Tag Archive construção civil

Construção civil é setor que gera mais empregos durante pandemia

Foto: Ronan Rufino

De acordo com dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED), divulgados no dia 30 de setembro, todas as regiões brasileiras tiveram geração de empregos com carteira assinada no mês de agosto. No Brasil, foram abertas 249.388 vagas, com destaque para o estado de São Paulo, que teve a implementação de 64.552 novos postos de trabalho.

Um dos termômetros da economia, a construção civil contribuiu para a criação de empregos e abriu 50.489 vagas em agosto. Segundo o CAGED, pelo terceiro mês consecutivo, o Paraná apresentou saldo positivo na criação de empregos com carteira assinada, abrindo 17.061 novos postos de trabalho em agosto, o que representa aumento de 93% em relação a julho (com 8.833 vagas).

Nesse mesmo caminho, a A.Yoshii Engenharia, construtora com atuação em todo Brasil, contratou 575 colaboradores nos últimos três meses. O principal incentivo para esse avanço foi o fato de a construtora ter iniciado as vendas de quatro empreendimentos de alto padrão em Curitiba e Londrina (PR), além de outros lançamentos previstos em Campinas (SP) e Maringá (PR).

O diretor do departamento de Recursos Humanos do Grupo A.Yoshii, Aparecido Siqueira, conta que o bom momento do setor fez com que as vagas fossem abertas e os empregos retomados. “Além de novas vagas, conseguimos recontratar colaboradores nas cidades onde atuamos. Por conta dos lançamentos, seguimos contratando e dando apoio nessa retomada econômica”, explica.

Recém-contratado, o auxiliar de almoxarifado da A.Yoshii em Curitiba, Junior André Dias, estava há seis meses desempregado e a construção civil abriu as portas para a recolocação profissional. Ele faz parte dos mais de 100 funcionários que foram contratados pela empresa na capital paranaense. “Fui demitido em março e ser contratado em meio à pandemia é uma sensação de alívio. Estou feliz da vida e dando o meu melhor. É muito bom fazer parte dos dados de empregados no Brasil”, ressalta.

Tags, , ,

Sinduscon-MG oferece cursos e palestras on-line para profissionais da construção civil em outubro

Estão abertas as inscrições para as novas turmas de cursos on-line oferecidos pelo Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado de Minas Gerais (Sinduscon-MG). Para ampliar a qualificação, a grade de treinamentos também inclui palestras virtuais gratuitas com temas de interesse do setor. As inscrições para as aulas, que serão realizadas ao vivo por meio de plataformas digitais, devem ser feitas pelo site do Sinduscon-MG. Para mais informações, os interessados podem entrar em contato com o Centro de Treinamento da entidade pelo telefone (31) 3253-2662 ou e-mail ctreina@sinduscon-mg.org.br

A entidade promove, de 6 a 8 de outubro, o curso “Avaliação e perícia imobiliária”, ministrado pelo corretor, avaliador e perito forense imobiliário Gilberto Britto, vai capacitar os participantes para o entendimento do mercado e a influência na formação do valor dos imóveis. As aulas serão realizadas das 18h30 às 21h30 e custam R$ 250 para associados, R$ 312 para sindicalizados e R$ 390 para não associados.

A palestra gratuita “Lei geral de proteção de dados (LGPD)”, com os advogados Mariana Krollmann Fogli, certificada em proteção de dados pelo Centro de Pesquisa em Direito, Tecnologia e Inovação (DTIBR), e Gabriel Siqueira Eliazar de Carvalho, mestre em Direito Comercial pela UFMG, será ministrada no dia 14 de outubro às 17h. O assunto também será tema do curso “Compliance trabalhista e os efeitos da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) nas relações de trabalho”, ministrado pelo advogado Rodrigo Dolabela nos dias 15 e 16 de outubro. As aulas, realizadas das 14h30 às 17h30, custam R$ 120 para associados. Sindicalizados pagam R$ 150 e não associados, R$ 190.

No dia 16 de outubro, das 8h30 às 12h30, o consultor jurídico Evarley dos Santos Pereira vai ministrar o curso “Formas associativas da atividade imobiliária”. O treinamento tem como objetivo apresentar estratégias de investimento para a realização de um empreendimento imobiliário, mensurando os pontos positivos e negativos, bem o formato de legislativo e obrigações acessórias federais que cercam essa forma associativa. O valor do curso para associados é de R$ 160; sindicalizados pagam R$ 200 e não associados, R$ 250.

