Monthly Archive janeiro 2020

Cristo Pajust é o novo COO da Casafy

A Casafy, proptech de compra e venda de imóveis que conecta proprietários com compradores por meio da venda direta, anuncia a contratação de Cristo Pajust. O novo Diretor de Operações da empresa nasceu na Estônia e traz na bagagem qualificações em renomadas universidades como Yale, Faculdade de Tecnologia de Talim e Instituto Politécnico de Riga. A América do Sul é o 5º continente que Cristo Pajust operou, atuando pela Europa, Ásia, América do Norte e Oceania. Entre os cases que já participou estão as empresas globais: Rocket Internet, Groupon, Uber e Revolut.

Inovação para a Casafy é a nova aposta do COO, que estará à frente de todas as operações internas. “A chegada de Cristo acontece em um momento importante para a Casafy, marcado pelo crescimento acelerado da plataforma – e por consequência transformando a cena do mercado imobiliário”, afirma Renato Orfaly, CEO da Casafy. “Ações em crescimento apropriadas com nossos clientes e o mercado potencial são a chave para o desenvolvimento do nosso modelo de negócio”, completa.

Xaza combina tecnologia e segurança jurídica para mudar processo de compra e venda de imóveis

Quem compra ou vende um imóvel sabe que se trata de um procedimento que exige cautela e atenção: é preciso analisar uma pilha de documentos e, ainda assim, há o risco de perder o imóvel devido a pendências na justiça. Para resolver esse problema, a Xaza aposta na união de tecnologia, dados e segurança jurídica.

A empresa é uma plataforma de intermediação imobiliária que permite ao usuário anunciar e comprar imóveis exclusivos, contando com o apoio de corretores independentes para assessorar o cliente e agilizar o negócio. O objetivo é movimentar na plataforma mais de R$ 1 Bilhão em VGV (Valor Geral de Vendas), indicador de potencial de mercado.

O diferencial é a proposta de combinar uma solução de alta tecnologia com a análise de uma equipe jurídica especializada e a transparência dos dados no ambiente digital. As documentações dos imóveis colocados à venda na plataforma e de seus proprietários são analisadas previamente, reduzindo riscos na negociação.

“Consideramos que a regularidade na documentação do imóvel e de seus proprietários é imprescindível para o sucesso do negócio. Assumimos a responsabilidade de todos os anúncios, permitindo que nossos agentes possam assessorar os clientes da melhor forma possível”, explica Fernando Nekrycz, CEO da Xaza.

A empresa é especializada na oferta de imóveis de alto padrão. Neste primeiro momento, sua atuação se concentra na cidade de São Paulo, com mais de mil ofertas disponíveis e exclusivas. O objetivo é, posteriormente, expandir a atuação para outras regiões do país, como o Nordeste.

Nesse modelo de negócio, a Xaza e o corretor independente que opera na plataforma ficam com parte do valor negociado parte do valor negociado, ou seja, recebem a tradicional comissão sobre o valor de venda. A plataforma visa facilitar também a análise de crédito para fins de financiamento, tornando mais rápida análise, tanto do imóvel negociado, como principalmente do comprador.

É um momento propício, dado que o mercado imobiliário volta a se aquecer em 2020 após período de instabilidade econômica. A Caixa, responsável por 60% do financiamento de imóveis, possui cerca de R$ 480 bilhões de crédito imobiliário. Além disso, estimativas indicam que há mais de 40 milhões de brasileiros com potencial de compra.

Como funciona a plataforma?

O usuário que deseja comprar um imóvel precisa se cadastrar gratuitamente na plataforma e escolher a propriedade desejada no portfólio disponível por meio dos filtros, como região, valor, cômodos etc. A partir daí, basta entrar em contato com o agente responsável pela negociação – é possível enviar e-mail, conversar no chat ou até agendar visita.

