Category Mercado Imobiliário

Construção registra aumento de 5,34% nas vendas no 1º semestre de 2022

De acordo com dados do Senior Index, relatório da Senior Sistemas que acompanha indicadores de mercado, o setor da construção registrou um aumento de 5,34% na movimentação do mercado imobiliário no primeiro semestre de 2022 em relação ao mesmo período do ano passado.

Outro dado levantado aponta uma alta no Valor Geral de Vendas (VGV) dos empreendimentos no primeiro semestre do ano, com um aumento de 3,28%, correspondente a uma movimentação de cerca de R$ 9,8 bilhões de reais.

Senior Index também apresenta indicadores referentes ao valor do metro quadrado adquirido. De acordo com a pesquisa, houve um crescimento de 7,38%, com um investimento médio a nível Brasil girando na casa dos R$ 6.931,94.

Esses dados levam em conta uma amostragem de mais de 192 empresas que atuam na construção de diversos empreendimentos dos mais variados padrões – médio e alto padrão e Casa Verde e Amarela (antigo MCMV) – e que utilizam a tecnologia da Senior Mega em diversos estados do Brasil.

Avaliação do cenário

Em 2021 o número de vendas na construção bateu recorde. Esse superávit na comercialização dos imóveis no ano passado aconteceu em virtude do bom momento do setor, que entre outros fatores, contou com uma queda representativa da taxa Selic. Se no passado as taxas de juros giravam na casa dos 12%, em 2021 foi possível financiar imóveis por menos da metade desse índice, chegando em alguns meses em 2%. Isso promoveu mais poder de compra e contribuiu para o boom de vendas. 

“Em 2022 o setor da construção ainda vive alguns reflexos de 2021, contudo, o cenário é outro e o segmento começa a retornar a patamares mais realistas, com taxa Selic na casa dos 13,75%. Logo, é natural que ao longo deste ano percebamos algumas variações no volume de vendas ao fazermos esses comparativos”, explica o Head de Construção da Senior, Cleber Francischini.

De acordo com o informativo econômico da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), o Índice Nacional de Custo da Construção, calculado e divulgado pela Fundação Getúlio Vargas (INCC/FVG), no primeiro semestre de 2022 já aumentou 7,53%. Apesar da variação ser inferior à registrada em igual período do ano anterior, essa é uma das mais fortes para um primeiro semestre do ano desde 1996.

Outro dado apontado pela CBIC destaca que no mês de junho houve um aumento de 2,14% no INCC, o que corresponde a terceira maior elevação para esse mês nos últimos 28 anos. Somente em junho de 1995 (3,12%) e junho de 2021 (2,16%) as altas foram superiores. Ainda de acordo com a CBIC, em junho o custo dos materiais e equipamentos cresceu 1,07%, o custo da mão de obra aumentou 3,35% e o custo com serviços sofreu elevação de 0,68%.

“O setor da construção já vem sentindo há mais de 24 meses consecutivos as altas dos insumos. Esses valores contribuem para deixar o custo da construção em um patamar elevado. No ano passado houve como amenizar esses índices em virtude de um cenário de taxas de juros baixas, situação que não é a mesma atualmente. Logo esses custos maiores acabam migrando para o VGV e, por consequência, para o valor do metro quadrado”, explica Francischini. 

No ano passado, o PIB da construção registrou uma alta de 9,7% no acumulado do ano. Foi o maior aumento registrado em 11 anos. Porém, é importante destacar que esse aumento foi em cima de uma queda de 6,3% em 2020. Para 2022, a projeção divulgada pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e o Sindicato da Indústria da Construção de São Paulo (Sinduscon-SP) é de que o PIB do setor tenha um aumento de cerca de 2%.

Indicadores por estado

Além de fazer um levantamento nacional dos dados da construção, o Senior Index também aponta alguns índices por estado. 

Entre os estados que apresentam os maiores índices de compra de imóveis no período estão: Espírito Santo 1,26%, Goiás 41,91%, Paraná 39,62%, Rio Grande do Norte 12,84%, Rio Grande do Sul 19,46%, Santa Catarina 17,51% e São Paulo 7,34%.

Já entre os estados com queda na comparação com o ano passado estão Distrito Federal -44,04%, Minas Gerais -19,50%, Pernambuco -15,65% e Rio de Janeiro -44,13%. 

Em relação ao valor do metro quadrado por estado, Espírito Santo 26,89%, Goiás 23,27%, Minas Gerais 16,92%, Santa Catarina 13,71% e Paraná 12,95%, estão entre os 5 estados com maior aumento do metro quadrado no Brasil de acordo com o Senior Index. 