Na semana seguinte, será oferecido o curso “Interpretação das normas ISO 9001:2015 e SIAC PBQP-H:2018”, entre os dias 19 e 21 de outubro, das 8h30 às 12h30. O valor do curso para associados é de R$ 240; sindicalizados pagam R$ 300 e não associados, R$ 375. Entre os dias 19 e 23 de outubro, das 18h30 às 21h30, a entidade promove a segunda turma do curso “Gestão em reformas: atendendo as exigências da NBR 16.280 – reformas em edificações”, ministrado pelo engenheira civil Ana Carolina Ursini Muniz. O investimento é de R$ 280 para associados; sindicalizados pagam R$ 350 e não associados, R$ 440. No dia 21 de outubro, das 17h às 18h30, será realizada a palestra gratuita “Reequilíbrio econômico-financeiro de contratos”, com a advogada especialista direito administrativo Raquel Andrade Chaves.

A capacitação “Cobrança e inadimplência”, nos dias 22 e 23 de outubro, das 9h às 12h, será conduzida pelo advogado especializado em direito imobiliário Alan Moisés Gaspar. O valor do curso para associados é de R$ 192. Sindicalizados pagam R$ 240 e não associados, R$ 300. Na mesma data, das 14h30 às 18h30, será a vez do curso “Contabilidade para empresário do setor da construção”. No treinamento, o consultor jurídico Evarley dos Santos Pereira vai abordar, por meio de uma análise das contas contábeis e patrimoniais e dos documentos suporte, a tomada de decisões na empresa utilizando a contabilidade como instrumento gerencial. As aulas custam R$ 270 para associados, R$ 340 para sindicalizados e R$ 425 para não associados.

Para fechar a programação, nos dias 26 a 29 de outubro, das 18h30 às 21h30, a entidade promove a quarta turma do curso “Orientações para entrega do empreendimento e gestão do relacionamento com o cliente” será conduzido pelo engenheiro civil Roberto Matozinhos, pela advogada Agnes Castro, pela especialista em negócios imobiliários e marketing Juliana Nardy e pela arquiteta e urbanista Marina Moreira de Azevedo. O treinamento vai abordar toda a jornada de relacionamento com o cliente, desde a interpretação e direcionamentos legais até elaboração do manual do proprietário. As aulas custam R$ 250 para associados, R$ 312 para sindicalizados e R$ 390 para não associados.

Tags, ,

INCC-M sobe 1,15% em setembro

O Índice Nacional de Custo da Construção – M (INCC-M)  subiu 1,15% em setembro, percentual superior ao apurado no mês anterior, quando o índice registrou taxa de 0,82%. Com este resultado, o índice acumula alta de 4,57% no ano e de 5,01% em 12 meses. A taxa do índice relativo a Materiais, Equipamentos e Serviços passou de 1,18% em agosto para 2,40% em setembro. O índice referente à Mão de Obra variou de 0,52% em agosto para 0,06% em setembro.

Materiais, Equipamentos e Serviços

No grupo Materiais, Equipamentos e Serviços, a taxa correspondente a Materiais e Equipamentos subiu 2,97%, contra 1,43% no mês anterior. Todos os subgrupos componentes apresentaram acréscimo em suas taxas de variação, destacando-se materiais para estrutura (1,78% para 2,96%) e materiais para instalação (2,25% para 5,59%).

A variação relativa a Serviços passou de 0,20% em agosto para 0,13% em setembro. Neste grupo, vale destacar o recuo da taxa do item projetos, que passou de 0,52% para 0,14%.

Mão de obra

O índice referente à Mão de Obra variou 0,06% em setembro. No mês anterior, este índice subira 0,52%. 

Capitais

Seis capitais apresentaram aceleração em suas taxas de variação: Salvador, Brasília, Belo Horizonte, Recife, Porto Alegre e São Paulo. Em contrapartida Rio de Janeiro apresentou decréscimo em sua taxa de variação.

Tags, , ,

Sienge Plataforma cria ecossistema tecnológico para transformar a produtividade na indústria da construção

O modelo de plataforma de negócios é um conceito que vem ganhando espaço no mercado de maneira muito rápida e tem transformado as relações comerciais entre empresas e consumidores. Estudo da McKinsey sobre criação de ecossistemas digitais indica que “a economia das redes integradas pode representar um pool de receitas mundial de US$ 60 trilhões em 2025, com possível aumento da participação total na economia dos cerca de 1% a 2% de hoje para aproximadamente 30% em 2025”.