Para aqueles que desejam vender um imóvel, é necessário cadastrá-lo e aguardar o contato da equipe da Xaza para enviar toda a documentação pedida. Depois, o jurídico analisa todos os arquivos da casa e dos proprietários. Se estiver tudo certo, o anúncio é liberado para publicação.

Além disso, a plataforma permite o cadastro de corretores imobiliários independentes que desejam atuar com o site. O interessado precisa enviar seus dados e aguardar o contato para prosseguir no processo. Uma vez aceito, ele conta com assistência jurídica e de marketing em suas negociações, apoio da tecnologia para aprofundar o relacionamento com seu cliente e, futuramente, terá à disposição programas especiais para capacitação e desenvolvimento.

Fundadores buscavam olhar jurídico nas transações imobiliárias

A Xaza é fruto de uma união entre empreendedores que já atuam no setor imobiliário e desejavam trabalhar com áreas que estavam por trás do êxito de uma transação. Em suma: buscavam uma plataforma de compra e venda que garantisse o olhar jurídico no negócio em vez de enxergar apenas o ponto de vista comercial.

A iniciativa reúne Fernando Nekrycz e José Edelstein, sócios do NSE Advogados, que serão os responsáveis pela parte jurídica e imobiliária da empresa; André Zukerman, CEO da Zukerman Leilões, que, além do conhecimento do setor, cuidará do marketing; e Rudy Tarasantchi, CTO da AFYA Educacional e Medcel, que vai cuidar da parte tecnológica.

O NSE Advogados, por exemplo, tem seis anos de experiência no setor, prestando assessoria jurídica em mais de R$ 1 bilhão de VGV na compra e venda de imóveis. A Zukerman, por sua vez, é a líder nacional no segmento de vendas de imóveis em leilões. Já Tarasantchi gerenciou a maior plataforma de redes de anúncio da América Latina.

“Somos uma plataforma imobiliária com o único objetivo de ajudar as pessoas a encontrarem o imóvel perfeito que tanto procuram, sem complicação, risco e insegurança”, conclui André Zukerman.

QuintoAndar gera economia de R$ 1 bilhão para clientes em 2019 e fecha ano com R$ 30 bilhões em ativos sob gestão

O QuintoAndar, imobiliária digital que vem redesenhando a forma como as pessoas buscam um lugar para morar, permitiu que inquilinos e proprietários economizassem R$ 940 milhões em 2019. A companhia, a maior do país em aluguel e que recentemente começou a testar o segmento de intermediação de compra e venda, fechou 2019 com R$ 28,9 bilhões em ativos sob gestão.

O modelo do QuintoAndar, que não exige garantia dos inquilinos, permitiu que milhares de pessoas neste ano encontrassem e alugassem suas casas sem a necessidade de se constranger para encontrar um fiador, ou ter o gasto com caução ou seguro fiança. No total, foram mais de 2,2 milhões de visitas agendadas pela plataforma no ano passado. Além disso, se todos os inquilinos que alugaram um imóvel via QuintoAndar em 2019 tivessem que contratar um seguro-fiança, teriam gasto quase R$ 350 milhões.

Os proprietários que alugaram via QuintoAndar em 2019 economizaram, apenas em IPTU e condomínio, cerca de R$ 190 milhões. Além disso, economizaram outros cerca de R$ 430 milhões em custo de oportunidade no ano (por colocarem no bolso em média três meses a mais de aluguel do que se tivessem alugado pelo modelo tradicional).

O ano de 2019 também foi bastante positivo para os parceiros do QuintoAndar. No total, a companhia pagou R$ 30 milhões em comissões para seus corretores parceiros e R$ 4,4 milhões em incentivos para os participantes dos programas de afiliados IndicaAí e Parceiros da Portaria.