Sobre o Senior Index 

O Senior Index é um relatório que tem como objetivo acompanhar indicadores de mercado nos diversos segmentos em que a Senior atua. A pesquisa utiliza-se de técnicas de análise de dados e também do Data Lake da empresa, com informações anônimas de clientes que aceitaram compartilhar dados dos seus negócios.

“Em um cenário em que as tendências mudam com rapidez, acompanhar o mercado de perto se torna muito relevante”, destaca o Diretor da Unidade de Negócios na Senior Sistemas, Marcos Malagola.

O relatório Senior Index da Construção tem publicações trimestrais. Em breve a Senior trará também novidades e dados relevantes de outros setores em que a companhia atua, como agronegócio, logística, indústria e RH. 

Faturamento das indústrias de materiais de construção apresenta leve alta em julho na comparação com o mês anterior

A ABRAMAT (Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção) divulga nessa terça-feira, 09, a nova edição da sua pesquisa Índice, elaborada pela FGV com dados do IBGE, apresentando os dados de faturamento do setor. O estudo indica que em julho de 2022, o faturamento deflacionado das indústrias de materiais de construção registrou leve aumento de 0,4% em comparação com junho. Já na comparação com julho de 2021, registrou-se queda de 3,3%, o que configura a menor diferença interanual desde que a comparação passou a ser negativa em setembro de 2021.

Com esse resultado, o faturamento da indústria de materiais fica 7,8% abaixo do verificado no mesmo período de 2021. A diferença para 2021 já começa a se reduzir. Apenas nos últimos meses do ano, o sinal deve voltar a se inverter A projeção de crescimento para 2022 é de 1%

“Com os dados mais recentes do Índice, podemos notar que a diferença mensal em comparação com 2021 já começa a se reduzir. Acreditamos que, mesmo com todas as externalidades que estamos enfrentando, uma melhora gradual nos condições macroeconômicas proporcionará alcançar a projeção de crescimento sustentado que estamos buscando para 2022, estimada em 1% pela FGV”, explica Rodrigo Navarro, presidente da ABRAMAT.

Covid-19: o que mudou no mercado imobiliário brasileiro?

A crise mundial gerada pela covid-19 mudou consideravelmente a rotina de milhares de pessoas ao redor do mundo. Como consequência, foram observadas mudanças em todas as esferas da sociedade.

Para acompanhar esse movimento, o Imovelweb, um dos maiores portais imobiliários do País, vem realizando várias pesquisas com seus usuários para compreender o comportamento dos brasileiros durante as três ondas da pandemia.

Atualmente, a busca de imóveis é feita majoritariamente por mulheres (64%), sendo que os homens representam 36%. As faixas etárias são as seguintes:

Gráfico, Gráfico de barras  Descrição gerada automaticamente

Desse total, procuram por:

Uma imagem contendo Gráfico  Descrição gerada automaticamente

As pesquisas também apontam os TOP 3 motivos para procurar um imóvel:
1 – Casamento
2 – Deixar a casa dos pais
3 – Sonho de moradia própria
Os principais fatores que influenciam a pesquisa são: localização, preço e condições de pagamento. E quando questionados sobre o que é importante ter no próximo imóvel, os usuários responderam: segurança, mercados e vias de acesso. Ainda no momento de procurar por uma propriedade hoje, 71% pesquisaram online antes de visitar o imóvel ou stand contra 60% em 2011.

Momento de compra


Para analisar o comportamento atual dos usuários, o Imovelweb fez uma terceira pesquisa. Comparando as três ondas, obteve-se as seguintes respostas quando se trata da busca de imóveis:

Gráfico, Gráfico de barras  Descrição gerada automaticamente

Além disso, para metade das pessoas que estão buscando imóveis no portal, a situação atual não mudou os planos, o que pode ser encarado como um fator positivo para o mercado.

Linha do tempo  Descrição gerada automaticamente

Os principais fatores de mudança, tais como localização e espaço, continuam presentes, porém foi observado que a redução de custo, que antes não era citada, apareceu entre as principais causas:

Tela de computador com texto preto sobre fundo branco  Descrição gerada automaticamente com confiança média
Gráfico, Gráfico de barras  Descrição gerada automaticamente
Gráfico, Gráfico de barras  Descrição gerada automaticamente

Para os usuários que pretendem mudar, hoje 38% têm a intenção de trocar de casa em até 6 meses, contra 52% dos respondentes na primeira onda. A outra metade dos entrevistados acredita que a atual situação mudou os planos: 7% responderam que a economia do Brasil impactou essa decisão, outros 32% culpam a insegurança no emprego atual.