Dentro do mercado B2C, a disrupção veio por meio de empresas como Uber e Airbnb. No mercado B2B, a criação de plataformas é uma tendência, mas a oferta de soluções ainda é escassa.

Neste cenário, o Sienge desponta como a iniciativa pioneira na indústria da construção brasileira, fato totalmente aderente, por exemplo, ao estudo global “Transformação Digital: O Futuro da Construção Conectada”, da consultoria IDC, que revelou que 72% das companhias do setor da construção civil acreditam que a transformação digital é uma prioridade, mas ainda com muitos desafios para se digitalizarem completamente.

Nascido como ERP em 1990, o Sienge, conta com mais de 3 mil clientes em todo o País e se tornou líder em tecnologia de gestão para a construção civil. Há dois anos, a empresa catarinense reformulou a maneira de atuar para assumir o protagonismo na criação de um ecossistema de soluções tecnológicas para a indústria da construção. Com uma infraestrutura robusta e conforme as melhores práticas de governança e compliance, o Sienge Plataforma permite às construtoras e incorporadoras personalizar a gama de soluções tecnológicas com as quais preferem contar. Dessa maneira, o Sienge Plataforma se posiciona como um sistema que integra soluções desenvolvidas por empresas terceiras e organiza o acesso ao banco de dados.

“O Sienge deixa de ser o fornecedor exclusivo de soluções e se torna a espinha dorsal tecnológica que permite a cada cliente desenvolver uma solução personalizada, sem risco à base de dados”, explica Fabrício Schveitzer, diretor de Operações do Sienge.

Para Schveitzer a transposição do conceito de plataformas para as relações B2B foi a grande inovação por parte do Sienge. “Nosso principal desafio foi integrar as tecnologias necessárias para criar uma plataforma e os aspectos de segurança que envolvem o provisionamento aos usuários”, afirma.

Além de a empresa ter extrapolado a atuação como ERP para se tornar uma plataforma que integra soluções, o Sienge passou a atender o mercado a partir de jornadas de negócio, com foco nas áreas de crédito imobiliário, financeira, aquisição, construção e estoque, vendas/pós-vendas e compliance.

Como funciona

Plataformas são caracterizadas pela formação de um ecossistema digital, uma estrutura que compreende três tipos de players:

1. Proprietário da plataforma, que controla a governança e propriedade intelectual;
2. Fornecedores de soluções, que fazem a interface entre plataforma e usuário e que criam novas ferramentas e produtos;
3. Consumidores, que adquirem produtos e serviços.

Assim, as funções que o Sienge, enquanto ERP, exercia continuam no Sienge Plataforma e constituem sua estrutura central. Entretanto, o sistema proporciona uma nova dinâmica para os clientes, pois permite a conexão com fornecedores externos de tecnologia.

Um desses fornecedores é a ferramenta de CRM Construtor de Vendas. A solução permite às incorporadoras gerenciar toda a jornada de vendas, desde a prospecção de clientes até a conclusão da venda. Como está totalmente integrada ao Sienge Plataforma, quando a venda é efetivada e o contrato entra no sistema, o Sienge inicia a geração dos recebíveis e controles financeiros. A integração proporciona confiabilidade às informações financeiras e à gestão de estoque dos empreendimentos.

As integrações ocorrem nas mais diferentes frentes, como no controle de obra. Por meio do Agilean, outro sistema integrado, o Sienge Plataforma acompanha todo o processo de planejamento e execução, alimentando o módulo de engenharia e trazendo grandes ganhos em produtividade. “As integrações homologadas proporcionam agilidade e confiabilidade às informações. Tudo isso ocorre num único ambiente tecnológico”, explica Guilherme Brasil, CTO do Sienge.

Tecnologia em função do modelo de negócios

De acordo com Schveitzer, a transformação do ERP em Sienge Plataforma só foi possível porque, além das mudanças tecnológicas, a visão mudou de produto para ecossistema. “Isso significa olhar a atividade da construção sob a perspectiva das grandes jornadas de negócio. Uma missão que só um especialista neste mercado consegue executar. Para isso acontecer na prática é necessário olhar para um processo de compras, por exemplo, e considerar as influências que ele sofre e exerce nas áreas financeira, de suprimentos, dentre outras. Mais do que isso, demanda entender e aceitar que nem sempre será o ERP a única tecnologia a endereçar soluções”, informa.

