Category Archive casa própria

Vai comprar seu primeiro imóvel? Confira essas dicas!

A compra do primeiro imóvel é um sonho para milhares de pessoas, mas que pode se tornar um pesadelo se não houver planejamento e cuidado na hora da escolha. Pensando nisso a Tarjab, incorporadora com mais de 37 anos de atuação no setor, elaborou uma série de dicas para quem pretende comprar seu primeiro apartamento. Confira abaixo as orientações elaboradas pela equipe de vendas e marketing da Tarjab.

Longo prazo

As vezes batemos o olho em um lançamento e acreditamos que seja ideal para morarmos, mas é preciso ter uma visão mais ampla. Primeiramente, foque no que você procura e precisa como bairro/localização, metragem, valor por m², lazer, serviços próximos, áreas comuns, disposição de plantas por exemplo. Não deixe de visitar o local onde o empreendimento será construído e seu entorno. Lembre-se, um imóvel na planta é um investimento de longo prazo.

Credibilidade

A credibilidade da incorporadora do empreendimento é fundamental para entender se a empresa tem um bom histórico de entregas e se não tem muitas reclamações. Importante ainda olhar, seja nas redes sociais da empresa ou sites como Reclame Aqui, se as reclamações são atendidas e em que velocidade, além de comparar o volume de reclamações com o tamanho da empresa. Uma incorporadora pode parecer ter poucas reclamações, mas se ela tiver poucos projetos essas reclamações podem ser muitas na verdade.

Corretor de confiança

Não deixe de contatar um especialista do setor imobiliário, vale destacar também que a maioria das incorporadoras tem equipes de vendas próprias que podem ser ótimas fontes de consulta e atendimento.

Grande parte das incorporadoras contam com ficha de preenchimento da visita, na qual é possível fazer a avaliação do corretor. Preencher avaliando de forma isenta a qualidade do atendimento do corretor é uma forma de melhorar o processo de formação e capacitação dos profissionais de vendas. O atendimento digital também oferece a escolha de avaliação (de sua nota de 0 a 5). Por isso, escolha o corretor de sua confiança e nunca deixe de aciona-lo para qualquer dúvida que possa surgir.

Burocracia

Geralmente não nos atentamos muito para parte burocrática ao comprar nosso primeiro imóvel, por isso não deixe de conferir toda a documentação a ser assinada (contrato, memorial descritivo, proposta), bem como os documentos de registro do imóvel, se estão em dia com os registros no cartório (registro de incorporação) garantido que o imóvel pode ser comercializado.

Leia com atenção todos os pontos do contrato e se necessário peça assessoria jurídica de um advogado com conhecimentos de mercado imobiliário, eliminar todas as dúvidas ao assinar o contrato garante uma compra segura e prazerosa, já que para muitas pessoas essa aquisição é um sonho se realizando. Lembre-se, o cuidado e atenção nesse momento evitam frustrações geradas pela falta de entendimento ou alinhamento correto na hora da assinatura.

Orçamento

Fique atento se o imóvel cabe, de fato, no seu bolso. Se for fazer financiamento é importante também ter a ressalva de que a data de entrega do empreendimento, pode ser estendida por até seis meses, geralmente os contratos contam com uma clausula que permite prolongar esse prazo. Portanto, nos casos de financiamento, você pode levar de 1 a 6 meses para pegar as chaves, considere esse tempo em seu orçamento e cronograma.

Outra dica valiosa é conhecer as características do produto, ler o memorial descritivo, estudar e entender as vocações do produto, além de visitar os apartamentos decorados. Vale destacar que no momento atual de pandemia há projetos sem apartamento decorado físico e sim virtual. Portanto procure conhecer as características do produto em detalhes, seja em tour virtual de 360 Graus ou decorados físicos.

Importante também ter uma ideia de quanto foi investido pela incorporadora para deixar o apartamento daquele modo, assim você terá um balizador para a sua reforma e investimento final no imóvel.
Valores de IPTU e condomínio, que são custos mensais, também ajudam a planejar melhor os desencaixes.

Financiamento

Existem várias opções para realizar o pagamento do imóvel, entre elas está o financiamento bancário. Com a redução na taxa de juros, com a Selic em 2% ao ano, uma alternativa para quem quer comprar seu primeiro imóvel é justamente esse tipo de financiamento. Recentemente as instituições bancárias criaram novas modalidades, propondo novos indexadores, proporcionando maior acesso e facilidade na aquisição do primeiro imóvel.

Não deixe de realizar uma ampla pesquisa em diversos bancos que oferecem crédito imobiliário, normalmente é possível realizar uma simulação no próprio site da instituição financeira. Assim é possível calcular o prazo, e os valores da entrada e parcelas.