“A gente se propôs a resolver o problema de quem busca um lugar para morar, mas de um jeito que beneficiasse todo mundo, não apenas um lado ou outro”, diz Gabriel Braga, co-fundador e CEO do QuintoAndar. “É muito legal ver isso acontecendo e que estamos realmente causando um impacto tão positivo no mercado. É o tipo de coisa que nos dá ainda mais fôlego para continuar desenvolvendo as melhores soluções para quem busca uma casa e para quem tem um imóvel para alugar ou vender.”

Em 2019, o QuintoAndar manteve seu ritmo acelerado de expansão, chegando a mais de 30 cidades, em 9 das principais regiões metropolitanas do país. Em janeiro de 2018, a companhia estava apenas em Campinas e algumas cidades da Grande São Paulo. Para acompanhar esse crescimento, o time do QuintoAndar passou de 350 pessoas no fim do ano passado para mais de 1.080 em dezembro de 2019. Nesse mesmo mês foi inaugurado o Campus QuintoAndar, a nova sede da empresa na Vila Madalena (SP), com o objetivo de funcionar como um polo de desenvolvimento e inovação em tecnologia voltada ao mercado imobiliário.

O valor que o QuintoAndar economizou para clientes em 2019 equivale a:

Construtora Danpris de olho no mercado de médio padrão

A Construtora Danpris quer expandir o foco de atuação a partir desse ano com projetos para Osasco e região e estuda ampliar sua linha de atuação focando também no médio padrão – “temos terrenos interessantes e queremos focar em projetos de médio padrão. Estamos animados com o momento especial que o setor está” — destaca Dante Seferian, CEO da construtora que foi destaque em Osasco pelos projetos focados no Plano Minha Casa Minha Vida.Dante afirma que esse aumento da procura por empreendimentos econômicos ajudou no crescimento da Construtora nos últimos anos – “Ano passado chegamos a quase 1 mil unidades lançadas, retomamos a contratação de mão de obra, investimos em empreendimentos completos, com metragens entre 30 m² e 55 m² em locais com acesso fácil às estações de trem, escolas, hospitais e comércio, itens pensados para facilitar a vida do morador e a nossa expectativa para esse ano segue otimista, quando esperamos dobrar o número de lançamentos e voltar ao médio padrão”.

Para Dante, dois pontos interessantes que merecem destaque em 2020 são o otimismo do mercado e a expectativa de crescimento do setor. Outro fator importante é em relação às taxas de financiamento — “Com a queda dos juros, as pessoas que estão querendo adquirir um imóvel, começam a perceber que podem comprar um imóvel maior, que isso pode valorizar o patrimônio, já que a renda a ser comprometida na hora de fechar o negócio ajuda a pensar em um empreendimento mais caro, com taxas atraentes para financiamento. Uma pessoa que no ano passado queria adquirir um imóvel de R$ 400 mil, hoje com os juros de financiamento imobiliário mais baixos, começa a perceber que pode adquirir um empreendimento de R$ 600 mil”.Para o CEO há uma forte tendência de retomada do setor imobiliário, já que nos últimos meses o interesse das pessoas em comprar um imóvel para morar e também para investir cresceu muito.

Landbank


Ainda de acordo com Dante além dos terrenos na região metropolitana de São Paulo, ele também está de olho no interior. “Estamos estudando a possibilidade de construir em novas cidades, já sabemos que Minha Casa Minha Vida funciona bem em São Paulo e na região metropolitana, e estamos estudando lançamentos em outras cidades”, afirma. “Temos estoque de terrenos disponíveis para desenvolvimento de projetos. E queremos aumentar nosso landbank, pois acreditamos muito no crescimento da demanda, que está reprimida” finaliza.

Leilão de imóveis: Oferta sobe 300% e se revela como uma das melhores opções de investimento em 2020

Imagine comprar um apartamento num bairro nobre de São Paulo com até 50% de desconto. Com a crise vivenciada nos últimos quatro anos e crescimento do desemprego no País, o número de leilões de imóveis também aumentou. Segundo algumas empresas especializadas, a oferta subiu mais de 300% em 2019 em relação ao ano anterior.