De qualquer maneira, conforme pontua a McKinsey no estudo sobre ecossistemas digitais, o sucesso de uma plataforma está relacionado à expansão do negócio principal, à criação de novos produtos e serviços e, sobretudo, ao desenvolvimento de uma solução ponta a ponta que permita aumentar a eficiência operacional dos clientes. Ou seja, totalmente coincidente com a proposta de valor do Sienge para o mercado de construção.

Para garantir a confiabilidade das informações, o compliance e a governança, é fundamental permear todas essas camadas. É necessário também extenso domínio dos processos para chegar à curadoria das melhores soluções disponíveis no mercado. “Nasce aí a visão de jornada, em que o Sienge extrapola a atuação como ERP para se tornar uma plataforma especialista líder de Construção Civil que integra soluções, sejam elas próprias ou desenvolvidas por terceiros”, comenta.

Validação internacional

Outro diferencial da plataforma é que ela contará com a validação e desenvolvimento do modelo de negócios do processo de seleção de abrangência mundial do IBD Berkeley Hass, que está entre os cinco melhores MBAs Executivos do planeta. “Isso significa que os alunos em fase de conclusão de curso – profissionais de altíssimo nível das maiores empresas do mundo – estão fazendo uma imersão no universo das plataformas B2B por todo o planeta e conhecendo o ambiente da construção civil no Brasil, tendo o Sienge como interlocutor, para entender e contribuir com o nosso processo de desenvolvimento do modelo de negócios. Somos uma das cinco empresas brasileiras que conseguiram participar do programa até hoje”, pontua Guilherme Quandt, gerente de Gestão Estratégica e de Mercado do Sienge.

Esta é uma validação importante, pois, conforme o estudo “Como as empresas criam valor a partir de ecossistemas digitais?”, um ecossistema é complexo especialmente no que diz respeito à definição da abordagem adequada para captar o máximo de valor possível. E o Sienge Plataforma segue a cartilha recomendada pela consultoria para determinar “sua estratégia de ecossistema avaliando características e tendências do mercado, bem como sua “adequação” a ecossistemas específicos”.

Investimentos e resultados

Mesmo com os consecutivos anos de sofrimento econômico da indústria da construção, a empresa fechou 2019 com um crescimento de cerca de 15% em relação a 2018. Ao longo de 2019 mais de 500 empresas se tornaram clientes do Sienge, incremento de mais de 10% em sua base. Para 2020, a empresa entra em um novo ciclo estratégico, que trabalhará na visão 2020-2024, projetando assim, mais do que dobrar de tamanho. Para tanto, a empresa irá iniciar um ciclo de investimentos de mais de R$ 50 milhões em sua estrutura e operações.

Com presença nacional, o Sienge tem entre os seus principais clientes as construtoras Vitacon, Cury Construtora, Pacaembu Constutora, Lock Engenharia, Dimas Construções, FG Empreendimentos, Prestes Construtora e Incorporadora, entre outros.

Tags, ,

Momento de mais produtividade e menos gastos na construção civil

A construção civil é considerada uma atividade essencial e, mesmo em meio à pandemia, esteve ativa, apesar da redução das atividades. Com a retomada dos trabalhos mais intensos no segundo semestre do ano, as perspectivas são para uma recuperação positiva do mercado, já que as vendas de imóveis estão aquecidas, tendo também maior procura para reformas residenciais. “Nesta retomada, as empresas do segmento estão buscando equipamentos com maior flexibilidade e economia, pois o momento pede mais produtividade com menos gastos”, explica Drauzio Menezes, diretor da Hercules Motores Elétricos (empresa especializada em motores para diversos segmentos, como construção civil, alimentício, agrícola, industrial, entre outros).

Segundo ele, o setor construtivo utiliza equipamentos com motores elétricos desenvolvidos especificamente para diferentes aplicações, sendo os mais comuns: os balancins mecânicos; guinchos de coluna; minigrua para elevação dos materiais; betoneiras; peneiras; motovibrador para concreto e compactadores de solo. “Esses motores especiais podem variar de acordo com a aplicação, os mais comuns são com grau de proteção IP21 – IP 44 e IP55”, detalha.