Visite

Outra dica valiosa é conhecer as características do produto, ler o memorial descritivo, estudar e entender as vocações do produto, além de visitar os apartamentos decorados. Portanto, procure conhecer o produto em detalhes, seja em tour virtual de 360 Graus ou decorados físicos.

Tags, , ,

MRV antecipa Black Friday com vendas digitais de apartamentos

Superada apenas pelo número de vendas do Natal, a Black Friday já se consagrou no calendário do comércio brasileiro. Este ano a expectativa é positiva para o período de promoções, especialmente no setor de vendas digitais, segundo os dados da empresa de análise de dados Ebit Nielsen. De acordo com a companhia, a previsão é que o desempenho do comércio virtual supere as vendas da Black Friday do ano passado, com uma expectativa de crescimento na economia digital de 27% com relação ao ano anterior.

A previsão reflete a mudança de comportamento do consumidor, que precisou se adaptar às compras online, e de empresas que atuam em setores tradicionais como o mercado imobiliário. Exemplo da MRV, empresa referência no setor, que desde o início do ano já oferece uma jornada 100% digital para a realização da compra de um apartamento.

Com isso a MRV já entrou no clima da Black Friday e antecipou suas condições especiais para imóveis em estoque em cerca de 100 cidades onde há atuação da marca. Ao todo, mais de 15 mil unidades terão bônus especiais para pessoas que desejam realizar o sonho da casa própria com descontos exclusivos que variam entre R$ 4 mil e R$ 20 mil, até o dia 23 de novembro.

De acordo com o diretor de Comunicação, Marketing e Novos Negócios da MRV, Rodrigo Resende, a jornada virtual completa para a compra do imóvel é uma exclusividade da companhia no setor, que aliada ao bônus comercial torna o sonho da casa própria ainda mais atraente. “A MRV trouxe para o mercado a plataforma digital mesmo antes da pandemia, tornando a compra do apartamento muito menos burocrática e muito mais confortável. Durante a Black Friday as pessoas que sonham com um novo imóvel podem fazer tudo pelo celular ou computador com descontos imperdíveis”, explicou.

Para conhecer os imóveis disponíveis e os descontos para cada uma das cidades onde há empreendimentos da MRV, acesse o chat disponível no site www.mrv.com.br, pelo perfil da MRV no Facebook, ou entre em contato pelo WhatsApp (31)9900-9000.

Tags, ,

Com fundo de R$ 400 mi, 1º marketplace imobiliário é lançado no Brasil

A plataforma Kenlo inicia suas operações, com uma solução capaz de atender de maneira diferenciada, rápida e totalmente digital imobiliárias, corretores, proprietários e interessados em comprar, alugar ou ter liquidez para investir em outros negócios. A plataforma oferece um novo modelo de negócio inovador para o segmento ao apostar que corretores e imobiliárias, uma rede amplamente disseminada no Brasil e, portanto, com muito conhecimento local, tenham mais opções de atuação, além da compra, venda e locação de imóveis, como seguro, empréstimo e até financiamento, tudo digitalmente.

“Kenlo é um marketplace que oferece uma série de serviços para digitalizar as imobiliárias e corretores, e também traz novas oportunidades de negócios e fontes de renda. Nela, é possível digitalizar, otimizar e desburocratizar processos, permitindo transações ainda mais eficientes entre imobiliárias, corretores e clientes”, explica Mickaël Israël Malka, CEO do Kenlo.

A inteligência de mercado por trás do Kenlo é fruto de uma parceria exclusiva com a inGaia, pioneira na digitalização do mercado imobiliário e líder no segmento, que traz sua expertise tecnológica e, principalmente, de mercado. “Conhecemos a força do corretor, é ele quem realiza os sonhos de milhares de pessoas que estão em busca de um novo lar. Nosso propósito é dar mais ferramentas para que ele foque cada vez mais no relacionamento e tenha uma oferta maior de produtos financeiros, que tornem cada vez mais sonhos em realidade”, acrescenta José Eduardo Andrade Junior, fundador e CEO da inGaia.

Crédito com garantia de imóvel traz liquidez para proprietários

A primeira linha de negócios conectada ao marketplace Kenlo é o crédito com garantia de imóveis, o Home Equity, que conta com um fundo de R﹩ 400 milhões, fruto de parceria com a Jive Investments, uma das maiores empresas de investimentos alternativos do país, com experiência no mercado financeiro e imobiliário. “O Home Equity é uma linha de crédito ainda pouco explorada no Brasil. Hoje, 75% dos proprietários de imóveis não conhecem esse produto financeiro e não sabem que é possível ter dinheiro por meio do seu imóvel. Os brasileiros não sabem que têm, literalmente, dinheiro dormindo em suas casas!”, explica Mickaël.