Com as taxas de juros em baixa que reduzem a rentabilidade das aplicações financeiras mais conservadoras, o arremate para investimento tem se tornado atrativo. Sites especializados registraram um aumento de até 52% no número de pessoas físicas que compraram imóveis em leilões.

Para atender a essa tendência de crescimento, o Imovelweb – um dos maiores portais imobiliários do País – firmou uma parceria com a VIP Leilões, que acumula uma experiência de 21 anos no mercado de leilões judiciais e extrajudiciais. O objetivo é oferecer aos anunciantes do Imovelweb a possibilidade adicional de leiloarem seus imóveis, não ficando restritos à venda tradicional ou aluguel.

“Com essa iniciativa, a pessoa que anunciou em nosso site e não vendeu tem a possibilidade de leiloar o imóvel utilizando as plataformas da VIP Leilões. Finalizado o processo, o Imovelweb recebe o comissionamento sobre a venda efetivada”, explica Tiago Galdino, CFO do Imovelweb.

Tudo é realizado de maneira simples e segura. O internauta que quiser participar do leilão pode dar seus lances na plataforma da VIP Leilões. Segundo o executivo, a taxa média real de sucesso nos leilões é de 50%, mostrando a viabilidade financeira do projeto.

Atualmente, existem apartamentos de um determinado tamanho – normalmente maiores – que nunca mais serão lançados em alguns bairros. Isso tende a valorizar os leilões a partir do momento em que surge um imóvel disponível.

Embora seja um mercado pouco explorado no Brasil, o leilão pode ser o caminho mais rápido para quem deseja vender o imóvel e esteja disposto a dar um desconto de 30% a 40% do valor de mercado. Neste caso, a comissão em torno de 5% é paga pelo arrematante e não pelo vendedor.

“Os aplicadores profissionais foram os primeiros a perceber que o leilão de imóveis é um bom investimento, melhor do que ações, títulos do governo e moedas estrangeiras. Hoje, um investidor consegue arrematar o imóvel pela metade do preço e revendê-lo com um lucro enorme, após uma boa reforma”, destaca o CFO do Imovelweb.

Para quem tem interesse em adquirir um imóvel por leilão, Tiago Galdino dá algumas dicas:

  • Leia o edital com cuidado para compreendê-lo
  • Fale com um advogado ou especialista financeiro
  • Verifique as formas de pagamento aceitas
  • Saiba o histórico completo do imóvel – se está ocupado, se há alguma pendência judicial e dívidas
  • Verifique as formas de pagamento aceitas
  • Considere a necessidade de reformar o imóvel

Estudo da Deloitte, em parceria com a Abrainc, revela aumento na busca por flexibilidade e valorização do espaço urbano na hora da compra de imóveis

Os hábitos de consumo vêm se transformando, em adaptação aos novos rumos da tecnologia, da economia e das mudanças de gerações. Nesse contexto, o setor imobiliário brasileiro foi um dos que mais sentiu essa mudança, e já começa a enxergar a necessidade de oferecer soluções adaptáveis para as necessidades de uma sociedade mais plural e dinâmica.


Realizado pela Deloitte em parceria com a Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc), o levantamento inédito “Comportamento do Consumidor Imobiliário para 2040” busca entender e retratar esse cenário a fim de desenhar estratégias para que as empresas do setor naveguem rumo a esse futuro que se torna cada vez mais próximo. O estudo analisa dados oficiais e de mercado, que foram combinados a pesquisas de comportamento e consumo nacionais e internacionais e também a entrevistas quantitativas com 1.313 respondentes das gerações Baby Boomers, X e Millennials (ou geração Y).

