Startup brasileira traz novo modelo que resolve as dores de quem quer comprar um imóvel

Startup brasileira traz novo modelo que resolve as dores de quem quer comprar um imóvel

Quem já comprou um imóvel sabe o quanto esse processo pode ser doloroso. Dias, meses, até anos em uma jornada, muitas vezes frustrante, na busca pelo imóvel ideal. É comum ouvir de quem já passou por isso, como faltam informação e transparência para simplificar e agilizar o processo.

Atentos a isso, dois executivos do mercado imobiliário, Eduardo Tinari (ex-VP Comercial do Grupo Zap) e Alessandro Silva (ex-VP de Marketing do Grupo Zap), reuniram suas experiências de mais de 10 anos de atuação em portais imobiliários para criar a empresa keyfast, somando com o que existe de melhor na tecnologia mundial com foco na qualificação de leads (contatos de interessados).

“Somos a primeira plataforma de geração e qualificação de leads para o mercado imobiliário, comprometida em conectar o comprador certo, ao anunciante certo, no momento certo, acelerando a liquidez do mercado e maximizando a satisfação dos participantes da cadeia de valor”, afirma Alessandro, que na nova empresa acumula as funções de Produtos e Marketing. “Fazemos isso usando as ferramentas mais avançadas de inteligência artificial e machine learning disponíveis”, acrescenta.

A empresa atua como um concierge, que acompanha o potencial comprador em todas as etapas da jornada, garantindo que a transação aconteça. Para isso, a empresa busca entender em profundidade a necessidade do comprador, a traz em um modelo de marketplace as soluções necessárias, inclusive de crédito imobiliário, para que negócio se concretize.

A atuação primária da keyfast será junto aos corretores e imobiliárias, apoiando-os no relacionamento junto aos compradores. “Além de muita tecnologia, trazemos um modelo comercial baseado 100% no sucesso. Ou seja, apenas quando a transação de compra e venda se concretiza é que toda a cadeia de valor é remunerada”, diz Tinari, que é responsável pelos times comercial e de operações da empresa. “Os corretores, as imobiliárias, todos os agentes do mercado estão acostumados a pagar para anunciar os imóveis de suas carteiras, sem ter certeza de que conseguirão fechar negócio. Esse modelo precisa ser revisto. Nós quebramos essa lógica. A keyfast só ganha dinheiro, quando a transação acontecer. Por isso, nosso foco é na liquidez do mercado.”, complementa.

Diferente do modelo dos portais imobiliários tradicionais, que fazem arbitragem de mídia, a keyfast tem um modelo focado no sucesso da transação. “Os portais são um negócio de mídia tradicional. A keyfasté um negócio de tecnologia imobiliária fundamentado em dados e inteligência tanto do potencial comprador como dos imóveis no mercado, promovendo o match perfeito entre eles.”, diz Alessandro Silva.

A nova empresa tem como sócio a keycash, de Paulo Humberg, um dos pioneiros da internet no Brasil, que participou da criação de empresas como Shoptime, iBest e Brandsclub. Humberg, que hoje está à frente da keycash, vê uma grande sinergia entre os dois negócios. “Na keycash compramos e vendemos apartamentos usados com suporte de algorítimos que encurtam etapas. Nosso sucesso depende de acertar na escolha dos imóveis que compramos, e na velocidade com que revendemos. A keyfast, através de sua rede de parcerias e dos seus algoritmos, agilizam esse processo, em total sinergia com a keycash“, diz Humberg.

No primeiro ano de operação os sócios farão investimentos de US$ 10 milhões. O maior aporte será desembolsado pela sócia majoritária, a Keycash.

O foco do novo negócio agora é na construção das parcerias com os agentes do mercado imobiliários para construir a plataforma de negócios, e as conversas já estão avançadas com as principais redes de imobiliárias, CRM’s imobiliários, portais e bancos. A visão dos sócios é de que em um prazo de 3 meses, as primeiras transações estejam acontecendo.

“Em qualquer economia do mundo, o mercado imobiliário é importante, e no Brasil não é diferente. Aqui esse é um mercado de R$ 600 bilhões/ano. Planejamos com a keycash e keyfast ser parte significativa desse mercado”, finaliza Humberg.

Comments are closed