Taxas de juros e maturidade no Home Equity já são commodities, ferramentas de marketing para atrair clientes, mas que nem sempre são possíveis de serem concretizadas. O que o Kenlo busca é oferecer soluções financeiras adaptadas para os oito milhões de proprietários e compradores dos 42 mil corretores da inGaia. No Kenlo, cada cliente tem uma solução moldada para sua realidade econômica, com o objetivo de atender a todos, incluindo os 61 milhões de brasileiros que começaram o ano de 2020 com alguma dívida ou restrição no CPF.

Já estruturado e com a capacidade de execução de até 500 contratos por mês, o Home Equity oferecido pelo Kenlo conta com uma experiência 100% digital, incluindo o processo de reconhecimento de firma e cartório. “O impacto na economia pela pandemia deixou as pessoas sem acesso a crédito. O principal benefício para o mercado é conectar, no momento certo, com processos 100% digitais, o crédito ao proprietário, trazendo uma liquidez imediata. Tudo isso só é possível por meio do uso de big data, inteligência artificial e com o apoio fundamental das imobiliárias e corretores locais”, acrescenta Mickaël.

Contando com experiência na captação de recursos, estruturação de fundos e gestão de créditos, a Jive Investments, em parceria com a inGaia, proporcionou a criação do Home Equity oferecido pelo Kenlo. “Enxergamos na inGaia uma empresa com profunda experiência no mercado e que efetivamente valoriza a imobiliária e o corretor, colocando-os no centro dos negócios. Além disso, sabemos que a realidade brasileira, especialmente com a crise que vivemos, mostra uma população altamente endividada, e, por consequência, imóveis muitas vezes também problemáticos”, relata Diego Fonseca, Managing Partner da Jive.

Mais do que ter fundos de investimento e investir em ativos, a Jive tem um amplo portfólio de mercado e conta com um time de especialistas do setor imobiliário residencial. Isso faz toda a diferença, já que, mais do que oferecer soluções para o mercado imobiliário, as duas empresas se complementam por conhecerem muito bem o setor, somando o potencial da inGaia com suas mais de 7,2 mil imobiliárias, 42 mil corretores, oito milhões de clientes finais, dos quais três milhões são proprietários, com o expertise financeiro da Jive. “O casamento foi tão perfeito que rapidamente montamos um time de 80 pessoas fazendo isso acontecer do zero à primeira assinatura de contrato em menos de nove meses. Vamos distribuir produtos aliados à tecnologia, explorando parcerias estratégicas com outras fintechs e proptechs disruptivas dentro do mercado, através da nossa base de clientes”, complementa Mickaël.

Uma plataforma completa, digital e inovadora: o Kenlo prepara, treina e certifica os profissionais do segmento para aproveitar todo potencial das soluções disponíveis, método similar ao utilizado pela XP Investimentos. “Nosso objetivo é ser uma plataforma que – tal qual a XP transformou o mercado através dos assessores de investimento – promova todo o potencial que a enorme rede de imobiliárias e corretores pode oferecer. Não basta trazer soluções para o mercado imobiliário se você não prepara o profissional para trabalhá-las. Nós vamos treiná-los e transformá-los em gestores de patrimônios imobiliários”, completa José Eduardo.

Tags, ,

Feira de Imóveis Online terá 5.000 imóveis em oferta no país

A Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc) e Câmara Brasileira da Indústria da Construção Civil (CBIC) realizarão, entre 20 e 28 de novembro, a Feira de Imóveis Online. Trata-se da primeira versão virtual do evento organizado anualmente pelas entidades e, como todos os anos, planejado para oferecer oportunidades de negócios para as construtoras e facilitar a aquisição de imóveis pelos consumidores brasileiros em meio às restrições sanitárias impostas pela pandemia de Covid-19. Serão ofertados mais de 5.000 imóveis em todo o país.

“Uma das vantagens da Feira de Imóveis Online será a disposição das incorporadoras em disputar clientes num ambiente virtual saudável e seguro para a realização de negócios. Já os consumidores ganharão com a concorrência entre as empresas, que ocorrerá com poucos dias para o fechamento do negócio”, avalia o presidente da ABRAINC, Luiz Antonio França.

