As incertezas do setor de construção civil em 2021

As incertezas do setor de construção civil em 2021

Por Agostinho Celso Pascalicchio, professor da Universidade Presbiteriana Mackenzie 

Um perfil do segmento da Construção Civil apresentou, principalmente a partir do segundo semestre do ano passado, um bom desempenho. Houve redução na quantidade das residências em oferta, aumento nas vendas de imóveis e dos insumos do setor. Entretanto, ao final do ano de 2020 e neste começo de ano, apresentou uma paradoxal queda na confiança e nas expectativas dos empresários nesta atividade.

O ano passado mostrou aumento nas vendas de unidades residenciais, incluindo as do programa Casa Verde Amarela (antigo programa “Minha Casa Minha Vida”). Apresentou também aumento nos financiamentos e nas operações de crédito do sistema financeiro. Estas operações foram beneficiadas pelas baixas taxas de juros. O ano de 2020, principalmente a partir do segundo semestre do ano, proporcionou a esta indústria uma boa performance. O consumo de cimento e de aço laminado foram fortes. Os preços dos produtos e insumos do setor também se elevaram. O índice Nacional da Construção Civil (INCC-DI/FGV), se mostrou em alta. O preço do cimento também apresentou uma forte elevação. O CUB (Custo Unitário Básico) que determina o custo global da obra, obtido através de pesquisa junto aos compradores, que no caso são as construtoras, também se elevou.

Entretanto, a divulgação do Índice de Confiança da Construção Civil e de Expectativas para Construção Civil, pela FGV/IBRE, mostram um paradoxo. Um enfraquecimento na confiança e uma diminuição pelo terceiro mês consecutivo nas expectativas dos empresários deste segmento, em contraste com o bom desempenho observado no segundo semestre de 2020 por esta indústria.

É possível que estes índices estejam refletindo as incertezas do cenário brasileiro quanto às expectativas de rendimentos da população, incertezas quanto às reformas econômicas e quanto ao combate à pandemia. Dentro destes aspectos, como mencionado pelo Ministro da Economia Paulo Guedes, a vacinação em massa é “fator crítico” para a recuperação da economia. O setor de Construção Civil é gerador e multiplicador de empregos e o rápido cuidado com as pessoas é fundamental para garantir a boa performance a este segmento e reverter as expectativas negativas dos empresários.

Agostinho Celso Pascalicchio, doutor em Ciências; mestre em Teoria Econômica pela University of Illinois at Urbana-Champaingn/USA. Bacharel em Ciências Econômicas (FEA-USP) e professor da Universidade Presbiteriana Mackenzie nas áreas de economia, economia da energia e engenharia econômica/finanças.

Comments are closed