Flexibilidade é a palavra de ordem. Uma oferta diversificada visa atender o crescimento da demanda pela incorporação da tecnologia no imóvel e das novas configurações familiares. O crescimento do aluguel e de soluções de compartilhamento, tendências também identificadas pelo estudo, são respostas à valorização do espaço urbano. “Os consumidores imobiliários apresentam uma diversidade em seus interesses, comportamentos e expectativas, que variam de acordo com o seu momento de vida.

Entre as grandes tendências que pudemos mapear está a diversificação dos imóveis para atender a famílias com configurações dinâmicas e plurais. Além disso, constatamos que elementos já prioritários na escolha de um imóvel, como segurança, privacidade e espaço devem se manter relevantes até 2040, contudo, adaptados às restrições financeiras e características comportamentais das novas gerações”, avalia Giovanni Cordeiro, economista-chefe e líder de pesquisas da Deloitte.

A demanda por segurança e boa localização também é prioridade na hora da escolha de um imóvel para as novas gerações. Locais próximos a hospitais e comércios, além de facilidade na mobilidade, como acesso ao transporte público, são as principais escolhas.

Espaço urbano valorizado

Em qualquer cidade grande, nas regiões onde há uma alta na concentração de pessoas, o valor do metro quadrado sobe. Segundo o presidente da Abrainc, Luiz França, por esse motivo, as pessoas preferem morar em apartamentos menores, mas em regiões com maior infraestrutura e que demandem menos tempo de deslocamento. “Temos que nos adaptar aos novos hábitos das pessoas. Muita gente está optando por morar perto do trabalho, em regiões mais nobres, o que faz com que optem por locais menores, que caibam no bolso”, afirma França. Assim, o estudo observa que o compartilhamento de serviços e áreas comuns tende a ganhar escala, como forma de reduzir os custos para o consumidor.


Consumidores em 2040

Segundo a pesquisa realizada com 1.313 consumidores de imóveis, mais de 50% dos entrevistados poderão, em 2040, abrir mão do corretor e do consultor no processo de compra dos imóveis. No contexto da economia digital, os sites e plataformas digitais deverão oferecer ao consumidor possibilidade maior de informações, além de facilitar comparações entre as escolhas, como vídeos do imóvel, do condomínio e da região, bem como indicadores sociais, como o de violência, e oferta de serviços, como hospitais e escolas próximos ao imóvel.

Caso tivessem acesso a uma plataforma online que disponibilizasse, de forma abrangente, todos esses indicadores sobre o imóvel, 44% dos entrevistados comprariam um imóvel por meio de um processo 100% online.

Metodologia da pesquisa

O estudo foi dividido em duas partes. A primeira compreende a análise de dados e criação do cenário 2040, na qual foram traçados cenários a partir da análise de fatores econômicos, comportamentais e sociodemográficos obtidos em fontes de informações acadêmicas, públicas e oficiais. Esses cenários foram selecionados por meio do método de análise morfológica “Field Anomaly Relaxation”, que prevê a visão de contextos de futuro e a eliminação de fatores ilógicos ou incoerentes para a formação de cenários completos.

Os fatores de análise utilizados para a criação de cenários foram: envelhecimento da população, características das famílias, diferenças entre as gerações, preferência e comportamento do consumidor, condições econômicas e de mercado, crescimento dos centros urbanos, amadurecimento da tecnologia digital e características da construção civil brasileira.


Traçado o cenário para o ambiente do mercado como um todo, e para o setor da construção civil em particular, foram então identificados os grandes fatores que poderão definir o modelo de compra e locação de imóveis no Brasil. Essas tendências, muitas vezes interconectadas, foram compreendidas à luz dos aspectos geracionais, comportamentais e socioeconômicos que se desenham para as próximas décadas. Para complementar as variáveis de preferência e comportamento do consumidor, foi realizado um levantamento inédito com 1.313 pessoas por meio um questionário eletrônico durante o mês de junho de 2019.