Para o presidente da CBIC, José Carlos Martins, destaca a redução da burocracia que o eventual virtual promove. “O mercado imobiliário já vinha mudando, mas a pandemia nos mostrou que digitalização é questão de sobrevivência para as empresas. Um evento tão tradicional quanto uma feira de imóveis, realizado de maneira online, é uma oportunidade única para alcançarmos o Brasil todo. Para os clientes, além da questão da segurança, haverá menos burocracia e mais diversidade de opções.”

Feira de Imóveis Online terá oportunidades tanto para compradores de baixa renda em busca o primeiro imóvel, quanto para os que procuram casas ou apartamentos maiores para morar ou investir. Haverá, portanto, condições propícias para clientes e empresas.

A expectativa das empresas é positiva tendo em vista a disposição do consumidor impulsionada pelo movimento de queda nas taxas de juros do crédito imobiliário, puxado pela redução da Selic. Contribui para isso a sinalização de investidores em fortalecer fundos imobiliários, o que motiva construtoras e incorporadoras a incrementarem os lançamentos de novos empreendimentos.

A Feira deve atingir cerca de 10 milhões de brasileiros e gerar mais de 1 milhão de interações entre consumidores e empresas. Haverá ofertas de imóveis até R﹩ 1,5 milhão.

Dinâmica

A praticidade da Feira de Imóveis Online dará ao consumidor mais comodidade, tempo e melhores condições para negociar benefícios com as incorporadoras. Serão imóveis – entre casas e apartamentos – em 150 cidades brasileiras em empreendimentos disponibilizados por 50 construtoras. A Caixa Econômica Federal participará acelerando o processo de análise de condições de financiamento imobiliários para os consumidores.

O evento 100% digital também dará a oportunidade para o comprador economize tempo na hora de tomar decisões e pesquisar imóveis mais adequados para suas necessidades. Além de permitir participar de qualquer lugar e comprar nas mais diferentes regiões do Brasil.

Algumas empresas participantes vão custear o Imposto sobre Transferência de Bens Imóveis (ITBI). Outras irão presentear os clientes com piso de qualidade superior, churrasqueira, bancada e pia na varanda, entre outros atrativos.

Feira do Imóvel Online terá shows, por meio de lives. Uma delas será com o cantor Mumuzinho e o comediante Marcelo Marrom. Eles vão falar dos imóveis disponíveis e indicar QR Code para os espectadores acessarem as ofertas de cada empresa durante as lives.

No dia 02 de dezembro será sorteado um carro 0km entre os compradores e aqueles que tiverem avançado nas negociações para a compra. Só concorrerão os clientes interessados ou que adquiriram um imóvel anunciado na plataforma da feira.

Tags, , ,

ABRAINC: Vendas de imóveis crescem 58,9% em agosto, após novo recorde

O indicador mensal da Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc) e da Fipe mostra que o setor comercializou 13.156 unidades habitacionais em agosto. O volume representou crescimento de 58,9% para o mês na comparação com o mesmo período em 2019. Foi um novo recorde da série histórica do Indicador Abrainc-Fipe desde maio de 2014 (14.116 unidades). Já no trimestre móvel encerrado em agosto, as vendas totalizaram 38.886 unidades, com alta de 45,7% em relação ao mesmo período de 2019.

“Os números mostram que a incerteza econômica gerada pela pandemia de Covid-19 vai sendo colocada de lado pelo consumidor, que vê nos juros mais baixos uma oportunidade para adquirir um imóvel. Vale destacar o segmento de médio e alto padrão (MAP) voltando a crescer em agosto (4,8%), consolidando movimento verificado no último trimestre (8%). Isso significa que a parcela da população de maior poder aquisitivo ou está trocando de imóvel ou realizando investimento com uma nova aquisição, o que mantém as incorporadoras otimistas para realizar investimentos”, afirma o presidente da Abrainc, Luiz Antonio França.

O Indicador Abrainc-Fipe registrou 8.799 unidades em novos lançamentos imobiliários em agosto, após crescimento de 14,5% em relação ao mesmo mês no ano passado. A retomada dos lançamentos e das vendas da incorporação após o período mais restritivo da pandemia da Covid-19 se deu de forma heterogênea entre os diferentes segmentos residenciais.

As vendas do segmento de Médio e Alto Padrão (MAP) cresceram 4,8% em agosto e 8,0% nos últimos três meses, mas acumulam uma queda de 7,7% nos últimos 12 meses.

Os empreendimentos associados ao Minha Casa Minha Vida (MCMV) lançaram 29,5% mais unidades em agosto, com elevação de 8,7% nos últimos três meses e 9,4% no acumulado em 12 meses. Já no âmbito das vendas, o MCMV apresentou alta de 87,9% em agosto, 61,8% nos últimos três meses e 26,5% nos últimos 12 meses. Vale notar que o MCMV representou 83,8% dos lançamentos residenciais e 75,9% das vendas de imóveis residenciais novos nos últimos 12 meses.