Na construção civil, normalmente o trabalho é bruto e os motores dos equipamentos utilizados estão sempre em contato com ambientes agressivos, que contêm muita poeira e umidade, podendo estar sujeitos às oscilações de energia nos locais das obras. “Por causa disso, muitos optam pelos motores Hercules, pois são desenvolvidos de acordo com a aplicação, envolvendo assim o grau de proteção e a tensão ideal, evitando o risco de ficarem na mão, durante o andamento da obra”, explica Menezes.

Ele explica que um dos grandes diferenciais é a flexibilidade na forma construtiva desses motores, com possibilidade da caixa de ligação girar de 90 em 90 graus: “Eles possuem a linha de motofreio completa — com alavanca de alívio e também chapéus — facilitando aplicações de balancim e gruas de elevação; tendo também a linha completa de flanges padrões, monofásica e com click rural, sendo preparado para oscilações de energia, que podem variar de 110 – 127 / 220 – 254 V; além disso, possuem todas as peças de reposições disponíveis para compra; e pertence a uma empresa 100% nacional, que fornece 24 meses de garantia.

Menezes explica que os motores da linha padrão IP 55 monofásicos e trifásicos da Hercules são de carcaça de alumínio, por isso mais resistentes a ambientes agressivos, como os da área de construção civil, que trabalham com cimento, cal e possuem alta umidade. Todas essas linhas de motores são trifásicas e estão dentro do índice de rendimento mínimo exigido pelo Brasil, que é o IR3, fundamental para a economia de energia.


Para maior durabilidade do motor nesta área, ele recomenda a manutenção preventiva no equipamento, como a troca de rolamentos e também a avaliação da temperatura ambiente onde o equipamento será instalado. Lembrando que a ventilação do motor nunca deve ser obstruída, pois poderá causar danos ao motor e ao equipamento.

Tags, , ,

Toda crise traz oportunidades. Para a construção civil também

Por Sandro Sadao Nagata

De forma gradual, a pandemia trouxe três realidades que impactaram a grande maioria dos segmentos: a preocupação extra e necessária com a saúde pública, a redução da demanda de compra e a paralisação das atividades. O impacto econômico e social da Covid-19 atinge também a construção civil, por mais que o setor tenha sido classificado como serviço essencial em algumas cidades brasileiras. 

Em um período usual, a construção de um empreendimento depende de colaboradores, desde os engenheiros e arquitetos que projetam e supervisionam o andamento da obra, até pedreiros, eletricistas, carpinteiros, encanadores e outros profissionais que colocam a mão na massa. Depende ainda de fornecedores, que precisam cumprir os prazos estabelecidos com os materiais corretos, na quantidade solicitada. A junção de todas as etapas segue um cronograma planejado minuciosamente, para atender às expectativas dos clientes quanto ao prazo, a qualidade e a segurança do empreendimento.

Neste momento atípico, a pandemia exige uma adaptação rápida e eficaz do cronograma, do plano de trabalho e das estratégias, para manter o compromisso assinado com o cliente e a perenidade da marca. Na maioria das construtoras, o quadro de colaboradores e as atividades do dia a dia tiveram que ser reorganizadas, seguindo as determinações dos órgãos da saúde. Muitos trabalhadores, peças fundamentais dos projetos, deverão permanecer em casa por mais um tempo ainda para amenizar os riscos. Em relação aos suprimentos, estamos trabalhando em acordos comerciais que visem melhorar cada vez mais a gestão do caixa e a eficiência operacional. É preciso avaliar a redução de custos de acordo com a produtividade, minimizando desperdícios e otimizando os produtos.

Na área da engenharia, por exemplo, é possível trabalhar com uma gestão integrada, utilizando o recurso do Building Information Modeling (BIM), ou modelagem de dados de construção. A tecnologia permite integrar todas as áreas envolvidas no projeto em uma única plataforma, que reúne informações relativas às etapas produtivas, em um modelo tridimensional. Assim é possível melhorar o orçamento, planejamento e diminuir as incompatibilidades entre os projetos, com o intuito de reduzir as assistências técnicas e, assim, aumentar a satisfação do cliente. 

A gestão ágil faz com que seja possível decidir e aplicar uma estratégia rapidamente. Com a ajuda da tecnologia adequada, a reorganização do projeto devido à uma pandemia torna-se um desafio viável e possível de alcançar. Outro ponto importante é o comprometimento e a dedicação em todos os níveis do processo, para assegurar um resultado final positivo, o que só é possível quando este cultura já está inserida na empresa. E isso faz toda a diferença em um momento de crise. 