Linha do tempo  Descrição gerada automaticamente

Sobre os fatores que fariam os consumidores a retomarem os planos de mudanças, descontos na hora do pagamento, redução de juros e a retomada da vida normal estão entre as principais respostas:

Uma imagem contendo Gráfico  Descrição gerada automaticamente

O lado financeiro

Gráfico, Gráfico de barras  Descrição gerada automaticamente

De acordo com a pesquisa realizada pelo Imovelweb, quem pretende se mudar e entende que a situação atual não mudou seus planos ainda conta com métodos de pagamento tradicionais, tais como uso do FGTS e o consórcio.

Já quem cessou completamente a busca por imóveis, diz que a insegurança na atual situação do País e a possibilidade de ter salário reduzido ou ser mandado embora contribuíram para a decisão.

Interface gráfica do usuário, Texto, Aplicativo  Descrição gerada automaticamente

“Com a pandemia, saímos do um conceito ‘de fora para dentro para de dentro para fora’: antes olhava-se a localização e agora a prioridade é se o imóvel está adequado para as minhas necessidades atuais”, afirma Tiago Galdino, CFO do Imovelweb.

Juntos Somos Mais anuncia Juliana Carsoni como nova CEO

Juntos Somos Mais, criadora de soluções para o varejo e profissionais da construção civil, joint venture da Votorantim Cimentos, Gerdau e Tigre, anuncia Juliana Carsoni como nova CEO a partir de 01 de setembro de 2022. Juliana chega para reforçar a estratégia de ecossistema da companhia e continuar a resolver dores da indústria, varejo, profissionais e consumidores finais através da tecnologia .

“Estou muito feliz e orgulhosa em fazer parte dessa startup de tecnologia tão focada em mudar a vida de quem constrói sonhos. Chego com expectativas muito positivas para liderar essa empresa que está transformando a indústria da construção civil,”, afirma a executiva. 

Formada em Administração pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e com especialização em Estratégia para Negócios em Plataforma pelo MIT, Juliana tem vasta experiência em canais digitais e plataformas de e-commerce. Na Unilever, onde esteve entre 2004 e 2021, a executiva liderou equipes de Vendas, Marketing e Trade Marketing atuando, principalmente, no desenvolvimento de novos canais e na modernização das práticas comerciais. Desde junho de 2021, Juliana esteve à frente da operação do Compra Agora Brasil, marketplace B2B do Grupo Unilever.

Com a chegada de Juliana, Eros Canedo, que assumiu interinamente as responsabilidades de Diretor Executivo no período de contratação da executiva, retorna para a sua posição de Diretor Financeiro (CFO), estando à frente dos times de Finanças, People, Legal e Customer Success. António Serrano, que deixou a companhia em abril de 2022, se mantém como consultor independente do Conselho de Administração.

FG Empreendimentos busca novas tecnologias para desenvolvimento da construção civil no Brasil

Figurando como uma das maiores construtoras do país, a catarinense FG Empreendimentos é uma das pioneiras em tecnologia construtiva de alta performance. Atuando no mercado de luxo e com foco em empreendimentos altos, a empresa, além de desenvolver o mercado imobiliário e o fomento ao destino onde empreende, também é uma das empresas que mais investe no desenvolvimento de tecnologias e modernizações para a construção civil. Parceira de grandes empresas que também assinam os maiores arranha-céus do mundo, a construtora enviou recentemente três profissionais para uma viagem de atualização.

A equipe da FG Empreendimentos esteve no México, Israel, Holanda e Alemanha. “Com as trocas e novas tecnologias que já estamos implantando, teremos um avanço de 10 anos em 2. E isso não se refletirá apenas nos empreendimentos com assinatura da FG, mas sim irá gerar um salto em todo o mercado e cadeia produtiva”, destaca o presidente da FG, Jean Graciola.

Os engenheiros André Bigarela e Gustavo Simas estiveram no México para conhecer novas tecnologias para elevadores de obra e a importação de tecnologia para utilização de várias gruas em uma única torre. “A utilização de grua já faz parte de nosso processo construtivo — uma realidade que não é bem estruturada no país. A verticalização das habitações exige a utilização de equipamentos adequados a todos os desafios impostos por uma obra, portanto, espaços cada vez mais estreitos e uma necessidade crescente de industrialização da construção civil, fizeram das gruas equipamentos indispensáveis nos canteiros para a movimentação de grandes cargas”, explica o diretor de engenharia da FG, André Bigarella.