Tags, ,

Inter reduz taxa do home equity e anuncia nova linha de crédito imobiliário atrelada à poupança

O Inter acaba de lançar novidades para quem pretende comprar o imóvel próprio ou precisa de recursos para tirar os planos do papel. A instituição agora tem a taxa com o melhor custo benefício do mercado para o empréstimo com garantia de imóvel – home equity – 0,59% ao mês, válido para imóveis quitados ou em financiamento. Já para o financiamento, o Inter oferece uma nova opção de linha de crédito imobiliário, com taxa de juros de 4% a.a., atrelada ao rendimento da poupança, mais taxa referencial.

“Apostamos na retomada do setor e estamos criando soluções para facilitar o acesso ao crédito imobiliário. Estamos lançando a nova taxa de Juros Poupança, onde os clientes terão acesso a parcelas mais baixas. E, além disso, temos a taxa home equity com o melhor custo benefício do mercado, com um processo de contratação e portabilidade digital, sem burocracia”, diz Marco Túlio Guimarães, diretor vice-presidente de produtos bancários do Inter.

O atendimento para crédito imobiliário no Inter é especializado e pensado para simplificar a vida dos clientes. Todo processo, da contratação à portabilidade – para quem quer trazer o contrato de outra instituição – é rápido, fácil e pode ser feito pelo aplicativo, na palma da mão. Os clientes ainda economizam nas parcelas mensais e tem o melhor custo-benefício para seu empréstimo ou financiamento. “Em 2020, mais de 2 mil clientes do Inter já reduziram as parcelas do financiamento imobiliário, gerando uma economia relevante no orçamento mensal”, ressalta Guimarães.

Confira os detalhes dos novos produtos:

Empréstimo com garantia de imóvel – Home Equity

• Taxa pré-fixada de 0,59% a.m.
• Tabela Price
• Empréstimos de até 50% do valor do imóvel (mínimo R$50 mil)
• Prazo máximo de 72 meses (6 anos) para essa taxa
• Para pessoas físicas ou jurídicas
• Imóveis novos ou usados, residenciais ou comerciais
• Imóveis ainda financiados ou já 100% quitados;
•Também é válido para a portabilidade (pessoa física)

Financiamento Imobiliário

• Taxa pré fixada de 4% a.a, com juros atrelado ao rendimento da poupança + TR
• Financiamento de até 70% do imóvel
• Disponível para novos financiamentos e para portabilidade de financiamentos
• Disponível no sistema SAC
• Disponível somente para imóveis residenciais (PF)
• Prazo mínimo de 1 ano e máximo de 30 anos
• Valor mínimo de R$ 50 mil

Vale ressaltar que continuam ativas no Inter as opções de financiamento com taxas de 5% a.a. + IPCA, para quem pretende quitar em um prazo menor e conta com um cenário de inflação controlada. E de 7,7% a.a. + TR, para quem quer pagar o contrato em 30 anos, com menor variação e mais previsibilidade.

Tags, , ,

Mais de 12 milhões de famílias pretendem adquirir um imóvel nos próximos 24 meses, aponta estudo realizado pela Datastore

O Datastore Series de setembro mostra que, mês após mês, o mercado imobiliário dá sinais de recuperação, mesmo em meio à crise gerada pela pandemia do novo coronavírus. Segundo o estudo, realizado pela Datastore, em setembro, 12.080.575 famílias declararam interesse em adquirir imóveis nos próximos 24 meses. Isso equivale a 23,9% do grupo que participou do estudo, índice próximo ao da pré-pandemia que apontava, no primeiro trimestre do ano, intenção de compra de imóvel por 25% das famílias brasileiras.

“Continuamos subindo, estamos com 12,1 milhões de famílias, praticamente o mesmo patamar de 15 de março. Todavia são grupos diferentes, a maioria destes compradores são novos, ou seja, chegaram durante a pandemia”, explica Marcus Araujo, CEO e fundador da Datastore.

Ainda mais animadores são os índices que mostram as intenções de compras de imóveis para os próximos 12 meses, um sub extrato dos compradores dos próximos 24 meses, que demonstra que não há “boom” imobiliário, uma vez que quem está comprando são as pessoas que já estavam no funil de compras de 24 meses, apenas decidindo comprar mais rápido e de forma mais consciente. “O percentual de compradores ávidos (12 meses) subiu para 53% e a última vez que isso ocorreu foi em 2011. O último trimestre de 2020 pode ser imbatível para o setor imobiliário”, completa Araujo.

