Aluguel diário na praia no feriadão da República custa a partir de R$ 200,00

Aluguel diário na praia no feriadão da República custa a partir de R$ 200,00

Opções que vão de R$ 200,00 a R$ 1.975,00 diários estão disponíveis nas imobiliárias credenciadas de 12 cidades do Litoral paulista para os que pretendem alugar casas ou apartamentos para passar na praia o fim de semana prolongado pelo feriado de 15 de Novembro, uma sexta-feira, quando se comemora a Proclamação da República.


Imobiliárias credenciadas são as que têm registro e são fiscalizadas pelo Conselho Regional de Corretores de Imóveis do Estado de São Paulo (CreciSP), obrigadas a cumprir um código de ética de respeito e transparência para com os clientes e sujeitas a punições. O Creci consultou 28 dessas imobiliárias nas 12 cidades e apurou que, entre esses dois extremos, há muitas outras opções de preços de aluguel garantido no feriadão.


As diárias mais baratas estão nas cidades do Litoral Sul, como Praia Grande, Mongaguá, Itanhaém e Peruíbe. É nessa faixa do Litoral que se pode alugar por R$ 200,00 diários uma casa de 1 dormitório do tipo quitinete. Um apartamento desse tipo vai custar em média R$ 207,50 diários. Imóvel do mesmo tipo custa em média R$ 260,00 em praias de cidades do Litoral Central, como Guarujá e Santos, e R$ 378,00 em Ubatuba e São Sebastião, no Litoral Norte.


Apartamentos de 2 dormitórios podem ser alugados por diárias médias de R$ 312,50 no Litoral Sul, valor que sobe para R$ 432,00 no Litoral Central e R$ 400,00 no Litoral Norte. Um imóvel maior, como as casas de 4 dormitórios, está com diárias médias de R$ 850,00 no Litoral Sul, e esse preço mais que dobra no Litoral Central, custando em média R$ 1.975,00, a diária mais cara registrada pela pesquisa CreciSP. No Litoral Norte, a diária média é de R$ 1.564,00.


Nos 19 tipos de imóveis em que foi possível comparar os preços com o feriado do ano passado, nove estão mais baratos este ano, oito ficaram mais caros e dois mantiveram-se estáveis. Foi o caso dos apartamentos tipo quitinete no Litoral Central — R$ 250,00 — e dos apartamentos de 3 dormitórios nessas mesmas cidades, com diária média de R$ 1.000,00.


“As opções disponíveis nas imobiliárias atendem a todos os gostos e bolsos, e são seguras se feitas nas imobiliárias credenciadas no Creci, mas não custa lembrar que é preciso tomar cuidado com os locadores piratas e os que oferecem ´aluguéis de sonho´ que geralmente acabam em pesadelo”, alerta José Augusto Viana Neto, presidente do Crecisp.

Limite de hóspedes


A pesquisa CreciSP apurou com as 28 imobiliárias pesquisadas que os donos dos imóveis os alugam por períodos determinados de 1 a 3 dias, prazos que podem ser negociados caso a caso.
O número de pessoas admitidas varia de acordo com o tipo do imóvel, segundo as imobiliárias consultadas. Nas casas, os limites são de até 10 pessoas para as de 2 dormitórios, até 15 para os de 3 dormitórios e até 20 para as de 4 dormitórios.
Segundo a pesquisa CreciSP, os limites de ocupantes no caso de apartamentos são de até 4 para as quitinetes, até 6 para os de 1 dormitório, até 10 para os de 2 dormitórios, até 15 para os de 3 dormitórios e até 16 para os de 4 dormitórios.
O CRECISP ressalta, no entanto, que o número de pessoas permitido pode ser diferente do apurado. Vale a pena consultar com antecedência.
A pesquisa CreciSP foi feita nas cidades de Caraguatatuba, Ubatuba, São Sebastião, Ilhabela, Bertioga, Santos, São Vicente, Guarujá, Praia Grande, Mongaguá, Itanhaém e Peruíbe.

Comments are closed