As gruas na construção civil conseguem acompanhar o ritmo de crescimento do setor, por trazerem mais eficiência, versatilidade e capacidade de transportar variados materiais, sem ocupar muito espaço no canteiro de obras. “A utilização de gruas agrega segurança e também redução no prazo de execução, o que se reflete em sustentabilidade na obra”, comenta Gustavo Simas. Enquanto no Brasil a utilização das gruas ainda esbarra no fator custo, por serem vistas como geradoras de custo, no exterior é muito comum a utilização, até mesmo na construção de casas e em edifícios mais altos encontramos mais de um equipamento. “Para acelerar ainda mais a execução dos nossos próximos empreendimentos, estamos também trazendo a utilização de múltiplos equipamentos em uma única torre “, completa o engenheiro Gustavo Simas.

Ainda no México os engenheiros brasileiros realizaram um tour pelo segmento hoteleiro para conhecer instalações e tecnologias da experiência do cliente, além de conhecerem o Mitikah La Ciudad Viva, com 68 andares, 267 metros altura e aproximadamente 98.000 m², um empreendimento de múltiplos usos e um dos mais altos do México.

Em Israel, o engenheiro Bigarella foi visitar a fábrica de válvulas redutoras de pressão Bermad. “Esse é um dos principais sistemas de um empreendimento. Assim, fizemos uma atualização técnica sobre válvulas de controle hidráulico, distribuição para zonas de pressão, válvulas redutoras de pressão, aplicações de bomba potável, reservatórios e tanques de armazenamento de água, válvulas redutoras de pressão de proteção contra incêndio e um novo sistema de segurança, de sprinkler, para casa de máquinas”, explicou. Além disso, ele visitou a Torre Azrieli Sarona, com 61 andares, 238,5 metros de altura sendo o edifício mais alto de Israel.

Na passagem pela Holanda e Alemanha os profissionais visitaram a fábrica da Wavin, no Brasil chamada Amanco Wavin, a primeira empresa do mundo a criar tubulação de pressão de PVC, em 1955, em Zwolle, na Holanda. Fornecedora de soluções inovadoras atua nos mercados predial, industrial, infraestrutura e agronegócio em vários continentes e detentora do propósito Construindo Ambientes Saudáveis e Sustentáveis. “Estamos trazendo em primeira mão para América do Sul um novo sistema de tubos e conexões flexíveis para instalações prediais de água quente e água fria, que já é utilizado na Europa e nos EUA e recém-lançado no México. É um sistema que além de trazer maior produtividade para a obra devido ao método prático de instalação, conta com um diferencial que permite ao instalador verificar vazamentos na instalação com maior facilidade através de um aviso sonoro que a conexão emite quando é acidentalmente mal instalada”, explica o engenheiro André Bigarella.

Outro produto que a empresa está trazendo para os empreendimentos é a tubulação de esgoto mais silenciosa, com foco no conforto acústico, menor geração de resíduos durante a instalação e maior produtividade e ganhos diretos e indiretos para a obra, como uma maior resistência e qualidade no projeto. Essa é a primeira solução em PVC criada para reduzir o problema de ruídos nas instalações hidráulicas. “A redução de ruídos com foco no bem-estar é uma das premissas da FG. Essas novas tecnologias já estão sendo implementadas, pois realizamos a revisão de todos os nossos projetos”, completa Bigarella.

Na Alemanha, a gerente de engenharia aplicada, Stéphane Domeneghini, esteve na Wilo, um fabricante europeu de bombas e sistemas de bombas para os setores de tecnologia de construção, água e indústria. “Essa é a empresa que já nos atende na obra do One Tower, nas bombas de pressão. Além de conhecermos suas novas soluções, visitamos um dos edifícios mais inovadores do Wilopark, a fábrica digital 4.0, um complexo de produção de última geração, além de realizarmos trocas com outras empresas com foco em edifícios altos, principalmente com tecnologias para os supertalls, ou seja, prédios com mais de 500 metros de altura”, comenta Domeneghini.

Nesta visita à fábrica, a gerente de engenharia aplicada da FG teve a oportunidade de estreitar contato com a equipe de Desenvolvimento Tecnológico que fará a ponte com a equipe técnica do Ed. Lakhta Center que figura hoje como o edifício mais alto da Europa e que em 2020 foi reconhecido com o Emporis Skyscraper Award, que elege os melhores novos edifícios superaltos do mundo após sua conclusão. Essa ponte foi possível pois parte do sistema de abastecimento desse grande empreendimento contempla soluções da Wilo.

“Outro ponto importante a se destacar na viagem foi o conhecimento adquirido sobre detalhes arquitetônicos e, principalmente, sobre soluções para desenvolvimento das cidades, um novo olhar para as soluções urbanas. Esse é um campo muito avançado na Europa, e que a FG Empreendimentos, desde a sua fundação, vem investindo e participando nas soluções de cidade para Balneário Camboriú, por ter em seu DNA o fomento ao destino e desenvolvido das localidades onde está inserida”, finaliza Stéphane Domeneghini.

