhos, cores e móveis com designer diferenciado para dar aquele toque especial, um closet com uma boa iluminação, proporcionando praticidade no momento de se arrumar, e um espaço externo para relaxar e manter a rotina saudável”, afirma a executiva. Já para quem prefere um ambiente “paz e amor”, a dica é caprichar na iluminação natural: “Nesse tipo de moradia, os espaços são bem iluminados e há muitas plantas na área externa e interna. Uma horta com pimentas e cebolinhas para colocar naquele prato saudável após um yoga no quintal. E ainda um espaço amplo para trabalhar em home office, contemplando a luz do dia e a facilidade de estar em casa, além de estar perto de parques onde se pode pedalar admirando a natureza”, explica a diretora de Incorporações da MPD.

Perto de shoppings e áreas comerciais vizinhos ao Singular, a casa ideal para um perfil mais “executivo” oferece espaço perfeito para trabalhar ou mesmo para degustar um bom vinho retirado da moderna e iluminada adega. E também uma área de lazer com espaço fitness, sauna e uma churrasqueira para chamar os amigos. Já para compradores do perfil “família”, a casa ideal tem projeto aconchegante, prático e espaçoso. “Nela, propomos uma brinquedoteca gigante para brincar com os filhos, mas também com um espaço privativo para assistir um bom filme a dois, além, é claro, um outro para trabalhar em casa, mas perto daqueles que ama, com uma boa localização e facilidades de uma região que abraça seus moradores”, enfatiza Débora.

O estilo “livre, leve e solto” completa o rol de sugestões para adaptar a futura moradia. “Quem tem esse perfil, pode criar ambientes para receber os amigos, uma mesa de jogos ao lado de uma sala de TV, com um home theater que tem som de cinema, e aquela cozinha de quem quer ser o profissional, mas no fundo é pura praticidade. Na decoração, móveis com designer geométricos e uma cartela de cores sóbrias com detalhes coloridos. E para completar, uma sala gamer de dar inveja, com todos os equipamentos necessários para as jogadas”, pontua a executiva. “Independentemente do perfil do futuro proprietário, o estilo de vida do Singular atende suas expectativas, para que ele possa morar do seu jeito”.

Natureza, lazer e outros diferenciais

Integrado em todas as opções de plantas, porém separado dos demais espaços, a fim de garantir privacidade e concentração nas rotinas de trabalho, o home office é destaque em todos os projetos de residências. Mas nem só de trabalho vivem os futuros moradores do Singular. “Detectamos que com o isolamento social requerido pela pandemia de covid-19, há uma busca por imóveis de maiores metragens, plantas com boa distribuição e que privilegiem luz natural, com localizações privilegiadas e próximos às áreas comerciais como conveniência, mercado, colégios e escolas de inglês, além de recursos tecnológicos dentro do condomínio. E, muito importante, também perto da natureza e diversidade de lazer. Isso tudo o Singular oferece aos futuros moradores, que trarão as suas próprias singularidades às suas casas”, salienta Débora.

Em se tratando de natureza e lazer, as áreas comuns do condomínio residencial também oferecem verde abundante e outros atrativos, como salão de festas, churrasqueiras, espaço delivery, sauna, sala de ginástica e espaço fitness, quadra de areia, quadra poliesportiva, pista de skate, piscinas infantil e de adultos, playground, brinquedoteca e pet place.

Entre os diferenciais das “casas da MPD” no Singular, há duas opções de fachadas, fechadura biométrica na porta de acesso social, previsão de carregador elétrico para carros, casas isoladas dentro do terreno e entrada de serviço independente. Além disso, os banheiros têm iluminação e ventilação naturais, janelas com persianas motorizadas nos dormitórios, duas cubas na suíte master e total integração entre o living e o quintal.