O compromisso com o cliente deve seguir preservado, para seguir com a construção de planos, metas e sonhos. Em qualquer negócio é preciso saber frear, para acelerar novamente em momentos oportunos. A prioridade agora é se preparar para a retomada. Como em outras crises, essa também vai passar, trazendo muitas oportunidades.

Sandro Sadao Nagata, diretor executivo da A.Yoshii Engenharia

Tags, , ,

Rodada de negócios, em Curitiba, indica aquecimento na construção civil

O Sebrae/PR recebeu 143 empresas – entre fornecedores, prestadores de serviços e até grandes indústrias, para mais uma rodada de negócios voltados à construção civil, uma das atividades que mais sentiu o peso da recessão econômica nos últimos anos. O número de participantes representa um aumento de 15% em relação ao encontro do ano passado, o que indica que o setor tem pavimentado o caminho para uma retomada.

“As grandes empresas trouxeram tabelas de preços diferenciadas, o que é uma grande vantagem. O setor sofreu com a crise e quem está conseguindo os maiores acessos são aqueles que têm produtos inovadores, de alta performance, com sustentabilidade e preço competitivo”, avalia a consultora do Sebrae/PR, Adriana Kalinowski. A rodada foi realizada nos dias 18 e 19 de junho, em Curitiba, em parceria com a Fecomércio PR e a Associação dos Comerciantes de Material de Construção de Curitiba, região metropolitana e litoral (Acomac – Grande Curitiba).

E se é nos momentos de crise que o bom negociador aparece, Jair Bersagui, gerente comercial da Tintas Alessi, de Mandirituba (PR), estava decidido a voltar não só com a carteira recheada de cartões, mas com negócios fechados. Após mais de 30 reuniões, ele conta que o resultado da fábrica deve superar em até 30% o do ano passado.

“Oferecemos descontos adicionais, entre 5% e 10% além do que já temos feito, e trouxemos a proposta de dar uma bicicleta a cada R$ 7.500 em compras. Com esses prêmios, o lojista pode fazer a divulgação, o que é muito bem aceito. E é importante que esses preços sejam feitos somente aqui, para que as lojas aproveitem e consigam recuperar um pouco suas margens. Quem não veio, perdeu”, comenta.

O empresário Ademilson Milani, da Milani Materiais de Construção, de Curitiba. fechou negócio em 80% das reuniões agendadas na rodada – e o aproveitamento ainda pode melhorar. “Em alguns estandes marcamos para analisar e confrontar as ofertas com outros fornecedores. Isso é importante, principalmente, para o pequeno comerciante, que ganha mais fôlego para fazer pedidos maiores. Conseguimos até 10% de desconto em algumas indústrias e mais prazo para pagamento, em outras”, comeplementa.

O coordenador de vendas da Votorantim no Paraná, Pedro Chagas, acrescenta que, além de condições mais atrativas, o fator inovação pesa no momento de fidelizar a clientela. “Voltamos com o cimento de 25kg, que facilita o manuseio e traz menos desperdício. Focamos mais agressivamente nos produtos novos, para alavancar os lançamentos no mercado. É importante participar pelo ganho total da cadeia, não só em relação a negócios, mas em relacionamento com os clientes. Nosso objetivo era esse e fomos muito felizes”, opina.

A inovação, aliás, foi um dos destaques da rodada em 2019.  Foi a primeira vez que as construtechs – startups especializadas em construção civil – participaram das negociações, desde que o evento foi lançado há cinco anos.

Para Ronaldo de Oliveira Júnior, engenheiro da Rewatt, de Minas Gerais, os dois dias foram uma vitrine que superou a expectativa. Os mineiros desenvolveram uma solução capaz de reduzir tanto o consumo de água quanto de eletricidade nos chuveiros, com um sistema que reaproveita o calor da água que iria pelo ralo para aquecer o banho. A tecnologia foi criada há dez anos, mas estava concentrada em projetos sociais de concessionárias de energia. A meta agora é expandir. “Queremos atingir o consumidor final e saímos com bons contatos. Em grandes companhias, para conseguir uns 20 minutos de conversa com um gerente comercial ou diretor, é muito difícil. Aqui, eles estavam ao nosso lado. Facilitou muito o contato e viabilizou parcerias e negócios”, afirma.