Madeira engenheirada reforça inovações no setor de construção em meio a expectativa de alta de 3,5% do PIB

A Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) divulgou, no final de julho, a expectativa de crescimento de PIB em 3,5% em 2022, resultado que representa crescimento do setor acima do índice nacional pela segunda vez consecutiva. O cenário favorece o surgimento de novidades com o objetivo de maximizar a eficiência dos projetos construtivos. Uma das mais recentes é a madeira engenheirada ou mass timber, que deverá ganhar força no país, por oferecer vantagens como agilidade, segurança e praticamente nenhuma geração de resíduos no canteiro de obras.  

“O crescimento da construção civil e o engajamento de práticas ESG têm contribuído para o surgimento de sistemas construtivos em madeira. O mercado tem reagido positivamente à tecnologia do mass timber, já que busca encontrar produtos e soluções sustentáveis que emitam menor quantidade de carbono. Nesse sentido, o processo é um aliado do cliente, já que a madeira absorve o carbono durante o desenvolvimento da árvore e o estoca ao longo de toda a sua vida útil”, explica Ana Belizário, head de novos negócios da Urbem, que reforçará a atuação no mercado com o início das operações da fábrica instalada no estado do Paraná, no segundo semestre deste ano.

Em entrevista ao Podcast da FEICON, maior evento de construção civil da América Latina, a gestora revelou que a primeira fábrica terá capacidade de produção instalada de 100 mil m3 de  mass timber, o que representa aproximadamente 500 mil m2 de área construída, dependendo do projeto.

Utilizada em países da Europa e nos Estados Unidos e Canadá, a tecnologia reforça um conjunto de soluções sustentáveis que tem ganhado espaço no mercado, possibilitando a concretização de projetos com inovação, diferenciais estéticos, em menor espaço de tempo, com redução de prazo em até 40%, tornando os canteiros de obras mais produtivos.

De acordo com Ana Belizário, a empresa trabalha com dois principais produtos de mass timber: o Cross Laminated Timber (Madeira Lamelada Colada Cruzada), conhecido como CLT e o Glued Laminated Timber (Madeira Lamelada Colada), o Glulam, produzidos de forma muito parecida e que usam a mesma matéria-prima: o pinus, espécie mais apropriada para o desenvolvimento do sistema no Brasil. A madeira, tratada em ambiente industrial, passa por uma série de processos até chegar no resultado final e compor elementos estruturais homogêneos, resistentes, estáveis, de alta tecnologia e qualidade.

“A solução atende, basicamente, todas as categorias de projetos e tipologias. Veremos o mass timber sendo aplicado em construções residências unifamiliares de um ou dois pavimentos e edifícios de 18 andares com pilares, vigas e lajes feitas com o material e em galpões, shoppings, escolas, hospitais”, explica a gestora.   

As perspectivas para o setor da construção civil com a chegada de novas tecnologias são otimistas para Belizário, que aponta um paradoxo de mercado: enquanto o país se destaca em termos inovação em design e arquitetura, mantém métodos tradicionais nos canteiros de obras, apesar da movimentação industrial e sustentável estar ganhando força. “Tem um potencial adormecido muito alto para sistemas industrializados. Eles são uma ruptura de paradigma em um primeiro momento, mas os clientes que os adotam percebem imediatamente os benefícios e acabam se convertendo para essa linguagem, então teremos muita transformação nos próximos anos no Brasil”, finaliza.

Madeira engenheirada é justamente o tema do primeiro episódio da nova temporada do podcast da FEICON. Na entrevista com a executiva da Urbem, é possível conferir em detalhes os impactos e oportunidades do mass timber, além de uma visão sobre novos processos construtivos como um todo. O acesso pode ser feito pelo Spotify: https://cutt.ly/gZQTKlD .

Além disso, a organização da FEICON entrega um spoiler: o tema também fará parte das discussões programadas para a próxima edição, que acontecerá de 11 a 14 de abril de 2023, em São Paulo.

CAIXA financia R$ 16,3 bilhões em julho e bate recorde histórico na contratação habitacional

Banco supera o resultado de maio/2022 e vive o melhor mês da sua história no segmento. Em 2022, já foram R$ 90,5 bilhões contratados

A CAIXA, líder do mercado imobiliário, bate novo recorde e supera o resultado realizado em maio/2022, mês de maior contratação na história do banco. Foram R$16,3 bilhões contratados em julho/2022. Em relação ao mês de julho/2021, houve um aumento de 38,78% em valores contratados.