Indicador Abrainc-Fipe aponta alta de 24,6% nos lançamentos de imóveis

Dados do Indicador Abrainc-Fipe apontam para uma alta de 24,6% no lançamento de móveis no acumulado do ano (janeiro a outubro de 2021), em comparação ao período anterior. Com o resultado, o número de novos imóveis neste intervalo foi de 107.390 unidades. Nos últimos 12 meses, encerrados em outubro de 2021, os lançamentos envolveram 142.282 novas unidades disponibilizadas no mercado imobiliário, o que corresponde a um aumento de 20,8% em relação ao período precedente. Em relação ao último trimestre móvel (agosto, setembro e outubro de 2021), foram lançados 38.680 imóveis, uma queda de 9,8% ante igual intervalo do ano anterior. O levantamento foi realizado com dados compartilhados por 18 empresas associadas à Abrainc (Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias).
 

Em termos de vendas, no acumulado de 2021 (janeiro até outubro) foram comercializadas 119.866 unidades — alta de 7,5% em relação ao mesmo período de 2020. Nos últimos 12 meses, encerrados em outubro, os 146.901 imóveis novos vendidos pelas incorporadoras contribuíram para um aumento de 10,3% em relação ao intervalo anterior. No último trimestre móvel, foram comercializadas 34.376 unidades, o que representa um recuo de 13% sobre o volume transacionado no mesmo período de 2020. Nos respectivos horizontes, as vendas líquidas, excluindo-se as unidades distratadas, tiveram crescimento de 9,1% no acumulado do ano e de 12,1% nos últimos meses. No trimestre móvel, a redução foi de 14%.
 

“O setor teve um bom desempenho ao longo do ano. Em 10 meses, as vendas superaram os lançamentos em 12%, o que mostra que o mercado imobiliário – um dos setores protagonistas no processo de recuperação econômica brasileira – se mantém aquecido. No geral, os empreendedores estão otimistas com as perspectivas para 2022, mas atentos ao cenário econômico atual”, pontua Luiz França, presidente da Abrainc.
 

Distratos – Outro ponto a se destacar no setor diz respeito a baixa relação entre distratos e vendas de unidades. No fim de 2018, quando foi publicada a Lei nº 13.786/18 (Lei do distrato imobiliário), que estabeleceu parâmetros para a resolução de contrato de compra e venda de imóveis por desistência e por inadimplemento das partes, a relação distratos/vendas entre os imóveis de Médio e Alto Padrão era próxima dos 50%. Já no último trimestre móvel (agosto, setembro e outubro de 2021), essa relação foi de 10% e ainda representou uma queda de 2,2% sobre o trimestre anterior.

Indústria de Materiais de Construção considera início de 2022 “regular”

A ABRAMAT (Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção) divulga nessa segunda-feira, 31, a nova edição do Termômetro da Indústria de Materiais de Construção, pesquisa de opinião realizada com as lideranças das empresas associadas. O estudo aponta uma percepção no início de ano majoritariamente “regular”, a partir da análise das vendas em janeiro. A publicação também destaca a continuidade das pretensões de investimento nos próximos 12 meses em nível alto.
 

O termômetro da ABRAMAT aponta que para 40% das empresas associadas, o faturamento no mês de janeiro foi considerado “Regular”. Para 35%, o período foi “Bom”, enquanto os demais 25% consideraram o primeiro mês do ano “ruim” ou “muito ruim”.
 

As projeções para o mês de fevereiro indicam desempenho mais positivo: 40% esperam um mês “bom” ou “muito bom”, 55% acreditam em um mês “regular”, enquanto 5% projetam um mês “ruim”. O setor que aponta crescimento consecutivo no otimismo em relação a pretensão de investimentos para o longo prazo registrou 85%, se aproximando ao mais alto patamar registrado nos últimos meses.
 

