Pandemia acelerou transformação digital do mercado imobiliário, afirmam líderes do setor

Pandemia acelerou transformação digital do mercado imobiliário, afirmam líderes do setor

Na última quarta-feira, 9 de setembro, foi realizada a segunda edição do Real Estate World Connection (REWC). O evento, online, teve como tema central um assunto que interessa a todos do mercado imobiliário – e fora dele: as estratégias de quem quebrou recordes de vendas durante a Covid-19.

A RE/MAX, organizadora do REWC, tem uma posição privilegiada para discutir a questão. Além de ter colecionado bons resultados no período, e mesmo superado números pré-pandemia, é a empresa que mais vende imóveis no mundo – média de uma unidade a cada 30 segundos. Possui, ademais, 8 mil agências e 130 mil agentes, espalhados por todos os continentes.

Até por conta dessa capilaridade, o debate reuniu líderes da empresa de sete países diferentes: Brasil, Estados Unidos, México, Mongólia, França, Egito e Emirados Árabes. E o público, que assistiu ao REWC por YouTube e Zoom, foi ainda mais diverso: 12 mil pessoas de 45 nações.

Para Mike Reagan, vice-presidente de relações com a indústria da RE/MAX, a dimensão do evento traduz um sonho antigo da companhia que sempre quis ser global. “Diziam que não daria certo fora dos Estados Unidos. E hoje estamos em 110 países”, afirmou. “E mesmo agora, frente a essa crise, vemos a diferença que faz ter uma comunidade internacional, com tanta gente e tantas ideias. O mercado imobiliário é fundamental para a economia, e nunca para”.

Essa comunidade, por exemplo, ajudou a RE/MAX França a se antecipar a possíveis percalços, com a valiosa ajuda da RE/MAX Itália, atingida pela pandemia poucas semanas antes. Como consequência, até houve queda, mas junho e julho foram os melhores meses de sua história.

No Brasil, da mesma forma, o resultado também foi expressivo. “Batemos três recordes sucessivos de faturamento em junho, julho e agosto. Nossos números deste ano já alcançaram o do ano passado inteiro”, disse Peixoto Accyoli, presidente e CEO da RE/MAX para o País.

O segredo: capital humano e tecnologia

Sergio Felgueres JR., COO da RE/MAX México, sublinhou a importância da tecnologia para superar os desafios impostos pelo distanciamento social, porém, ao mesmo tempo, alertou que ela é só um meio, que alavanca o desempenho de uma boa equipe. “O microfone é a tecnologia, mas quem canta é você”, ilustrou.

Segundo ele, os novos tempos mostraram que é possível apresentar 20 imóveis a um cliente em um só dia, utilizando vídeos, imagens 360º e tours virtuais. Após selecionar um ou outro, a visita é feita e, finalmente, a compra é fechada. “Adquirir um imóvel é como comprar um vestido de noiva. Há uma emoção envolvida, e as pessoas ainda preferem fazer isso presencialmente e com a ajuda de um profissional”, disse.

Temuulen Ganbold, CEO da RE/MAX Mongólia, vai na mesma linha, mas diz que temos que avançar ainda mais no uso da tecnologia para prospectar e fechar novos negócios. “Realidade virtual e aumentada, contratos digitais e inteligência virtual ganharão força no mercado imobiliário. Na minha concepção, nada será como antes e devemos ser agressivos na forma como adotamos novas tendências”, disse.

O REWC, que contou ainda com a participação de Donatien Dumontier, CEO da RE/MAX França, e Khaled Nasser, CEO para Egito e Emirados Árabes, pode ser assistido na íntegra, e com tradução simultânea, neste link.

Comments are closed