Com o resultado de julho, a CAIXA emprestou, em 2022, R$90,5 bilhões no crédito imobiliário a cerca de 361,8 mil famílias, o que representa uma alta de 17,14% em relação ao mesmo período de 2021.
 

Os crescentes resultados solidificam a posição da CAIXA como o Banco da Habitação e reforçam seu protagonismo nesse mercado que tem importante reflexo social e econômico no país.

Como contratar:

Pelo simulador habitacional, disponível no aplicativo Habitação CAIXA ou no site do banco, o cliente pode simular a operação pretendida. Após a simulação, é possível prosseguir com o processo de aprovação da operação no próprio aplicativo, ou ainda, caso prefira, procurar uma das agências da CAIXA ou um Correspondente CAIXA AQUI.

Para conhecer melhor as linhas de financiamento habitacional, fazer simulações sobre a melhor opção, os clientes podem acessar o site.

Parceiro da Construção é a nova joint venture da ArcelorMittal e Saint-Gobain

A ArcelorMittal, líder mundial de aço, e a Saint-Gobain, líder mundial em soluções para o mercado de construção leve e sustentável, anunciam, após a aprovação pelo CADE, o lançamento do Parceiro da Construção como empresa independente, tendo as duas multinacionais como acionistas igualitárias. Com lançamento divulgado hoje, a joint venture já possui um valor inicial de mercado estimado de R$ 40 milhões.

O Parceiro da Construção, lançado em 2020 pela Saint-Gobain, é uma plataforma on-line que oferece mais de 100 cursos de capacitação. Com certificados disponíveis gratuitamente para profissionais da área, a plataforma visa contribuir com a qualificação individual e com a transformação digital.

“O projeto já é reconhecido entre muitos profissionais do setor. Agora, queremos atingir novos perfis de profissionais e ampliar ainda mais a oferta de cursos e serviços para o ecossistema da construção”, comenta Renato Holzheim, Diretor-Geral da Saint-Gobain Produtos para Construção. “Junto com a ArcelorMittal, conseguiremos apoiar ativamente o desenvolvimento dos profissionais e, consequentemente, de todo o mercado em parceria com outras empresas do setor”, completa Renato.

Por meio da união de suas expertises na construção civil, as empresas acionistas pretendem multiplicar a capacitação de profissionais em um setor que vem se mostrando muito promissor. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, o Produto Interno Bruto (PIB) da indústria brasileira da construção cresceu cerca de 10% só em 2021.

“Esta parceria – e novo investimento no país da ArcelorMittal – representa o encontro da cultura de inovação da nossa marca centenária e o Grupo Saint-Gobain. São duas gigantes que se unem no mercado brasileiro para fomentar o crescimento do setor da construção. Em uma demonstração clara da aposta no desenvolvimento do país e com o olhar acurado para reduzir os gaps educacionais do setor através da geração de conteúdos acessíveis e inclusão digital de toda a cadeia”, avalia Marcelo Marino, VP Comercial e Metálicosda ArcelorMittal Aços Longos.

O modelo de negócios do Parceiro da Construção é inovador: uma plataforma que promove interações entre os mais diversos atores do segmento da construção civil, tais como fabricantes, revendedores, engenheiros, arquitetos, instaladores, pedreiros, pintores e demais profissionais especializados, gerando valor para todos por meio da produção, disseminação e troca de conhecimento.

“Estamos certos de que vamos impulsionar a qualificação e a transformação digital do setor.A partir de agora, o Parceiro da Construção também dará a oportunidade para que outros fabricantes de materiais de construção façam parte desse universo conosco, e se unam a nós para apoiar esta evolução no mercado”, completa Marino. A partir desta parceria, a expectativa é de que o portal siga crescendo nos próximos anos e atinja mais profissionais do setor.

Em 2022, o Parceiro da Construção espera expandir ainda mais sua gama de conteúdos educacionais, além de preparar o lançamento de outros produtos digitais inovadores, voltados ao mercado da construção e ferramentas para apoiar o dia a dia dos profissionais da área e consumidores finais. “Ampliação da comunidade, da base de conteúdos e dos serviços fazem parte dos objetivos da plataforma neste ano”, comenta Roberto Hentzy, CEO do Parceiro da Construção, que tem mais de 26 anos de experiência no mercado, inclusive de startups e varejo, e liderará a nova empresa.

“Viabilizar a realização de programas escaláveis de educação continuada e os demais produtos em desenvolvimento abrirá oportunidades de crescimento para os profissionais e terá impacto significativo no desenvolvimento da construção civil como um todo”, complementa Hentzy.