“O sentimento da indústria para 2022 nesse momento é de cautela, em função das muitas externalidades e incertezas, mas continuamos com um otimismo moderado. Além de aspectos como inflação, câmbio, taxa de juros e Custo Brasil, ainda teremos as eleições de outubro, que movimentarão o ano. Seguiremos atentos e trabalhando muito em parceria com os diferentes interlocutores para atingir um crescimento sustentado em patamar superior ao PIB”, pontuou Rodrigo Navarro, presidente da ABRAMAT.


 

Living As A Service: apepê aposta em tecnologia para proporcionar uma nova experiência de morar e viver

Aliada às novas soluções tecnológicas que visam melhorar a experiência de construtoras e seus clientes, a desburocratização do mercado imobiliário fortalece o crescimento de construtechs e proptechs no país. Dados levantados pela Terracotta Ventures apontam que, em apenas 5 anos, houve aumento de 235% no número de startups destes segmentos no Brasil. Uma destas empresas é o apepê, que oferece uma experiência de moradia inovadora, unindo todas as funções necessárias para a melhor conexão de um condomínio. Desenvolvido para condomínios, mas planejado para moradores, o aplicativo de ativação condominial preza por inovação e pela praticidade no dia a dia.

“Construímos o apepê com o objetivo de elevar a experiência de moradia das pessoas, de forma simples, ágil e econômica. Oferecemos um ecossistema de serviços que conta com a expertise de empresas muito bem preparadas para gerir especificamente cada um dos serviços disponíveis, como o de lavanderia, por exemplo”, explica Carlos Castro, CEO do apepê. Nesse caso, ao solicitar o serviço, o apepê conecta o morador com uma lavanderia, que se responsabiliza pela retirada e entrega das roupas no próprio condomínio. Desse modo, a única preocupação do morador é agendar o serviço e retirar suas peças no smart locker, quando elas forem devolvidas.

Os smart lockers, que também compõem os diferenciais oferecidos pela empresa, são armários inteligentes para o recebimento de encomendas. O morador é notificado pelo aplicativo sobre a chegada de uma encomenda, informando em qual armário ela está disponível e disponibilizando o QR Code que será utilizado para o desbloqueio do mesmo. Através do aplicativo também é possível realizar a reserva de espaços comuns do condomínio, como academia, salão de festas e churrasqueira, tudo em apenas uma única tela, tornando o agendamento mais ágil e menos burocrático para os condôminos.

Dispensando o uso do interfone, os moradores podem liberar a entrada de suas visitas mesmo quando não estiverem em casa. “Às vezes, a visita chega antes do horário previsto e o morador ainda está na rua. Nesse caso, o visitante não precisa ficar do lado de fora esperando que ele chegue. Ou o morador está viajando e pede para alguém cuidar do seu pet que ficou em casa. Nesse caso, a única preocupação dele será cadastrar um aviso de visitante no app e deixá-lo com a chave do apartamento”, pontua Carlos Castro. 

Além disso, ambos podem desfrutar do mini mercado instalado dentro do condomínio, que possui alta variedade de produtos e facilidade de pagamento, que pode ser realizado  tanto pelo autoatendimento, quanto no próprio aplicativo. 

Outra opção oferecida pelo app é a conexão de vizinhos, formando uma espécie de comunidade. Dessa forma, eles podem acompanhar o mural com comunicados dos moradores ou oficiais do condomínio, e conversar em chats particulares, sem a necessidade de compartilhar o número de seu telefone e nem de se preocupar em receber ligações desnecessárias ou mensagens em horários inoportunos.

“As pessoas já têm preocupações demais e a comunicação condominial não precisa ser uma delas. Esse formato que trazemos no apepê, foi pensado para entregar a informação de forma mais assertiva e, ao mesmo tempo, manter a privacidade e segurança de cada um. Por isso, todas as mensagens trocadas no chat privado não podem ser apagadas, assim como todas as postagens realizadas no mural geral, que podem ser excluídas pelo administrador a qualquer momento. Dessa forma, evita-se a propagação de mensagens ofensivas ou até mesmo conteúdos impróprios”, afirma o CEO do apepê.