Esse cenário é bastante promissor e essa ascendência deve continuar nos próximos meses, já que o mercado imobiliário brasileiro vem mostrando o seu vigor, por meio da redução da taxa Selic, e com novos compradores e investidores chegaram ao mercado, impulsionando a retomada, corroborada por incorporadores e imobiliárias. “A série histórica mostra, claramente, que o pior já passou, mas também aponta que somente a redução da taxa Selic não será decisiva e, sim, a retomada da economia e a geração de novos empregos com a pandemia sob controle, algo que já ocorre na maioria dos estados brasileiros, com a queda dos números de casos e óbitos na média móvel”, finaliza o CEO da Datastore.

Datastore Series

A Datastore Series é uma análise completa e gratuita sobre os dados do mercado imobiliário com projeções e análises mensais feitas pela Datastore e Marcus Araujo sobre a movimentação do setor. A análise pode ser feita por abrangência nacional, regional, mensal trimestral, quadrimestral e pode, inclusive, indicar os próximos passos do mercado imobiliário em geral. A Series é consistente e traz dados coletados com abrangência nacional desde 2007.

Tags, , , ,

Cresce uso de mensagens no processo de compra e venda de imóvel

Um estudo feito pela XAZA, plataforma de intermediação de processos de compra e venda de imóveis, em parceria com a Toluna, empresa de pesquisas e insights para diversos negócios, revela como a pandemia afetou as relações entre comprador, vendedor e corretores. Embora o contato via celular seja a forma preferida de ligação entre as partes, cresceu a comunicação por meio de mensagens e e-mail durante a jornada de compra ou venda e a grande maioria dos interessados pede para fazer um tour virtual no imóvel. Os resultados, porém, também apontam que a maior parte pretende fazer a negociação por intermédio de corretores.

A pesquisa teve a participação de 500 pessoas das classes A e B moradoras de São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte, com renda mensal acima de R$ 3.231 e que pretendem comprar um imóvel nos próximos três a seis meses. Os dados mostram que, antes da covid-19, a comunicação com corretor ou vendedor por meio de mensagens via aplicativos era utilizada por 56% dos compradores, agora o porcentual subiu para 71%. Além disso, 67% também utilizam e-mail para iniciar o contato com vendedor ou corretor. Antes eram 56%.

Os dados mostram que a pandemia impactou principalmente o contato direto entre os dois lados da negociação. Entre compradores, 80% disseram querer evitar esse tipo de aproximação, contra 29% registrados anteriormente. Pelo lado dos vendedores, o porcentual subiu de 28% para 84%. Ao mesmo tempo, 74% pedem para fazer um tour virtual pelo imóvel. Ainda assim, 64% dos compradores disseram que não fechariam um negócio sem antes visitar o imóvel desejado.

Oportunidade para o corretor

“Percebe-se uma grande oportunidade para corretores que dispõem de ferramentas que facilitem o tour virtual, uma vez que os interessados solicitam a modalidade nesse período de distanciamento e querem evitar o contato com o vendedor”, comenta Fernando Nekrycz, CEO da XAZA e especialista em segurança jurídica.

Negociar com a intermediação de corretores é a intenção de 60%, enquanto 47% procuram negociar por meio de sites de imobiliárias e 41% admitem fazer a transação por meio de plataformas ou aplicativos voltados ao mercado imobiliário. “Sites e plataformas imobiliárias são citados por quase metade, especialmente por homens”, ressalta Nekrycz.

A pesquisa também apurou qual deve ser o papel dos corretores na venda de um imóvel. Por exemplo, 74% dos proprietários querem acompanhar todas ou quase todas as ocorrências envolvendo o seu imóvel. As informações mais desejadas são propostas recebidas, consultas feitas e número de visualizações do imóvel.

Valores e características dos imóveis são os dados mais compartilhados e solicitados: metragem do imóvel, valor do IPTU, disposição dos cômodos, acesso e áreas comuns, o andar e o bloco do apartamento, acabamento, facilidades e serviços oferecidos no condomínio e dados sobre a vizinhança. O estudo também apurou a importância de informações jurídicas e fiscais sobre o imóvel e seu proprietário: 70% dizem que devem ser fornecidas no início do processo, até antes do envio da proposta.

Os respondentes demandam que corretores e imobiliárias tenham mais transparência (10%), clareza nas informações (7%) e explicações (6%). Segundo o estudo, 36% dos compradores e 33% dos vendedores acham mais justo pagar a comissão do corretor proporcionalmente junto com as parcelas do imóvel. Outros consideram que ela deve ser paga no final da venda. Neste caso, estão 27% dos compradores e 32% dos vendedores.