Histórico do Parceiro da Construção

O Parceiro da Construção nasceu a partir de uma necessidade do mercado, identificada em diversas pesquisas realizadas pela Saint-Gobain entre 2017 e 2018. Foi constatada a necessidade de alavancar a capacidade de treinamentos por meio da tecnologia. Em 2019, foi lançado o MVP — Minimum Viable Product (Produto Mínimo Viável) para validar o modelo por meio de um aplicativo de perguntas e respostas. Após a validação do modelo, foi desenvolvida a plataforma de capacitação on-line.

Desde o começo, o projeto foi entendido como uma startup interna, com time dedicado, colocando o cliente no centro de todas as decisões e utilizando metodologias ágeis. Atualmente, a plataforma conta com milhares de inscritos e de certificados emitidos que aperfeiçoa a mão de obra e a empregabilidade por meio dos seus cursos. O Parceiro da Construção oferece ainda webinars, podcasts e webséries relacionados a obras, marketing, vendas, entre outros, totalizando mais de 400 horas de conteúdo e 3 milhões de visualizações. 

Vale destacar a websérie Se Liga Parceiro, que tem como principal objetivo quebrar mitos e sanar as dúvidas da construção, além do podcast O Som da Obra, que conta semanalmente com novos episódios. E, por fim, o evento PdC Talks, que reúne anualmente diversos palestrantes para falar sobre inovação, sustentabilidade e transformação digital na construção, integra o portfólio da plataforma.

Preço de imóveis à venda em Curitiba está acelerado

OImovelweb,um dos maiores portais imobiliários do País, divulga seu relatório mensal de preços de junho em Curitiba. De acordo com o levantamento, o preço médio na cidade para imóveis à venda ficou em R$ 7.983 por m², subindo 1,5% no mês. Desde outubro de 2019, o valor médio registra incremento mensal ininterrupto.
 

Em 2022, os preços acumularam uma alta de 6,7% acima da inflação, o que implica em um aumento real de 1%. Já nos últimos 12 meses, o valor se mantém em linha com a inflação e muito acima da variação da BOVESPA.
 

Os dados do relatório mensal de preços do Imovelweb, também chamado de Index, são gerados com base em 100% dos imóveis listados no portal, seja aluguel ou venda, mostrando o preço médio das propriedades.
 

Na análise por região, Santa Felicidade é a mais cara, com um valor médio de R$ 9.358 por m². Além disso, todas as áreas registraram um aumento de preço interanual, sendo que Cajuru teve a maior alta.
 

Preços dos imóveis à venda por região:
 

RegiãoValor do m²Variação MensalVariação Anual
BAIRRO NOVO3.4490,6%5,0%
BOQUEIRÃO5.0712,1%13,0%
PINHEIRINHO5.3290,9%8,9%
CAJURU5.6521,3%19,0%
BOA VISTA6.6950,7%12,8%
CIDADE INDUSTRIAL DE CURITIBA7.0362,5%S/D
FAZENDINHA-PORTÃO7.9311,3%11,8%
MATRIZ9.3361,5%11,7%
SANTA FELICIDADE9.3581,7%14,5%

Campina do Siqueira fechou o mês de junho como o bairro mais caro para adquirir um imóvel, registrando um preço médio de R$ 10.893 por m². Campo de Santana é o bairro mais barato, com um valor médio de R$ 3.103 por m². 

Mais baratos (R$/m²)Variação MensalVariação Anual
CAMPO DE SANTANA3.1030,5%5,8%
AUGUSTA3.1301,3%3,2%
CACHOEIRA3.1960,6%7,8%
Mais caros (R$/m²)Variação MensalVariação Anual
BIGORRILHO10.7291,7%S/D
BATEL10.7831,5%9,3%
CAMPINA DO SIQUEIRA10.893-0,4%7,9%

Aluguel em Curitiba

O valor médio mensal do aluguel na cidade em junho fechou em R$ 1.737 para os apartamentos de dois quartos, subindo 2,6% no mês. No segundo trimestre de 2022, houve uma aceleração nos valores: alta de +8,5% versus alta de +1,3% no primeiro trimestre. Nos últimos 12 meses, o aluguel aumentou 20,5% muito acima da inflação e do ajuste do IGP-M.
 

Prado Velho é o bairro com o maior preço médio de Curitiba, com um valor mensal de R$ 2.657. Campo de Santana é o mais econômico no momento de alugar, custando R$ 984 por mês.
 