Alta da economia projetada para 3% aquece mercado de construção civil

Após um longo período de retração, o setor de construção civil vem apresentando saldos positivos desde o ano passado e a projeção para 2020 é positiva. Com o crescimento, mais empregos são gerados, mais construtoras estão lançando empreendimentos e muitas mudanças vem acontecendo. No entanto, saber lidar com essa mudança não é fácil, e por isso, a OGFI está preparada para ajudar as empresas a se acostumarem com o aumento da demanda.

De acordo com a CBIC (Câmara Brasileira da Indústria da Construção), a previsão de crescimento deste ano superou a marca de 2019, com taxa de 3%, que apesar de ser um número aparentemente baixo, traz uma mudança drástica para a realidade. Dos anos de 2014 a 2018, com a economia fragilizada, houve poucos avanços em infraestruturas, até mesmos as famílias evitaram fazer reformas ou começar a construir casas, por isso esse ano promete trazer melhorias às construtoras.

Marco Antonio Silvestre, diretor da OGFI Governance, empresa especializada em gestão e consultoria, acredita que essa elevação vai gerar uma demanda maior de funcionários. “Estima-se que até dezembro tenha uma criação de 150 mil a 200 mil postos de trabalhos consolidados, essa é uma ótima oportunidade e ajuda para a economia do nosso país”, afirma.

Com toda essa desenvoltura é possível que muitas empresas não saibam por onde começar ou o que devem fazer nesses momentos, por isso o diretor explica a importância de contratar uma empresa que saiba administrar e como solucionar possíveis dificuldades. “Um pequeno deslize pode fazer com que a construtora perca a grande chance de aproveitar o momento e conseguir grandes feitos”, finaliza Marco Antonio Silvestre.

Kallas possui expectativa de R$ 2 bilhões de VGV para 2020

Com 36 anos no mercado, a Kallas Incorporadora e Construtora teve um grande 2019. Nos dois segmentos em que atua, imóveis de médio e alto padrão (MAP), que hoje respondem, em média, por 60% de seus negócios, a empresa comemora a retomada dos bons resultados. “Estamos vivendo um bom período em relação aos últimos cinco anos de venda”, diz Emilio Kallas, presidente da construtora.

Já em relação ao segmento econômico, sob a marca Kazzas, mesmo com as mudanças no programa propostas pelo Governo, as vendas mantiveram-se fortes. Os imóveis menores (entre 40 a 45 m²), que se enquadram nas faixas 2 e 3 do programa Minha Casa Minha Vida (MCMV), com média em 40%, apresentou crescimento no último ano.

“A taxa de juros baixa e o acesso facilitado ao financiamento são dois fatores impulsionadores das vendas desses apartamentos”, acrescenta Emílio. Em 2019, a Kallas lançou R﹩ 800 milhões, e a Kazzas, apresentou VGV de R﹩ 200 milhões, e as duas juntas contabilizam um potencial construtivo para 2020 estimado em um VGV de R﹩ 1 bilhão cada.

A Kallas aproveitou o momento para diversificar o portfolio de lançamentos de empreendimentos menores, ingressando em 2019 no mercado de apartamentos de um dormitório. Emílio acredita na retomada do potencial do público investidor que está voltando com força para o mercado imobiliário. “As pessoas estão buscando diversificar seus investimentos, e podem garantir uma renda através do investimento em imóveis líquidos para locação”, enfatiza.

Com R﹩ 5,4 bilhões em ativos sob gestão, a Kallas tem como objetivo para o segundo semestre de 2020, abrir o capital de sua spin off que atende o setor econômico, a Kazzas, que possui valor de R﹩ 3,2 bilhões. Com o cenário de juros em queda, o esperado crescimento da economia e o aumento de lançamentos da empresa, a ideia é que no próximo ano, a precificação cresça.