Problemas com o imóvel (documentação, dívidas, fotos falsas) e falta de transparência do corretor são as situações que mais frustram os compradores. Entre os que pretendem vender, insegurança jurídica e física e falta de transparência no relacionamento com o corretor são os pontos que geram mais desencanto nos vendedores.

No grupo dos compradores, 60% consideraram a experiência com imobiliárias ou corretores parcialmente boa e ótima, enquanto, entre os vendedores, o porcentual foi de 54%.

Tags, , ,

Imóveis de Fortaleza acumulam 1,4% de valorização em 2020, segundo Imovelweb

O preço do metro quadrado em Fortaleza (CE) ficou em torno de R$ 4.890 em setembro, o que representa um pequeno aumento, de 0,1%, se comparado a agosto. Em 2020, os preços dos imóveis na região acumulam um crescimento de 1,1%, mas nos últimos 12 meses a variação é negativa, com queda de 1,7% nos custos dos imóveis. Os dados são do relatório imobiliário do Imovelweb, um dos maiores portais imobiliários do País.  

Com esse valor de metro quadrado, um imóvel padrão, com 65m², 2 quartos e uma vaga de garagem, fica em torno de R$ 317.800,00. Já um apartamento de três quartos, uma vaga de garagem e 90m² custa por volta de R$ 404.900,00, uma vez que a média do preço do metro quadrado é de R$ 4.500.

“Ainda é possível notar a queda no preço médio do metro quadrado em Fortaleza, mas esse declínio começou a diminuir nos últimos meses, com aumento médio nos preços a partir de junho desse ano. Aos poucos, os imóveis voltam a se valorizar na região, o que é uma boa notícia para moradores e investidores”, destaca Tiago Galdino, CFO do Imovelweb.
Veja as regiões de Fortaleza e suas médias do metro quadrado: 

Região Preço m² Variação mensal Variação anual 
SER II R$ 5.580,00 0,0%-1,0% 
SER III R$ 4.524,00 0,9% -4,0% 
SER I R$ 4.359,00 -0,9% 5,9% 
SERCEFOR R$ 4.296,00 0,1% -11,2% 
SER IV R$ 4.214,00 0,9% -5,7% 
SER VI R$ 3.774,00 0,3% -2,7% 
SER V R$ 3.128,00 0,0%3,2% 

De acordo com os dados do Imovelweb, nos últimos 12 meses os bairros que mais se desvalorizaram foram Pici (R$ 5.101/m²), Monte Castelo (R$ 2.970/m²) e Curio (R$ 2.623/m²), com queda de 19,2%18,8% e 12,3%.

Por outro lado, as maiores valorizações ocorreram nos bairros Montese (R$ 3.130/m²), aumento de 9,1%; José Bonifacio (R$ 6.293/m²), que cresceu 8,4%; e Prefeito José Valter (R$ 2.573), acréscimo de 8%.
Veja os bairros onde o metro quadrado é mais caro e mais barato em Fortaleza:


Mais caros (m²)
Variação mensalVariação anual
MeirelesR$ 7.441,00-1,8%-1,7%
Patriolino RibeiroR$ 7.230,000,1%7,6%
MucuripeR$ 6.912,00-0,5%-2,5%
Mais baratos (m²)Variação mensalVariação anual
AncuriR$ 2.254,003,7%S/D
JangurussuR$ 2.395,000,0%-2,0%
Manoel SátiroR$ 2.420,00-0,5%2,6%

Tags, , ,

Moradia do futuro: Três tendências de habitação que serão antecipadas devido à pandemia

A pandemia definitivamente contribuiu para acelerar mudanças de hábitos de consumo e de comportamento do mundo inteiro e não será diferente no mercado imobiliário. As empresas precisarão reinventar produtos e serviços para atender um novo consumidor que nasceu junto com a pandemia.

Por isso, o Projeto “Moradia no Mundo Pós Pandemia”, elencou três tendências de habitação impulsionadas pela Covid-19, que talvez acontecessem daqui a cinco ou 10 anos, mas já vem se tornando realidade. Vale destacar o movimento dos “sem casa”, pessoas que já não cultivam o sonho morada própria e preferem ter diversos tetos flutuantes, pagando uma assinatura mensal, como um Netflix.