Fonte: Sebrae/PR

Tags, ,

Secovi-SP sedia 1º Fórum de Projetos para Incorporação e Construção

Durante o evento, que acontece dia 24/4, serão lançados os Manuais de Escopo- terceira edição. Inscrições abertas para participação presencial e também on-line para todo o Brasil

O Secovi-SP realiza no dia 24/4, das 8 às 13 horas, o 1º Fórum de Projetos para Incorporação e Construção. A iniciativa, da vice-presidência de Tecnologia e Sustentabilidade da entidade, tem o propósito de difundir informações e promover debate sobre o aprimoramento dos processos na elaboração de projetos de produtos imobiliários. Os interessados podem se inscrever para o evento, que acontecerá presencialmente na sede da entidade e também por transmissão simultânea para todo o Brasil.

Logo na abertura haverá o lançamento da terceira edição dos Manuais de Escopo de Contratação de Projetos e Serviços, trabalho coordenado pelo Secovi-SP há quase 20 anos. Os documentos foram atualizados para atender a Norma de Desempenho (ABNT NBR 15.575:2013) a partir da inclusão do capítulo Escopos para Atendimento à Norma de Desempenho, e também outras duas novidades: o Guia para utilização dos Escopos e Modelos de Memoriais Descritivos de projeto de edificações habitacionais para atendimento à referida norma. Os manuais estarão disponíveis no site www.manuaisdeescopo.com.br.

Nos últimos cinco anos, o site dos Manuais de Escopo tiveram 432 mil acessos, a emissão de 101,5 mil propostas e 55,5 mil consultas aos manuais, sendo que os campeões de acesso são os manuais de Arquitetura (33,8%), Elétrica (11,3%), Coordenação de Projetos (8,2%), Acústica (8%) e Estruturas (6,8%).

Um dos principais propósitos do trabalho coordenado pelo Secovi-SP com os Manuais de Escopo é a difusão do conhecimento junto aos profissionais com o intuito de elevar a qualidade dos projetos imobiliários, o que vem sendo alcançado. Afinal, profissionais de todos os estados brasileiros estão cadastrados na plataforma para acessar os documentos. No ranking, São Paulo (6.874), Minas Gerais (1.708) e Rio de Janeiro (1.654) são os estados com mais registros até março deste ano.

Programação do Fórum

A programação está dividida em cinco painéis com palestrantes experientes na temática de projetos imobiliários:

• Lançamento dos escopos de projetos e modelos de memoriais descritivos para atendimento à Norma de Desempenho, com Marcos Velletri (Secovi-SP) e Maria Angelica Covelo Silva (NGI Consultoria e Desenvolvimento);


• Necessidades de mudanças de práticas de mercado para contratação e desenvolvimento de projeto para a efetiva prática destes escopos, com Paulo Luciano Rewald (Secovi-SP) e Jorge Batlouni Neto (SindusCon-SP);


• O papel do projeto no desempenho de sistemas construtivos, com Maria Angelica Covelo Silva (NGI Consultoria e Desenvolvimento) e Constantino Bueno Frollini (Cerâmica City);


• Visão geral do processo de revisão da Norma de Desempenho e como o aperfeiçoamento a ser obtido afetará os projetos, com Fábio Villas Bôas (coordenador da Comissão de Estudos de Revisão da ABNT NBR 15575);


• A relação entre desempenho proporcionado pelo projeto, redução de custos para o incorporador/construtor e valor agregado pelos projetos à venda no mercado imobiliário, com Carlos Borges (Secovi-SP), Renato Genioli Júnior (SindusCon-SP), Augusto Pedreira de Freitas (ABECE), Sergio Kater (ABRASIP) e Edison Borges Lopes (AsBEA).

Formam o público-alvo do evento diretores, gerentes e coordenadores responsáveis pelo desenvolvimento de produto e projetos em incorporadoras e construtoras, titulares, coordenadores e profissionais de empresas de projeto, fabricantes de componentes e sistemas construtivos diretamente relacionados com o atendimento da Norma de Desempenho.

1º Fórum de projetos para incorporação e construção


Data: 24 de abril de 2019 (quarta-feira).
Horário: às 8h00 (credenciamento) e das 8h30 às 13 horas.
Local: Sede do Secovi-SP – Rua Dr. Bacelar, 1.043 – 2º andar – São Paulo/SP.
Informações e inscrições: (11) 5591-1306 ou pelo site.
Programa completo: clique aqui.
PQE: o evento conta 70 pontos no PQE (Programa Qualificação Essencial), do Secovi-SP.

Tags, , ,