Banco Bari prevê R$ 1 bi em crédito imobiliário e apresenta linha de home equity para uso flexível

O Banco Bari planeja acelerar ainda mais as suas operações em 2020 no país, atingindo uma carteira de R$ 1 bilhão em crédito voltado para aquisição de imóveis e empréstimo com garantia de imóvel (“home equity”). A instituição fechou 2019 com um aumento de 40% no valor originado nessas modalidades de crédito em relação ao ano anterior, e a meta para os próximos 12 meses é crescer 50%, principalmente, em razão do lançamento do primeiro limite de crédito pré-aprovado flexível do mercado.

“Fechamos 2019 com uma carteira de R$ 700 milhões em crédito imobiliário e em home equity, nosso principal produto, e estamos bastante otimistas. Pretendemos alcançar R$ 1 bilhão em 2020 e contribuir para o acesso à população brasileira a um crédito mais barato e saudável. O potencial do mercado de crédito com garantia de imóvel é enorme, de cerca de R$ 500 bilhões segundo estimativas do Banco Central”, afirma o CEO do Banco Bari, Rodrigo Pinheiro.

As novas projeções para empréstimos a clientes do Banco Bari seguem em linha com o cenário de queda da taxa Selic e estímulos do Banco Central. A taxa mínima de juros do crédito para aquisição de imóvel, que era de 7,90% ao ano + IPCA no ano passado, foi reduzida recentemente para 6,90% a.a. + IPCA. Já a linha de crédito com garantia de imóvel passou a oferecer taxa de juros pré-fixada nos três primeiros anos e pós-fixada a partir do quarto ano, a partir de 0,99% ao mês.

Segundo Pinheiro, a linha de crédito em que o cliente coloca o seu imóvel como garantia de um empréstimo com taxas mais baixas de juros tende a crescer à medida em que o produto vai ficando mais conhecido do grande público. O grupo que opera o Bari entrou no mercado de home equity em 2008 e, nos últimos anos, o produto foi sendo aperfeiçoado e incentivado por novas regulamentações e inovações criadas pelos próprios players.

Novo limite de crédito flexível é mais um benefício em home equity

Visando simplificar e desburocratizar ainda mais o sistema de crédito no Brasil, o Banco Bari disponibilizou aos seus clientes um limite de crédito pré-aprovado flexível de até 60% do valor do imóvel usado como garantia. Com isso, os clientes só precisarão realizar uma vez o processo de contratação da linha de crédito podendo usar para várias operações, modulando quando e como utilizar o dinheiro durante um período de 60 meses.

“Quando as pessoas que possuem bens imobiliários perceberem as vantagens de se obter crédito mais barato e com prazo maior para pagamento, teremos no Brasil um crescimento exponencial do market share do produto com garantia de imóvel. Estamos muito bem posicionados entre os bancos, sendo um dos líderes entre as instituições de porte médio nessa originação, e com uma rede de parceiros de mais de 1 mil correspondentes bancários em todo o país”, destaca o CEO do Banco Bari.

Trisul eleva em 258% o número de lançamentos de empreendimentos

2019 foi um ano histórico: as taxas de juros do crédito imobiliário nunca estiveram tão baixas, os níveis de emprego voltaram a subir e a economia começou a demonstrar sinais de crescimento – o que significou um período de consolidação para o mercado imobiliário. Para a construtora Trisul, o ano representou um novo patamar: aumento do VGV lançado, acentuada aceleração das vendas e elevação do lucro líquido e, em relação aos lançamentos, a empresa obteve uma elevação de 258% em comparação a 2018.

Com 24 obras em andamento e potencial estimado de VGV de mais R﹩ 1 bilhão para 2020, a empresa se destaca entre os principais players do setor. A expectativa para o próximo ano é alta: vendas brutas de R﹩ 1 bilhão a R﹩ 1,3 bilhão, assim como o volume de lançamentos, também na mesma faixa. “Estamos vivendo um momento muito importante para a Companhia, tivemos um ano de muito sucesso e acreditamos que esse ciclo virtuoso se consolide para os próximos períodos” explica Jorge Cury, CEO da Trisul.