Mais baratos (R$)Variação MensalVariação Anual
CAMPO DE SANTANA9842,7%-1,1%
TATUQUARA1.017-6,8%2,7%
CACHOEIRA1.0700,6%0,3%
Mais caros (R$)Variação MensalVariação Anual
JARDIM DAS AMERICAS2.5067,3%S/D
CENTRO CÍVICO2.6335,9%S/D
PRADO VELHO2.6576,7%17,2%

Rentabilidade
 

O índice de rentabilidade imobiliária relaciona o preço de venda e valor de locação do imóvel para verificar o tempo necessário para recuperar o dinheiro utilizado na aquisição do imóvel. O relatório de junho apontou um índice de 4,31% bruto anual, o que significa que são necessários 23,2 anos de aluguel para reembolsar o investimento de compra, 3,3% a menos que um ano atrás.
 

Boqueirão e Cajuru são as regiões que oferecem mais retorno para os investidores. Sítio Cercado e Jardim das Américas são os melhores bairros para quem busca renda.
 

Rentabilidade por região:

RegiãoRentabilidade
SANTA FELICIDADE2,3%
CIDADE INDUSTRIAL DE CURITIBA2,9%
MATRIZ4,2%
PINHEIRINHO4,5%
FAZENDINHA-PORTÃO4,7%
BOA VISTA4,8%
BOQUEIRÃO5,2%
CAJURU5,6%

Grupo Patrimar e Carvalho Hosken firmam parceria para novo projeto imobiliário no Rio de Janeiro

Empresas lançarão R$ 1,2 bilhão de VGV no Rio 2, um bairro planejado da cidade maravilhosa 

O Grupo Patrimar – construtora que atua nas classes alta, média e econômica, no Rio de Janeiro, em Belo Horizonte e no interior de São Paulo – e a Carvalho Hosken – especialista em bairros planejados e uma das maiores desenvolvedoras urbanas do Rio de Janeiro -, acabam de firmar parceria para a construção de um grande empreendimento no Rio, na Barra da Tijuca, que consolida o estilo de morar diferenciado das duas empresas. A empreitada será em um dos bairros planejados mais cobiçados, que está em constante crescimento e cada dia mais valorizado da cidade maravilhosa: o Rio 2. 

Após o investimento de mais de R$ 2 bilhões na cidade do Rio de Janeiro no segundo semestre de 2021 – com o Oceana Golf – e neste mês de julho – com o Atlântico Golf -, Patrimar se prepara para lançar em 2023 um empreendimento ainda maior com VGV (Valor Geral de Vendas) de R$ 1,2 bilhão. O projeto, que está em fase de desenvolvimento, será localizado em uma área de quase 30 mil metros quadrados e erguido no último terreno da região do Rio 2. Serão apartamentos para todos os perfis familiares, de dois a quatro quartos 

Segundo Alex Veiga, CEO do Grupo Patrimar, “o empreendimento do Rio 2 é grandioso. O padrão de acabamento e qualidade, além da nossa expertise em inovação, tecnologia, segurança e sustentabilidade já consolidados aqui em BH estarão presentes nesse espetacular projeto do Rio”, diz. Ainda segundo o CEO, “estamos muito contentes com a parceria recíproca com a Carvalho. Tenho certeza de que colheremos bons resultados desse belíssimo lançamento”, conclui Alex.   

Sobre o Rio 2  

Para se ter ideia da grandiosidade do bairro planejado, o Rio 2 completou a maioridade, hoje com 22 anos e, atualmente, conta com cerca de 18 mil moradores. Com administração própria eficiente e com qualidade de vida nível A, o local tem 600 mil metros quadrados, distribuídos em 24 residenciais, parques, quadras esportivas, shopping, escolas, centro ecumênico e supermercado. Tudo isso interligado por ciclovias e calçadas. Os acessos e interior são monitorados por guaritas, além de seguranças em circulação e monitoramento de câmeras. Já o paisagismo da área comum tem a assinatura de Roberto Burle Marx.  

“Quando lançamos o Rio 2 em 1994, sabíamos que ele seria o grande marco do desenvolvimento urbano do Centro Metropolitano na Barra da Tijuca. Ao longo deste período muitas parcerias surgiram e agora anunciamos mais uma com a Patrimar, empresa mineira, que escolheu o Rio de Janeiro para também atuar no segmento de médio e alto padrão. Essa união com certeza trará ainda mais benefícios para o Rio 2 e para a Barra”, comenta Carlos Felipe de Carvalho, CEO da Carvalho Hosken. O Rio 2 está entre o Centro Metropolitano, o Cidade Jardim e o Hilton Barra, todos empreendimentos da Carvalho Hosken na região. O bairro planejado é administrado pela AMORIO2.