Prova disso é que de acordo com uma pesquisa realizada pelo Instituto de Pesquisas Sociais Políticas e Econômicas (IPESPE) em agosto deste ano, 80% dos jovens, entre 16 e 24 anos, já admitem não se importarem com a compra de um imóvel. Mais de 50% das pessoas acima de 60 anos também dizem querer ter mais liberdade para morar.

Segundo Gesner de Oliveira, economista e professor da FGV, o avanço das novas tecnologias e sua aplicação na prestação de serviços – como aplicativos de viagens individuais, vídeos por streaming, entre outros -, indicam uma tendência da substituição do “ter” para o “usar”.

“Tais desenvolvimentos levaram a novas concepções de moradia como o coliving e a multifamily properties, estendendo ao mercado imobiliário o conceito de ‘usar’ em vez de ‘ter’. Tornou-se possível pensar em um ‘Netflix da moradia’”, avalia o especialista.

Confira abaixo as principais tendências:

1. Moradia como serviço

Assim como os aplicativos de carros deram uma maior autonomia de escolha para as pessoas se locomoverem pela cidade, pagando um preço acessível, a moradia como serviço é uma tendência que já existe, mas que certamente será impulsionada devido à crise imposta pela pandemia.

A “Economia do Compartilhamento” aplicada à moradia é uma realidade crescente entre os jovens, que já compartilham de tudo. “Diferente de gerações anteriores, lares não são mais os mesmos investimentos sentimentais que costumavam ser”, afirma Shawn Amsler, professor e especialista em mercado imobiliário da Faculdade de Columbia.

Atualmente, a Housi, startup de moradia por assinatura, já adota este modelo no Brasil. Com o propósito de ser a ‘Netflix imobiliária’, a empresa aposta diretamente na moradia on demand e por isso oferece uma plataforma digital para locação 100% digital, com imóveis mobiliados e com diversos serviços e facilidades agregados, dentre eles, limpeza semanal e pay-per-view.

2. Multifamily Properties

O mercado imobiliário brasileiro está recebendo também uma forma de investimento bastante comum nos EUA: os multifamily properties .

Ao invés do que acontece hoje, onde cada apartamento tem um pequeno investidor como dono (o locador), cria-se um complexo de apartamentos ou casas, cujas unidades pertencem todas a uma espécie de holding.

Com um único dono, a gestão das unidades é centralizada. Ou seja, todos os moradores do complexo são inquilinos. A operação de locação é tocada como um negócio profissional, com um modelo de operação que visa reduzir custos e simplificar as decisões de investimento na propriedade.

Isso já acontece em shoppings centers, onde o “dono” decide as regras do empreendimento, sem necessitar de qualquer reunião condominial. A diferença é que enquanto os shoppings são focados em comércio, o multifamily property é destinado a residências.

A pesquisa do Ipespe destaca algumas oportunidades semelhantes no Brasil, em que os investidores podem estar de olho. Quando se perguntou sobre o desejo por prédios adequados com a fase da vida, a opção para famílias pequenas e casais surge em 41% das citações, seguidos por perfis misturados (40%) e imóveis específicos para aposentados e idosos (24%).

“Modelos de investimento como o multifamily properties são rentáveis e significam um menor custo de transação em comparação ao aluguel tradicional”, explica o professor da FGV, Gesner de Oliveira.

3. Coliving

A falta de espaços físicos nas grandes cidades já é uma realidade. Como alternativa, surge uma tendência que pretende derrubar, além de paredes, os ideais de individualização e desperdício. Trata-se do coliving, um movimento que estimula a integração, a sustentabilidade e a colaboração entre os indivíduos.

Apesar de ser bastante comum na Europa e América, os colivings desembarcaram no Brasil há menos de cinco anos e ainda não despontaram. Por conta da pandemia, estima-se que existirá uma aceleração neste tipo de empreendimento.

incapacidade de formular soluções para prover serviços eficientes de moradia e não necessariamente unidades adicionais”, conclui Oliveira.

Sobre o projeto “Moradia no Pós-Pandemia”

O Projeto “Moradia no Mundo Pós Pandemia”, foi lançado no início de setembro, como um think tank da habitação. Na ocasião reuniu especialistas no Brasil e EUA, como Gesner Oliveira, doutor em economia e professor da Fundação Getúlio Vargas, Pedro Rivera e Shawn Amsler, ambos professores da Columbia University, e Ben Ross Schneider, professor do MIT, além de Alexandre Frankel, CEO da Housi.

Os desdobramentos desse encontro virtual resultou em uma websérie ,, homônima do projeto, e na produção do livro “Como viver em um mundo sem casa”, a ser lançado no final do mês com os estudos dos especialistas, além da participação de personagens famosos e anônimos.

Tags,